Busca:

  Notícia
 
Laboratório americano admite ineficácia de vacinas contra a ômicron


Stephane Bancel é presidente do laboratório norte-americano Moderna

As vacinas atuais podem ser “muito menos” efetivas contra a variante ômicron, em comparação às cepas anteriores. A declaração do presidente do laboratório norte-americano Moderna, Stephane Bancel, não apenas preocupou as autoridades, como derrubou as bolsas em todo o mundo. Fala do CEO (Chief Executive Officer), da Moderna ao jornal inglês Financial Times (FT) está alinhada com uma nota da Organização Mundial da Saúde (OMS). Na segunda-feira (29) a OMS afirmou que a versão mutante representa um “risco muito elevado”.


A Moderna é responsável por uma vacina de mRNA que tem eficácia de 53% contra hospitalizações, de acordo com um estudo com dados do mundo real, divulgado no mês passado. Segundo o CEO da companhia, nas próximas duas semanas será possível saber o grau de eficiência frente à ômicron. Ainda segundo Bancel, levará meses para os laboratórios desenvolverem um novo imunizante que proteja significativamente contra a cepa. De acordo com ele, os cientistas não estão otimistas. “Todos os cientistas com quem conversei... sentem que ´isto não vai ser bom`”, afirmou.


Tanto a Moderna quanto a Pfizer já trabalham para adaptar as vacinas à variante, mas o problema é que 32 das 50 mutações identificadas na ômicron estão justamente no local onde essas substâncias atuam, a proteína spike. “O número de mutações no vírus ômicron, em comparação com a versão usada para desenvolver as vacinas, sugere que elas provavelmente não funcionarão tão bem. Ainda não sabemos quão significativo será o efeito no mundo real”, destaca o infectologista Peter English, ex-editor da revista Vacinas na Prática. Ele explica que, até agora, os imunizantes resistiram contra as novas cepas, com apenas uma ligeira queda na eficácia, especialmente no caso da dose única. “É algo um tanto tranquilizador, mas não podemos nos fiar nisso.”


O infectologista destaca a necessidade de monitorar casos (infecções assintomáticas, casos sintomáticos; hospitalizações, internações em UTIs e óbitos) em populações do mundo real e relacionar esses dados ao estado de vacinação dos pacientes. “Isso nos dirá o quão eficazes são uma, duas, três ou quatro doses, para diferentes vacinas e combinações de vacinas.”


Virologista na Universidade de Monash, na Austrália, Vinod Balasubramaniam destaca que a desigualdade na cobertura vacinal global abre as portas para vírus mutantes. “Cada vez que o vírus se reproduz dentro de alguém que não foi vacinado, há uma chance de ele sofrer mutação e uma nova variante emergir. É basicamente uma bomba-relógio. A principal forma de interromper as variantes é a vacinação global igualitária. Devemos levar vacinas a essas pessoas o mais rápido possível (especialmente em países que estão com a taxa de vacinação abaixo), tanto para ajudar as vulneráveis quanto para impedir o surgimento de novas variantes.” O médico lembra que, na África do Sul, onde apenas 35% das pessoas estão totalmente vacinadas, a ômicron começou a se espalhar rapidamente.


O especialista também é cético quanto à eficácia dos bloqueios nas fronteiras. “Não esqueçamos também que quando a cepa Delta foi inicialmente descoberta/anunciada, ela foi encontrada em 53 países em três semanas, indicando claramente que o fechamento geral das fronteiras não é a maneira mais sustentável de combater isso.


Acho que é tarde demais para impor um fechamento total da fronteira, pois isso fará mais mal do que bem a longo prazo”, diz, insistindo na necessidade de se adotar medidas eficientes; “A forma mais eficaz de prevenir a propagação da variante seria aumentar as taxas de vacinação nos países da África do Sul, em vez de bloqueá-los do resto do mundo. A equidade da vacina é um problema real e a principal causa para o surgimento desses tipos de variantes. A solução de longo prazo será ajudar esses países com taxas de vacinação extremamente baixas com o lançamento de vacinas e suprimentos médicos, em vez de encerrá-los”, critica. Balasubramaniam lembra que, há pouco tempo, os Estados Unidos se desfizeram de milhões de doses de imunizantes vencidos “devido ao caráter egoísta do acúmulo de vacinas”.


Diante da preocupação mundial com a nova cepa, o diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu “calma” aos Estados-membros, para que respondessem de maneira “racional” e “proporcional”.Tedros disse compreender “a preocupação de todos os países por proteger seus cidadãos”, mas expressou preocupação com o fato de várias nações implantarem “medidas gerais e brutais que não são fundamentadas em evidências, nem são eficazes por conta própria, e que apenas agravarão as desigualdades”. CB

Mais Notícias

Camaçari não registra nenhum novo caso de Covid-19 em 24 horas
Pandemia aumenta pobreza e deixa bilionários ainda mais ricos
Maioria defende a vacinação de crianças contra a Covid-19
Camaçari registra 18 novos casos de Covid-19 em 24 horas
Legendas usam dinheiro do fundo partidário em itens de luxo
Brasil pode ter o dobro do número oficial de infectados pela Covid
Camaçari registra 16 novos casos de Covid-19 em 24 horas
Produção industrial baiana registra a maior queda do país em 2021
Camaçari registra 37 novos casos de Covid-19 em 24 horas
Sindicato cobra pagamento de indenização de parceiras da Ford


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2022 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL