Busca:

  Notícia
 
MP acusa presidente do Legislativo Camaçari de superfaturar contrato


O contrato foi assinado pelo presidente do Legislativo, Jorge Curvelo (DEM)

O Ministério Público (MP) de Camaçari entrou com ação na Justiça pedindo a suspensão do contrato firmado este ano pelo presidente do Legislativo do município, Jorge Curvelo (DEM), com a empresa Larclean Saúde Ambiental Ltda, para prestação de serviços de desinsetização, desratização, descupinização e “afins”  nas áreas externa e interna da Câmara de vereadores. 


De acordo com a ação impetrada na Justiça de Camaçari, pelo promotor Everardo Yunes, o contrato apresenta irregularidades, inclusive com indícios de superfaturamento, que configuram atos de improbidade administrativa. Com vigência até 31 de dezembro deste ano e  valor total de aproximadamente R$ 140 mil contrato é quase 80 vezes maior que o valor gasto em 2018 (R$ 1,8 mil) para o mesmo tipo de serviço, que foi pouco superior às despesas de 2017 (R$ 1 mil). 


Ainda segundo a ação, que pede o ressarcimento de parte dos gastos, o contrato não traz os valores unitários, específicos por metro quadrado, cobrados para cada tipo de serviço, ainda que cada um deles requeira a utilização e aplicação de diferentes produtos. O contrato também estabelece, sem qualquer estudo técnico prévio à contratação, o controle de pragas com quatro reaplicações em todas as áreas do prédio do parlamento municipal. 


Do total contratado, o legislativo de Camaçari já pagou pouco mais de R$ 46,7 mil. Pelos cálculos do MP, com base nos valores apresentados, o contrato estabelece uma tarifa de R$ 16,57 por metro quadrado. Esse valor é quase 4 vezes maior que os contratos  para o mesmo serviço dos anos anteriores  que seria de apenas R$ 4,7. “Desta forma, multiplicando R$ 4,7 pela área total da Câmara (7.788,19 m²), alcançar-se-ia, somente, o valor de R$ 36.604,49 e não o montante de R$ 139.996,22”, afirmou Yunes. 


Ainda segundo Yunes, o valor de R$ 36,6 mil deve ser “levado como parâmetro máximo de razoabilidade a ser estabelecido na contratação em apreço” e que o “excedente” dessa quantia, cerca de R$ 103,3 mil, “corresponde ao valor superfaturado no contrato, o qual deve ser ressarcido aos cofres municipais”. Com informações do site do MPE

Mais Notícias

TSE adota medidas para conter o fake news na campanha de 2020
Justiça anula reeleição de Sinval para presidente do Sindsec
Proposta de reforma tributária terá imposto sobre consumo
Mangabeira diz que Bolsonaro é ´laranja` da elite econômica
Ex-piloto de Stock Car morre vítima de acidente aéreo na Bahia
Dinheiro do fundo partidário deve beneficiar base dos caciques
Emprego informal cresce e reduz a produtividade da economia
Aliados reclamam de discurso de Lula que defende PT hegemônico
Origem do óleo que polui praias brasileiras continua mistério
Dia Nacional da Amazônia Azul lembra esforços para conter óleo


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2019 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL