Busca:

  Notícia
 
Mais da metade dos brasileiros quer uma imprensa imparcial


Clique na tabela para ampliar

Pesquisa realizada pelo Pew Research Center mostra que o brasileiro quer uma mídia imparcial, mas quando comparado aos cidadãos de outras nacionalidades é um dos povos com maior tolerância a tendência da imprensa a uma corrente política.  Apesar das diferenças nos meios de comunicação e estruturas políticas, 75% dos entrevistados em 38 países concordam que nunca é aceitável para uma organização de notícias favorecer um partido político em detrimento de outro. O Brasil ficou abaixo da média mundial. Com  60% dos participantes rejeitando o partidarismo da imprensa, o Brasil só não perde para o Vietnã (57%),  Filipinas (52%), Israel (47%) e Índia(25%).


Mesmo entre os brasileiros com maior nível de escolaridade (ensino médio ou mais), a porcentagem dos que não aceitam o partidarismo (72%) é mais baixa do que a média global (75%). E essa tolerância fica maior entre os entrevistados com menos estudo: 50% rejeitam o viés partidário. 


A maior rejeição ao viés partidário da mídia foi identificada nos países europeus pesquisados. Espanha (89%), Grécia (88%), Polônia (84%) e Suécia (81%) são os países que apresentam uma oposição mais forte. Apesar de uma rejeição ainda alta, os europeus que censuram menos o partidarismo são os italianos (74%) e os franceses (76%).


Há uma tendência mundial em achar que a imprensa não cobre de maneira equilibrada os temas políticos. Na América Latina, esse aspecto é acentuado: na média, 54% acham que os órgãos de imprensa não reportam diferentes posições sobre as questões políticas do debate público. Na Argentina, 55% acham que a imprensa falha neste ponto. No Brasil, o índice atinge 48%.


Os dados do Pew Research Center, sediado nos Estados Unidos e que faz pesquisa sobre tendências, são resultado de um levantamento com quase 42 mil pessoas,  entre fevereiro e maio de 2017 e publicada nesta quinta-feira (11/1). No consenso global contra o viés da mídia, há exceções em países como Índia, Israel e Filipinas, onde quatro em cada 10 entrevistados consideram aceitável que um meio de comunicação, às vezes, favoreça um partido político. 27% dos brasileiros também aceitam o partidarismo "as vezes", um percentual superior ao da média mundial de 20%.


O trabalho diário da mídia, para leitores e espectadores, também foi abordado pela pesquisa. O estudo  identificou uma satisfação geral em relação ao desempenho da mídia impressa, rádio e televisão –, 73% dos entrevistados consideram que a mídia faz um trabalho bom na cobertura de grandes acontecimentos. Mas o grau de satisfação muda em diferentes regiões pesquisadas, sendo os latinos são os mais críticos em relação a qualidade da cobertura de grandes eventos da imprensa. Para uma parte dos chilenos (43%), argentinos (41%) e colombianos (41%), a mídia não faz uma cobertura adequada.


Há apenas dois países em que a maioria dos entrevistados disseram que a mídia não faz um bom trabalho no quesito acontecimentos: Grécia (57%) e Coreia do Sul (55%). No Brasil, 28% dos entrevistados afirmam que a imprensa não faz uma boa cobertura; 66% afirmam que a imprensa tem uma cobertura boa ou muito boa.


Embora sejam moderadas na maioria dos casos, as maiores críticas estão em relação a membros dos governos. Os gregos e os sul-coreanos são os mais críticos: 72% consideram que seus meios de comunicação não informam bem sobre o desempenho do Executivo e seus membros. A avaliação dos holandeses (82%), indonésios (85%) e tanzanianos (89%) nesse aspecto é mais positiva: a grande maioria considera que a imprensa faz seu trabalho “bem” ou "muito bem". Entre os brasileiros, 37% criticam o trabalho de supervisão do Governo, enquanto 57% elogiam.


O estudo também avaliou o tipo de informação que é mais seguida. Mais de duas em cada três pessoas entrevistadas seguem notícias locais ou nacionais, uma proporção menor quando se trata de informações internacionais (com uma média de 57% em todo o mundo). O interesse informativo dos habitantes de outros países em relação aos Estados Unidos, a grande potência mundial, é ainda mais baixo, apenas 48% na média global. A América Latina é a região com menor interesse nos EUA 32%, contra 53% da Ásia, 52% da África e 51% da Europa. Jornal El País

Mais Notícias

Polícia recupera instrumentos musicais de Caetano Veloso
Prefeitura proíbe metrô de cortar bambuzal do aeroporto
Números de acidentes e mortes em rodovias caem em 2017
Servidor da Câmara e do Supremo recebem 13º antecipado
Governo Temer deve gastar R$ 30 bi para aprovar Previdência
Caixa quer aumentar para R$ 87 mil o salário de diretores
Camaçarico 19 de janeiro de 2018
Testemunha do caso Transpetro é assassinada em Candeias
Moro acaba regalias de Cabral com transferência para Curitiba
O Supremo Federal e o polêmico sorteio dos processos


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2018 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL