Busca:

  Notícia
 
Igreja e OAB pedem mudanças no projeto da praça de Abrantes


A Igreja Católica e a Ordem dos Advogados do Brasil-OAB, Secção Camaçari, defendem a realização de mudanças no projeto de requalificação da praça de Vila de Abrantes. Esse consenso ficou claro durante encontro que reuniu, na manhã desta terça-feira (22), na sede da Cúria de Camaçari, o Bispo Dom João Carlos Petrini, o pároco da Igreja do Espírito Santo, Edson Bahia, os representantes da OAB, Juan Sterfan, que também é urbanista, e Rogério Araújo Costa; e o professor e historiador Diego Copque, autor do livro sobre a história de Camaçari.


De acordo com nota distribuída pela OAB, a Igreja tem demostrado “preocupação com o andamento das obras”, e vai marcar um encontro com o prefeito Antonio Elinaldo (Democratas), para discutir o projeto e adequações que assegurem a preservação da paisagem e da memória de importante sítio histórico do século XVI, que tem como principal referência a centenária Igreja do Espírito Santo.


Documento lembra que o local, onde a prefeitura realiza obras de requalificação, com a construção de quiosques  para uso comercial, integra  um conjunto de “sítios arqueológicos”  cadastrados pelo IPHAN. A nota termina lembrando que a “ continuidade da obra sem a devida análise dos aspectos já elencados constitui uma grave mácula à memória do município, do Estado da Bahia e do Brasil”.


Íntegra da Nota


Após noticiar ao Ministério Público sobre a irregularidade das obras na Praça matriz de Vila de Abrantes, dando início ao procedimento investigatório de nº 590.9.120497/2021 (IDEA), a Ordem dos Advogados do Brasil, subseção de Camaçari, através da Comissão de Meio Ambiente, Mobilidade Urbana e Direito Urbanístico (COMAMDU), se reuniu com o Bispo Dom João Carlos Petrini, representante da Diocese de Camaçari e com o padre Edson Bahia, pároco da Igreja do Divino Espírito Santo em Abrantes, para externar o posicionamento frente a obra de requalificação da Praça de Abrantes.


Na reunião ocorrida na manhã do dia 22.06.2021 o representante da Igreja Católica demonstrou preocupação com o andamento das obras e promoverá interlocução com as autoridades executivas locais para que o patrimônio que integra a memória da cidade e do país seja considerado no projeto de “requalificação” da praça. Na oportunidade foram discutidas outras propostas para a mesma região, o que será objeto de discussão no próximo encontro.


A referida praça integra o rol de sítios arqueológicos, sob o código CNSA: BA00709, do Cadastro Nacional de Sítios Arqueológicos CNSA/IPHAN. A obra que recebeu recursos do CAF – Banco de Desarrolo da América, entidade preocupada com a sustentabilidade dos projetos, segue em execução sem respeitar o bem protegido pela União, frente a importância histórica e arqueológica do sítio.


Cabe reiterar que a continuidade da obra sem a devida análise dos aspectos já elencados constitui uma grave mácula à memória do município, do Estado da Bahia e do Brasil, sendo, por isso, forçosa a imediata suspensão da obra para reanálise destes requisitos e observância do quanto disposto no art. 225, caput, da Constituição Federal.

Mais Notícias

PF não tem registros de investigações sobre fraudes na urna
Pandemia desemprega quase 400 trabalhadores por hora, diz estudo
Conta de luz pode continuar na ´bandeira vermelha` até novembro
Meus trinta e um anos
Camaçari registra 40 novos casos de Covid-19 em 24h
Bares e restaurantes ganham novo horário com redução do toque de recolher
Anticorpos de quem teve Covid não protegem contra nova variante
Câmara de Camaçari treina servidor com moderno sistema digital
Camaçari registra 58 novos casos de Covid-19 em 24h
OAB discute medidas judiciais contra condomínio de Busca Vida


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2021 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL