Busca:








Vizinho distante Depois de cochilar na decisão fundamental de dotar os conjuntos habitacionais do programa federal Minha Casa, Minha Vida (MCMV), de estrutura mínima, como escola, posto de saúde, creche, segurança e transporte decente, a prefeitura de Camaçari acorda e promete mudar o foco e ensaia reação. Montou “grupo de trabalho” e promete implantar o “projeto Prefeitura Itinerante” para suprir carências imediatas.


Vizinho distante 2 Num claro atestado da falta de planejamento na implantação dos equipamentos necessários para manutenção da qualidade mínima de habitabilidade dos milhares de moradores, em especial dos  conjuntos localizados na Estrada da Cetrel e Jardim Limoeiro, a atual gestão subestima até a inteligência do leitor.


Vizinho distante 3 Justifica o atraso na implantação dos serviços, justamente usando os motivos pelos quais não poderiam postergar tão importantes e fundamentais medidas. Em nota postada no site da prefeitura a secretária de governo e pré-candidata a prefeita, na sucessão e apoiada pelo alcaide Ademar Delgado (sem partido), Jailce Andrade (PCdoB), diz que o atraso ocorreu  “Em função da localização de alguns empreendimentos” (Confira).


Vizinho distante 4 Movimentação governista se oficializa justamente na semana posterior ao encontro do ex-prefeito e deputado Luiz Caetano (PT), com moradores do programa, sexta-feira (29/). Com a proposta de um novo projeto de governança, o pré-candidato ao 4º mandato de alcaide de Camaçari, se apresenta como se não tivesse nenhuma responsabilidade pelos projetos habitacionais garantidos ainda na sua gestão e inaugurados pelo seu antecessor e hoje adversário político.


Vizinho distante 5 Descuido com a implantação de estrutura básica para garantir moradias dignas é documento antigo. Escritura atestando o descaso geral com  a vida de  milhares de  moradores conta com o carimbo da sempre desarticulada, distraída e pouco contributiva oposição.


Meia sola  Depois de anos abandonada, a Casa da Criança e do Adolescente (Cica) começa a sofrer reforma na sua estrutura. Conservador e até discriminatório, projeto de melhorias pilotado pela secretaria de desenvolvimento social (Sedes), mas avalizado pelo alcaide e o seu chamado núcleo duro,   mantém a Cica no passado ao não assegurar a instalação de computadores. Desprezam a importância da ferramenta na melhoria das aulas e nas perspectivas de futuro desses meninos e meninas, muitos em situação de vulnerabilidade social.


Meia sola 2  Abandono denunciado pela Coluna, em março do ano passado (Confira), começa a ser corrigido com projeto básico de pintura, troca de telhado, do piso e recuperação das instalações elétrica e hidráulica. Pais, alunos e profissionais do espaço também esperam a retomada do curso de balé, a regularização funcional dos atuais educadores, pendurados no Reda, a instalação de equipamentos de segurança para as aulas práticas nas oficinas, e a implantação de um programa de complementação alimentar de qualidade. 


Resposta  O titular da secretaria de saúde de Camaçari (Sesau), Washington Couto, prefere ficar longe da polêmica. Não vai comentar as acusações de perseguição política a funcionários e uso inadequado de recursos públicos, feitas pelo seu antecessor, Vital Sampaio. Denúncias foram publicadas na noite de quarta-feira (4/5) pelo Camaçari Agora (Confira).


Alô Limpec  A famosa ‘capsula do tempo’, enterrada pela Jac Motors, em novembro de 2012, numa área  da estrada da Cetrel (BA-530), pode virar lixo e, consequentemente, passível de ser removida. Com a decisão da montadora chinesa de abandonar o projeto inicial de construção de carros numa área de  6 milhões de metros quadrados, e optar pela instalação de uma modesta linha de finalização de veículos, em outro espaçomenor no município, monumento vira estorvo. Previsão da montadora era só exumar o veículo em 2032. Alerta sobre risco ambiental foi feito pela Coluna em maio do ano passado (Confira). 


Trena A direção do Clube Social informa à Coluna que a área coberta do clube tem exatos 880 metros quadrados. Com essa dimensão, ainda segundo a gestão do outrora famoso e disputado espaço de encontro das famílias da Camaçari, não dá para colocar mais de 1 mil pessoas sentadas no recinto.


João Leite – Editor  


5/5/2016

 





Bandeirosos

Bandeirosos  A descontrolada gestão da Cidade do Saber continua operando com ‘bandeira livre’. Mesmo em crise financeira por má gestão, com cortes de recursos, demissões de educadores e redução de cursos oferecidos para estudantes de Camaçari, o programa gerido pela ONG Instituto professor Raimundo Pinheiro, mas bancado pelos cofres do município, gastou quase R$ 63 mil com despesas de taxi em 5 meses.

 







Bandeirosos 2  Cópias de Notas Fiscais que a Coluna teve acesso mostram uma despesa de R$ 62.761,50 com serviço de transporte passageiro. Com 12 meses de validade (abril/2015 a abril/2016), contrato com a Cooperativa Invista Serviços de Transportes e Locação de Veículos LTDA-ME, na prática só aparece efetivado nos meses de maio e dezembro do ano passado, e janeiro a março deste ano. 


Bandeirosos 3  A Coluna também apurou que contrato com  a cooperativa, sediada em Dias D’Avila, teve valor inicial de quase R$ 32 mil (R$ 31.830,01), mas terminou na prática sendo ‘aditivado’ em quase 100%. Legislação determina em 20% o máximo para acréscimo ou redução de valor de um contrato. No caso da Cidade do Saber, teto que seria de cerca de R$ 6 mil foi multiplicado em 5 vezes. 


Bandeirosos 4  A 1ª Nota Fiscal  do contrato referente a maio de 2015, e emitida em 1º de junho de 2015, o valor foi de R$ 956,00. Era apenas o começo de uma longa corrida onde o taxímetro não parece ser problema. Só 7 meses depois a mesma cooperativa volta a emitir Notas Fiscais. Em dezembro são duas NFs. Uma no Valor de R$ 5.980,50, referente  ao período de 1º a 6 de dezembro, e emitida em 1º de janeiro de 2016. E outra Nota Fiscal no valor  de R$ 16.742,00, correspondente ao período de 7 a 13 de dezembro, emitida em 1ºde fevereiro de 2016. O que chama a atenção é o gasto total de R$ 22.722,50 num mês que teve praticamente metade dos seus dias engolidos pelo recesso de Natal e final de ano. 


Bandeirosos 5  Pesquisa da Coluna junto a profissionais da praça de Camaçari que uma viagem de taxi entre a sede do município e Salvador, ou Salvador/Camaçari, custa em média R$ 80,00. Com base nessa média de custo da corrida (ida ou volta), apenas para facilitar o entendimento do leitor, o contrato representou quase 800 viagens em 5 meses. 

 

Clique na Imagem para ampliar






Bandeirosos 6 Ainda de acordo com esse mesmo cálculo, o 1º mês do contrato (maio/2015), custou R$ 956,00, o equivalente a 12 viagens. Já os R$ 22.722,50 de dezembro consumidos com corridas de taxi equivaleram a 284 viagens/mês entre Camaçari/Salvador, ou Salvador/Camaçari. Afinando a conta, número corresponde a 9 corridas por dia no último mês do ano de 2015. 

 

Clique na Imagem para ampliar






Bandeirosos 7  A extrema necessidade de taxi da Cidade do Saber prosseguiu nos meses seguintes. Em janeiro, ainda durante o recesso e com menos de uma dezena de servidores em serviço, Nota Fiscal emitida em 8 de março de 2016, mostra pagamento à mesma cooperativa de R$ 12.450,00, o equivalente a 155 viagens e uma média de 5 idas ou voltas por cada um dos 31 dias do 1º mês de 2016. 

 

Clique na Imagem para ampliar






Bandeirosos 8  Nos 29 dias de fevereiro, além do recesso, o famoso e esperado mês do Carnaval, a Cidade do Saber não fez diferente e botou o taxímetro para rodar. Nota Fiscal emitida  em 16 de março de 2016, mostra pagamento de R$ 12.499,00, o equivalente a 156 viagens Camaçari/Salvador, e uma média de quase 6 idas ou voltas por dia. 

 

Clique na Imagem para ampliar






Bandeirosos 9 Mesmo com baixa presença de empregados, os custos com taxi em março praticamente não registraram queda em relação a fevereiro. Nos 31 dias de março, conforme NF emitida em 15 de abril deste ano, os serviços de taxi usados pela Cidade do Saber custaram R$ 14.134,00. Gastos representaram uma média equivalente a 177 viagens, ou quase 6 corridas por dia entre Camaçari e a capital, ou percurso inverso. Confira na Nota Fiscal ao lado 


Bandeirosos 10 As irregularidades na gestão da Cidade do Saber, denunciadas pelo Camaçari Agora, e comprovados por auditoria do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), seguem em processos de investigação pelos Ministérios Público Estadual (MPE), Federal (MPF) e do Trabalho (MPT).  Lentidão dos órgãos fiscalizadores ganha reforço na omissão das autoridades municipais e seus postulantes ao comando da cidade a partir de janeiro de 2017. 


Bandeirosos 11  Lista é encabeçada pelo alcaide Ademar Delgado (sem partido), seguida pela sua candidata a sucessão, a atual secretária de governo, Jailce Andrade (PCdoB). A Câmara de Vereadores reforça a lista dos poderes sempre ausentes, apesar de constitucionalmente obrigada a fiscalizar o ‘Contrato de Gestão’ entre a ONG controladora da Cidade do Saber e o município.


Bandeirosos 12  Perigosa omissão, com imenso prejuízo para os cofres públicos e para a construção de um programa verdadeiro de cidadania ganha bandeira livre dos outros 3 pré-candidatos ao lugar do prefeito Delgado. Antonio Elinaldo (DEM), José Tude (PMDB) e Luiz Caetano (PT), esses últimos prefeitos do município por 3 vezes e mirando um 4º mandato, seguem suas 'corridas', com discursos afiados em defesa da moralidade pública, longe da Rua do Telégrafo, onde funciona a Cidade do Saber.  


João Leite – Editor


3/5/2016

 

Clique na Imagem para ampliar




Sonambulismo

Sonambulismo A prática de nepotismo patrocinada pelo alcaide de Camaçari, Ademar Delgado (sem partido), e denunciada pela Coluna (Confira), parece contar com o apoio das principais lideranças políticas do município, independente de partido ou tendência. 


Sonambulismo 2 Ao cochilarem da obrigação pública de se posicionarem sobre o atropelo ao princípio da moralidade e até da questionável legalidade com a coisa pública, os pré-candidatos oposicionistas Antonio Elinaldo (DEM) e José Tude (PMDB), e o neo-antigovernista Luiz Caetano (PT) sinalizam a mesma e perigosa cama.


Sonambulismo 3 Com espaço na imprensa e nas redes sociais, onde costumam mandar seus recados e difundirem suas verdades, o quarteto segue silencioso sobre a escandalosa substituição de maridos por esposas e outros parentes, em cargos de 1º escalão. O 4º nome do que se poderia chamar de conjunto apoiador desse distúrbio prejudicial para a cidade, é o da pré-candidata governista. Como secretária de governo, Jailce Andrade está automaticamente incluída por ser coautora do ato. 


Sonambulismo 4 Mais uma vez esse conjunto de principais lideranças municipais, de onde sairá o futuro prefeito de Camaçari, opta pela política do silêncio. Coincidência ou não, lideranças envolvidas no troca-troca familiar de cargos são ex-petistas, hoje filiados a partidos cobiçados no jogo eleitoral. Tanto o PRB, ligado à Igreja Universal, como o PMN, hoje comandado pelo secretário de serviços públicos (Sesp), Zé de Elísio, outro que não costuma dormir no ponto, são peças importantes e não podem ser desprezadas pelo quarteto.


Construção O deputado federal, 3 vezes gestor e pré-candidato ao 4º mandato de prefeito de Camaçari, Luiz Caetano (PT), prepara mais um movimento de fortalecimento de sua imagem e consequente distanciamento dos erros do passado e da gestão da sua criatura, o atual prefeito Ademar Delgado (sem partido). Sob o pretexto de discutir o programa Minha Casa, Minha Vida (MCMV), atrai nesta sexta-feira (29) à noite, para o Cube Social, um público potencial de 12 mil moradores de conjuntos espalhados no município, além de outras centenas de candidatos na fila de espera pelo sonhado 1º lar.   


Construção 2 Mesmo sem fazer autocrítica pelos erros no social das suas últimas gestões (2005/2012), muito menos do prosseguimento dos equívocos no governo do seu hoje ex-pupilo, Caetano segue seu discurso. Fala em ‘nova governança’, como se não existisse passado e, de forma legítima para um pré-candidato, quer ouvir sugestões da população para o seu futuro governo. 


Construção 3 Consciente da fragilidade dos pilares teóricos e até de gestão dos adversários, Caetano segue sua Agenda Camaçari, que entra na sua 17ª edição, puxando um debate ao seu modo e sem empecilhos e questionamentos . 


Construção 4 Na prática, o programa Minha Casa, Minha Vida, em Camaçari, é modelo que não deve ser copiado, muito menos festejado. Sem a menor estrutura, como escola, creche, posto de saúde, segurança e transporte decente, o MCMV em Camaçari nasceu com rachadura.


Construção 5 Pilotando uma política descompromissada com o social, gestão municipal se preocupou apenas com as 4 paredes. Preocupados apenas com os números midiáticos de cidade com mais moradias e outros ‘guinness’, burocratas ignoram que uma casa não começa, muito menos acaba pelo conjunto porta/janela.


Construção 6 O resultado são números significativos no desamparo e acolhimento dessa população deslocada de vários pontos da cidade e outras regiões do estado, atraída pela “Terra das oportunidades”. Sem programas sociais eficientes e desamparadas por práticas mínimas de convivência e cidadania nessa nova realidade, conjuntos viraram ajuntamentos de famílias com modos de viver, muitas sem experiência de vida em comunidade com serviços coletivos. O resultado está presente em todos os conjuntos habitacionais, com destruição de equipamentos, sujeira, ocupação irregular de áreas públicas e outras práticas facilmente evitadas, caso o município tivesse um projeto e vontade política de fazer. 


Construção 7 A indiferença da chamada elite política local, independente do posicionamento político, reforçada pela omissão do estado e do governo federal, financiador do MCMV, comprometem a felicidade desses moradores. Sozinhos não identificam, muito menos são capazes de consertar a rachadura da desigualdade. 


Dorminhoco E o PCdoB volta a vacilar, ganha dor de cabeça e pode até perder significativa gordura eleitoral para o pleito de outubro. Reincidente e descuidado com a burocracia exigida pela Lei Eleitoral, partido não mandou em tempo hábil a lista de novos filiados, como mostrou o Camaçari Agora (Confira). Relação não inclui apenas o nome da atual secretária de governo e pré-candidata a prefeita, Jailce Andrade. Lista é maior e atinge novos e até velhos militantes comunistas.


Dorminhoco 2 Coluna apurou que descuidos do diretório de Camaçari são antigos. O partido realizou convenção municipal em outubro de 2015, mas só promoveu a legalização do ato, com o registro em cartório e comunicação à Justiça Eleitoral no último mês de março. Nesse espaço o partido formalmente ficou sem diretório no município.


Caminhos O PSOL de Camaçari discute nesta sexta-feira (29), as linhas do seu programa de educação. Partido busca construir com outras legendas e setores da chamada esquerda a formação de uma chapa de vereadores e prefeito. Reunião aberta, a partir das 18h, será realizada no auditório da Contrato, avenida Francisco Drumond, ao lado do Espaço Conviver.


Descuido Mesmo incluídas nos decretos publicados nas edições nº 665 e nº 667 do Diário Oficial do Município, linkados no texto, a Coluna se penitência com o leitor por não informar as datas das exonerações e nomeações no pacote familiar denunciado pelo Camaçarico. Todas os 5 desligamentos são de 31 de março (DOM nº 665). Já as 4 nomeações para as sub-secretarias ocorreram no dia 1º de abril. Apenas a nomeação para o cargo de Ouvidor Municipal tem data de 4 de abril. Todas estão no DOM nº 667).


João Leite – Editor


28/4/2016

 





DNA

DNA O velho dito popular ‘primeiro os meus’, que prega o atropelo da moralidade em favor da eterna vantagem familiar, principalmente quando o dinheiro é do contribuinte, continua firme e forte na gestão do prefeito de Camaçari, Ademar Delgado (sem partido). A prova está nas nomeações dos 5 novos subsecretários, publicadas no Diário Oficial do Município nº 667 (9 a 15 de abril de 2016). 


DNA  2 Na vaga de sub da administração (Secad), ocupada pelo ex-petista e agora pré-candidato a vereador pelo PRB, Antonio Carlos Andrade Bitencourt, conhecido como Antonio da Feira, entra a sua esposa Carluze Barbosa. Regra segue com o ex-vereador pelo PT e também na disputa por uma vaga no Legislativo pelo mesmo partido, João Araújo, substituído pela sua cônjuge, Maria Isabel Almeida, na sub da pasta da secretaria da fazenda (Sefaz).


DNA 3 A sucessão parental segue na vaga de chefe da Ouvidoria do município. Sai o pastor Temístocles Mattos e entra seu filho Luis Misael Costa de Mattos. Decretos publicados nas páginas 15 e 16 do DOM (Confira) também confirmam a substituição da sub da secretaria de desenvolvimento social (Sedes), Aurenita Castillo, ex-PT e agora no PRB, pela nora Rhaniela Fagundes Borba Castillo. Nomeações mostram ainda a transferência da vaga de sub-secretária de serviços públicos (Sesp), da ex-vereadora petista Margarida  de Moura Galvão (PMN), para a sobrinha Maria Mariana Moura Bezerra.


DNA 4 As exonerações de Antonio da Feira, Aurenita Castillo, João Araújo, Margarida Galvão e do pastor Temístocles foram publicadas no DOM nº 665 (26 de março a 1º de abril) (Confira). 


Igrejinha  A eleição dos então secretários Márcio Neves (educação), e Vital Vasconcelos (cultura) para o Conselho de Administração da Cidade do Saber, no  final do ano passado, é mais uma das ‘estranhices’ praticadas pela gestão do programa de apoio a jovens de Camaçari. É o que mostra a Ata da Assembleia do Conselho Administrativo da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, gestora da Cidade do Saber.


Igrejinha 2  Datado de 1º de dezembro de 2015, mas só publicizado neste mês de abril, documento que a Coluna teve acesso mostra a eleição dos hoje ex-secretários para 2 das vagas abertas com a renúncia de 6 dos 12 membros. Deixaram o colegiado: Erico Oliveira, Laurent Gilles Canovas Gutierrez e Mirian de Almeida Souza (titulares). E os suplentes Isabel Malta Gões, Maria Bárbara Pestana Frois e Maria de Fátima Brochado Landin.


Igrejinha 3 Escolhas de Neves e Vital desconsideram a necessidade de aprovação de novos membros por voto direto da Assembleia Geral. De acordo com o Artigo 11 do Estatuto Social do Instituto Raimundo Pinheiro, compete à Assembleia Geral “eleger e destituir, Diretoria, Conselho Fiscal e Conselho Administrativo”.


Igrejinha 4  As dúvidas sobre a legalidade da escolha através do  Conselho de Administração, instância abaixo da soberana Assembleia Geral, ficam ainda maiores com declaração, registrada em Ata, da diretora geral da ONG. Na página 2 do referido documento, a Sra. Ana Lucia Alves da Silveira informa “que os quatro cargos em vacância do conselho administrativo serão eleitos através de Assembléia Geral“. Ora, como pode o Conselho de Administração eleger e empossar 2 conselheiros e deixar outros 4 para serem escolhidos pela soberana Assembleia Geral.


Igrejinha 5  Na mesma assembleia, segundo a Ata, presenciada pelo representante do Ministério Publico Estadual (MPE),  promotor Geraldo Agrelli Lobo, a diretora geral informa a contratação do sociólogo Gerson Oliveira para o cargo de diretor administrativo da Cidade do Saber. Mudança foi divulgada pela Coluna na sua  edição de 4 de dezembro (Confira). 


Igrejinha 6  No caso do ex-titular da Secult e pré-candidato a vereador pelo PCdoB, Vital Vasconcelos, presença no conselho da Cidade do Saber pode garantir a sua manutenção num outro colegiado, o Conselho de Cultura de Camaçari, onde exerceu a presidência e continua com forte influência. Como mostrou a Coluna do dia 19/4 (Confira), ONG tem assento vitalício no colegiado que gerencia atividades de cultura e o Festival de Cultura e Arte, bancados quase que na sua integralidade com verbas do Fundo de Cultura de Camaçari (FCC).


Termômetro  O deputado federal e candidato ao 4º mandato de prefeito de Camaçari, Luiz Caetano (PT), tem missão importante na queda de braço eleitoral. Terá de montar esquema de logística para a edição especial da sua Agenda Camaçari, dia 29 (sexta-feira), a partir das 18h, no Clube Social.


Termômetro 2  Diferente das reuniões de bairro, encontro na quadra coberta do espaço da avenida Jorge Amado, com capacidade para acomodar de  forma confortável cerca de mil pessoas, sem números inflados, vai exigir esforço extra das lideranças caetanistas para fazer volume e mostrar força.


Rastreamento A atual secretária de governo e pré-candidata a prefeita de Camaçari, advogada Jailce Andrade (PCdoB), promete acionar judicialmente todos os responsáveis por perfis falsos montados para atingir sua imagem.


Rastreamento 2 Garante que o esquema de investigação montado por sua assessoria já tem significativas pistas de alguns desses ‘fakes’ alojados no Facebook. A partir da nova legislação apelidada de "Lei Carolina Dieckmann", sobre crimes em ambiente digital, Jailce promete enquadrar todos os desafetos, não tão invisíveis e inacessíveis como imaginam, no Código Penal.


Corpo a corpo Por falar em Jailce, a pré-candidata do alcaide Ademar Delgado (sem partido) não vai ficar no cargo de secretária até o final de junho, como assegura a Lei Eleitoral. Antecipa desincompatibilização para final de maio. Quer ficar livre a agenda burocrática do cargo e dispor das 24 horas do dia para apresentar, de porta em porta, sua candidatura ao eleitorado. 


João Leite – Editor


25/4/2016

 





Tabuleiro

Tabuleiro Ao mesmo tempo em que se infla com a possível ascensão do vice Michel Temer (PMDB), aliança entre o DEM e o PMDB dos pré-candidatos, vereador Antonio Elinado e ex-prefeito José Tude, entra numa nova zona de aquecimento. Processo natural de sacramentação de candidatura única para a prefeitura de Camaçari na banda antigovernista ganha retardo com nova realidade pró-PMDB.


Tabuleiro 2 Hoje, em nítida desvantagem eleitoral sobre o  companheiro oposicionista, de acordo com  todas as pesquisas, Tude se empodera com a possibilidade de integrar o partido do presidente da República e vê crescer suas chances de retornar ao poder municipal pela 4ª vez. Caso se confirme o afastamento de Dilma, com a ascensão de Temer, o peemedebista deve ganhar reforço com a provável ida de Geddel Vieira Lima para um ministério. O reflexo será imediato com mais gás na sua hoje nitidamente desacelerada pré-candidatura. Crescimento pode reverter a atual tendência e empurrar o vereador do Democratas para a vice. 


Tabuleiro 3 Mesmo com o outro lado da moeda e peso significativo no processo de rearrumação do poder em escala nacional, o DEM liderado pelo prefeito ACM Neto não tem outra alternativa senão exercer a paciência. Vai continuar trabalhando com duas pás. Uma inflando o nome do vereador Elinaldo e outra afastando em conjunto com o PMDB as ameaças de divisão da aliança oposicionista na base local.


Tabuleiro 4 Como muitos desavisados estão a festejar, o processo de impeachment da presidente Dilma fortalece as oposições em Camaçari, mas não fere de morte o deputado federal e pré-candidato ao 4º mandato de prefeito, Luiz Caetano. Petista observa o tabuleiro nacional e segue tentando influenciar no jogo paroquial alheio.


Tabuleiro 5 Mesmo em visível desvantagem eleitoral, com alta taxa de rejeição, comprovada por  pesquisas, e fadiga natural pelos 2 últimos mandatos (2005/2012) de prefeito, Caetano segue no jogo. Tenta ainda se afastar do passivo que representa a gestão da sua hoje renegada criatura. Do prefeito Ademar Delgado (sem partido) só o bônus, assim mesmo sem presença física ou qualquer relação que atrapalhe sua trajetória.


Tabuleiro 6 Jogando o jogo político na sua plenitude, principalmente nos erros dos adversários, o ex-alcaide aposta numa nova conjuntura nacional, mesmo com Dilma fora. A eleição direta, com Lula no páreo, é o gás para recompor a sua base, inclusive com velhos caetanistas, hoje alojados em outras legendas, como Rede, PSOL e o empoderado PCdoB patrocinador e avalista da pré-candidata Jailce Andrade.


Tabuleiro 7 Aposta na união em torno do ex-chefe e responsável pela gordura política que todos obtiveram com espaço nos seus 3 governos, inclusive durante a 1ª e confusa gestão (1986/1988).


Capitania Continua gerando cizânia na bancada petista no Legislativo a pré-candidatura a vereadora da ex-secretária da mulher, Soledade Caetano. Mesmo sem reclamações públicas, vereadores acham que a irmã do ex-prefeito e pré-candidato ao 4º mandato, deputado federal Luiz Caetano, desequilibra o jogo, já pouco favorável para os petistas nessa conjuntura pró-impeachment da presidente Dilma.


Capitania 2 Formada pelos históricos José Marcelino, Otaviano Maia, Professora Patrícia e Téo Ribeiro, além do cristão novo Jackson Josué, bancada oficialmente nada fala. Choradeira sobre a presença da irmã e matriarca dos Caetano no páreo continua restrita ao confessionário.


Capitania 3 Petistas sabem que o momento é outro, diferente dos ventos fortes das eleições de 2008, quando Caetano elegeu os sobrinhos Alfredo Andrade e Paulinho do Som, reprovados no pleito de 2012. Do projeto familiar restou apenas Otaviano Maia, sobrinho da deputada Luiza Maia, assim mesmo eleito na última vaga da coligação. 


Foco A secretária de governo e pré-candidata a prefeita de Camaçari, Jailce Andrade (PCdoB), garante que nunca passou por seus planos disputar uma vaga de vereadora nas eleições de outubro. Disse à Coluna que o seu perfil é de gestão. Lembra que poderia ter disputado uma cadeira do Legislativo em 2012, quando seu nome foi listado e depois afastado pelo ex-prefeito Caetano, que optou pelo então petista Ademar Delgado (sem partido), hoje em fim de mandato e patrocinador da sua candidatura.


Desfoco  Não tem jeito, a candidata  do prefeito Ademar continua cumprindo um roteiro que só atrapalha a sua pré-candidatura. Agarrada ao cargo, a doutora Jailce, como costuma ser chamada, segue reforçando uma estranha agenda negativa. A mais recente carimbada nesse processo de desgaste, que poderia ter sido abreviada com a desincompatibilização, está no Diário Oficial do Município (DOM) nº 665.


Desfoco  2 Nas páginas 30, 31 e 32 a edição do DOM datado de 26 de março a 1º de abril (Confira), a secretária de governo assina parecer da Comissão de Avaliação do Contrato de Gestão 050/2013, entre o município e a ONG Instituto professor Raimundo Pinheiro, gestora do programa Cidade do Saber (CDS).


Desfoco 3 Diferente do que se vê na real do programa, com desequilíbrio financeiro provocado por má gestão do dinheiro público repassado para a CDS, demissão de educadores e redução de cursos, com graves prejuízos para centenas de jovens, documento mostra que o Contrato de Gestão foi cumprido. Ainda segundo o ‘Parecer nº 01/2016’ o programa Cidade do Saber obteve em 2015 “pontuação global de 9,5” que corresponde a “desempenho MUITO BOM”. Corrobora com a avaliação o ex-subsecretário e atual titular da pasta da educação (Seduc), professor Juipurema Sandes, outro repassador de recursos da municipalidade para o programa.


Axé O terreiro de candomblé Lembá, comandado pelo líder espiritual Tata Ricardo Tavares, deve ganhar título de tombamento como patrimônio imaterial. O projeto, com estudos e catalogação de acervo e demais informações sobre o espaço localizado na Via Cascalheira (BA-331), em Camaçari, tem a chancela da secretaria de cultura domunicípio (Secult). A Coluna apurou que o projeto já conta com a assessoria técnica de um profissional da área de museologia.


Axé 2 Com o tombamento pelo Instituto do Patrimônio, Camaçari passa a ter 2 terreiros na lista dos protegidos e duplamente reconhecidos como representantes das religiões de matriz africana. O 1º terreiro foi o Terreiro de Jauá, liderado pelo sacerdote Tata Laércio Sacramento, em 2006. 


João Leite – Editor


22/4/2016

 





Saberes e Fazeres

Saberes e Fazeres Diferente do programa Editais de Apoio Cultural de financiamento de projetos, o Festival de Cultura e Arte de Camaçari, também financiado pelo Fundo de Cultura de Camaçari (FCC), segue de vento em popa.  A Coluna apurou que os 7 dias de festa da 5ª edição, prevista para 22 a 28 de setembro, em plena primavera eleitoral deste 2016, deve custar para os cofres do FCC, mantido com verbas federal e estadual, menos que os cerca de R$ 1 milhão e 300 mil gastos pelo Fundo em 2015 com atrações e estrutura.


Saberes e Fazeres  2 Conta não inclui os repasses feitos diretamente pela prefeitura que cola o evento com o Aniversário da Cidade (28 de setembro). Mesma matemática de pagamentos com verbas de duas fontes foi usada na 3ª edição do festival (2014), quando o Fundo bancou quase R$ 1 milhão e 600 mil e a municipalidade entrou com o resto.


Saberes e Fazeres 3 Relatórios de Gestão do Fundo de Cultura sobre as edições 2015 e 2014, que a Coluna teve acesso, mostram números intrigantes de uma festa onde a ‘dispensa de licitação’ e a ‘inexigibilidade’ são as regras, enquanto os processos de escolha de empresas através de licitação e outras modalidades de seleção para contratação de serviços parecem ser a exceção.


Saberes e Fazeres 4 O que chama a atenção nos relatórios dos festivais 2014 e do ano passado são os pagamentos com inexigibilidade e dispensa de licitação, expedientes geralmente usados em situações emergenciais. Segundo a Coluna apurou, nenhum desses relatórios foram questionados formalmente pelos 23 conselheiros do Fundo de Cultura. Com maioria ligada ao governo, colegiado conta ainda com 10 assentos de representantes dos segmentos artísticos, audiovisuais e novas mídias, movimentos sociais, e até do chamado patrimônio cultural material e imaterial. 


Saberes e Fazeres 5 Com 1 dia a menos que a edição 2014 (21 a 28 de setembro), o Festival de Cultura e Arte de 2015 (22 a 28 de setembro) consumiu em 7 dias pouco mais de R$ 1 milhão 400 mil do Fundo de Cultura com a contratação de 13 empresas para produção de shows e estrutura da festa.


Saberes e Fazeres 6 O que chama atenção é o excessivo número de contratadas sem processo que caracterizaria escolha a partir de mais de uma proposta. Das 13 empresas listadas como contratadas, 7 foram por ‘inexibilidade’, uma por ‘dispensa de licitação’, e outra sem forma de contratação definida no documento que a Coluna teve acesso.


Saberes e Fazeres 7 Só no grupo das 7 parceiras escolhidas por ‘inexigibilidade’ os gastos superaram os R$ 657 mil. Nesse bloco das inexigíveis, destaque para uma empresa contratada por R$ 240 mil. Somados aos R$ 337 mil pagos a uma única contratada por ‘dispensa de licitação’, e uma outra por quase R$ 19 mil, sem especificação da forma de contratação, gastos sobem para pouco mais de R$ 1 milhão. Valor representa mais de 70% dos custos totais com o festival, bancados pelo FCC. Já os custos com as outras 4 empresas, contratadas através da modalidade ‘pregão presencial’, beiram os R$ 400 mil.


Saberes e Fazeres 8 Essa mesma modalidade (inexibilidade), que significa exclusividade para prestação de um determinado serviço, portanto sem necessidade de cotação ou escolha pelo menor preço, já havia sido aplicada na 3ª edição do festival. Na comparação com os números exibidos no relatório de 2015, os gastos de 2014 apresentam proporções mais modestas.


Saberes e Fazeres 9 Ainda segundo o documento que a Coluna teve acesso, os pagamentos através de ‘termo de inexigibilidade’ de 3 das 5 empresas contratadas para organizarem e viabilizarem todo o festival 2014 representaram pouco mais de R$ 503 mil (30%). Pagamentos nessa modalidade variaram de R$ 220 mil a pouco mais de R$ 133 mil. Já as 2 empresas escolhidas através do ‘Pregão presencial’ receberam quase R$ 1 milhão e 100 mil, o equivalente a 70% de todos os gastos do FCC com o festival.


Saberes e Fazeres 10 Os relatórios de 2014 e 2015 mostram ainda gastos com outros eventos definidos, aprovados e bancados pelo Conselho de Cultura com verba do FCC. Conta 2014 do Fundo de Cultura fechou em R$ 1 milhão 580 mil, com a realização dos eventos: Dia do Rock (23 e 24 agosto), Dia do Mestre de Cultura Popular (5 a 10 setembro) e Dia da Capoeira (22 a 27 de dezembro).


Saberes e Fazeres 11 Generoso, o Conselho ajudou até a prefeitura a pagar a conta do Camaforró 2014. Desembolsou  exatos R$ 77 mil 999,99 para contratação de grupos culturais juninos para animar o maior São João da Grande Salvador e um dos maiores da Bahia.


Saberes e Fazeres 12 Já o somatório geral do Fundo de Cultura de 2015, incluídos os gastos com o Dia do Mestre de Cultura Popular (17 a 21 de agosto), Dia do Rock (22 e 23 agosto), Dia do Teatro (21 a 28 novembro), e Dia da Capoeira (14 a 21 de dezembro) chegou a pouco mais de R$ 1 milhão 800 mil.


Saberes e Fazeres 13 A Coluna apurou que dos mais de R$ 5 milhões de recursos recebidos desde 2012, o Conselho tem hoje um saldo em torno de R$ 1 milhão e 400 mil. Cerca de R$ 3 milhões foram usados na reforma do antigo Teatro Magalhães Neto, rebatizado em 2012 como Teatro Alberto Martins (TAM). Recursos do FCC também bancou eventos ligados ao Conselho e as 4 edições do Festival de Cultura.


Saberes e Fazeres 14 Parte dos conselheiros, preocupada com a gastança excessiva com a contratação das chamadas ‘grandes atrações nacionais’ e outros gastos de produção, botou freio na festa deste ano. Cachê de artista ou grupo ‘Top’ não poderá ultrapassar os R$ 120 mil. O uso dos espaços públicos também deve ajudar a enxugar os custos com montagens de estruturas para shows, oficinas e apresentações.


Saberes e Fazeres 15 Caminha para a  4ª velinha o ‘bolo’ que os artistas e produtores culturais de Camaçari levaram do tão festejado programa Editais de Apoio Cultural de financiamento de projetos. Perspectivas de definição do processo de distribuição da verba anual de cerca de R$ 500 mil são as piores possíveis. Com o 1º quadrimestre (janeiro/abril) no fim e o próximo (maio/agosto) dedicado à agenda política dos acordos, negociações, montagem de chapas e convenções partidárias, nada vai acontecer.


Saberes e Fazeres 16 Neste ano eleitoral com previsão de encerramento das atividades da gestão Delgado, com o resultado das urnas, dia 2 de outubro, gente da área dá como certo o adiamento para 2017. Confirmado o triste cronograma, programa Editais de Apoio Cultural de financiamento, criado na gestão Luiz Caetano (PT), atravessa o 2º governo e sonha com o novo alcaide, ou alcaidina, a partir de janeiro de 2017.


Saberes e Fazeres 17 Dinheiro existe, está na conta e é carimbado para financiamentos de montagens teatrais, shows e produções audiovisuais. Atraso no roteiro de viabilização dos editais, responsabilidade da secretaria de cultura (Secult), controladora das finanças do Fundo de Cultura de Camaçari (FCC), vem provocando um vazio na produção cultural camaçariense desde 2012. Queixa de conselheiros, artistas e produtores é antiga e já foi denunciada pela Coluna (Confira).


Saberes e Fazeres 18 Composto por 23 conselheiros, o Conselho do Cultura de Camaçari será renovado em  10 vagas,  dia 21 de maio, através de um colégio eleitoral formado por representantes dos segmentos artístico, de produção audiovisual e novas mídias, patrimônio material e imaterial e movimentos sociais. 


Saberes e Fazeres 19 As demais 13 vagas do colegiado são ocupadas de forma cativa por 9 representantes de secretarias municipais. Completam o quadro, com 1 voto cada e também vitalícios, a Câmara de Vereadores, Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (Cofic), Associação Comercial e Empresarial de Camaçari (ACEC) e a ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, gestora da Cidade do Saber.


João Leite – Editor


19/4/2016


 

 





Experiência

Experiência A não desincompatibilização da pré-candidata a prefeita Jailce Andrade (PCdoB), até 2 de abril, deixou os caminhos  da atual secretária de governo ainda mais curtos. Caso seu partido siga o roteiro traçado pelo governador Rui Costa, de candidatura única com o petista Luiz Caetano, Jailce morre na beira. Também perde as chances de alterar seu rumo e usar esse capital político com uma candidatura forte e competitiva para o Legislativo.


Experiência 2 Como não se afastou, agora está amarrada pela legislação. Segue cumprindo uma agenda mais negativa que positiva, diante do desgaste do patrocinador da sua candidatura, o alcaide Ademar Delgado (sem partido). Mesmo que decida deixar o cargo antes do final de junho, como permite a lei, já perdeu a chance de se manter com musculatura no jogo. Fora da disputa pela prefeitura seguiria na chapa proporcional. Eleita ajudaria a engordar a bancada de apoio a Ademar e ainda sairia maior.


Experiência 3 Resta saber se decisão passou por acordo, entre seu partido e o alcaide, para não criar obstáculos ao processo de construção, fortalecimento e consequente eleição do ex-secretário da cultura, Vital Vasconcelos. PCdoB sonha com a eleição do seu atual dirigente municipal para voltar a representar o Legislativo, quase 30 anos depois do último vereado comunista, Izanor Pereira.


Experiência 4 O ex-vereador Cleber Alves é de fato e de direito o comandante do PRTB em Camaçari. Habilidoso e conhecedor dos caminhos, túneis e atalhos da política, Alves desembarca com armas e bagagens na campanha do vereador e pré-candidato a prefeito pela oposição, Antonio Elinaldo (DEM). Com o PRTB de Alves, que pode disputar uma cadeira na Câmara, coligação soma agora 7 partidos (DEM, PSDB, PPS, PV e PMB). Expectativa é chegar a 8 legendas.   


No forno Mesmo distante 5 meses do clique do eleitor na urna, o vereador petebista Zé do Pão não anda muito tranquilo. Fontes da Coluna asseguram que a provável coligação do seu PTB com o PMDB do pré-candidato a prefeito José Tude, e o PSC da Pastora Anita, será páreo duro. Coligação terá direito a lançar 32 nomes e precisará somar 7 mil votos para entrar na conta do coeficiente eleitoral para eleger 1 vereador.


Saída de emergência Não será nesta quinta-feira (14) que a Câmara de Vereadores irá ouvir secretários, alunos sem curso e professores demitidos sobre o processo de desmonte da Cidade do Saber. Sem ter o que perguntar e longe de fazerem mea-culpa pela omissão na fiscalização do programa, governo e oposição respiram com a pausa.


Saída de emergência 2 As bancadas governistas 1 e 2, formadas pelo aliados do alcaide e pelos petistas seguidores do deputado Caetano, junto ao descuidado time oposicionista, não definiram as formalidade para as convocações exigidas pelo Regimento Interno da Casa. Caso aconteça sessão nesta quinta-feira (14), bancadas devem marcar as convocações para a próxima semana.


Selfies  A manhã de segunda-feira (18) será animada para as bancadas de vereadores governistas ‘1’ e ‘2’. O governador Rui Costa entrega oficialmente 400 unidades habitacionais do programa Minha Casa, Minha Vida nos conjuntos habitacionais Morada dos Pardais 5 e 6, no Jardim Limoeiro.


Velocidade O Ministério Público Estadual (MPE) continua investigando as irregularidades nas contas da Cidade do Saber. O atual promotor responsável pelo caso, Geraldo Agrelli Lobo, mira num novo inquérito as despesas com pessoal e outros gastos, pagos de forma direta e indireta através das cooperativas. A Coluna apurou que já estão em seu poder os documentos digitalizados das despesas com as cooperativas Unitrab (União dos Trabalhadores Autônomos LTDA) e Cicoop (Cooperativa de Trabalho de Consultores Independentes), consideradas a caixa preta da Cidade do Saber.


Velocidade 2 Já o Processo Investigatório Preliminar (PIP), aberto em janeiro do ano passado pela promotora Juliana Varela Rodrigues de Barros, posteriormente transformado em Inquérito Civil, foi encerrado no final de março deste ano com quase nenhum avanço. Ouviu o ex-secretário de governo, Sergio Paiva, a  atual controladora geral do município, Ednalva Santana de Souza, e a presidente da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, gestora do programa Cidade do Saber, Ana Lucia Alves da Silveira.


Velocidade 3 Arquivado pelo atual promotor titular do caso, substituto de Juliana Varela, transferida para o MPE em Salvador, procedimento só não conseguiu ouvir a ex-presidente do Conselho de Administração da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, Fátima Mendonça. A ex-primeira do estado e esposa do ministro Jaques Wagner, da defesa desde janeiro de 2015, e agora titular da pasta da casa civil, não foi localizada para “se manifestar nos autos”. Segundo o documento do MPE, datado de 30 de março e afixado no mural do MPE de Camaçari, as “tentativas de notificação restaram infrutíferas”. Atualização às 16h18


João Leite – Editor


13/4/2016

 





Navalha

Navalha A Câmara de Vereadores de Camaçari pode ter renovação de até 50%. A conta é de profissionais de comunicação e gente grande de partidos governistas e da oposição. Confirmado o percentual, dos atuais 19 representantes do povo, apenas 10 voltam a ocupar as cadeiras do Legislativo para o mandato 2017/2020, ampliado para 21 assentos com o recálculo baseado na divisão população eleitorado.


Hipoglós A presidência do PT de Camaçari parece que virou batata quente. O jornalista e ex-secretário da pasta da inclusão (Secin), Fabão Pereira, disse ao Camaçarico que está fora dos seus planos voltar ao posto que exerceu até o começo de 2013.


Hipoglós 2 Sem nomes na sua corrente dispostos àmissão, a EDP (Esquerda Democrática Popular), do atual presidente, vereador e presidente do Legislativo, José Marcelino, abriu vaga para o vice-presidente, Ângelo Mário, da corrente CNB (Construindo um Brasil Novo), que por sua vez recusou. O ex-secretário de relação institucionais, Demétrius Moura, o também ex-auxiliar do alcaide Ademar, Anderson Santos, e a deputada Luiza Maia, antecessora de Marcelino no posto, ambos da Esquerda Popular Socialista (EPS), entraram na lista. Decisão, como de costume, será do deputado e pré-candidato ao 4º mandato de prefeito, Luiz Caetano.


Hipoglós 3 A Coluna apurou que saída de Marcelino é provisória e tem cronograma final após as imprevisíveis eleições de outubro. Fechada a urna, independente do resultado, quer voltar ao cargo e realinhar suas forças de olho na sucessão de 2020, quando espera poder disputar a cabeça da chapa.


Desfocada A convocação de secretários municipais de Camaçari para prestar informações sobre a Cidade do Saber (CDS) é mais um capítulo da ‘chanchada’ em que se transformou o processo legislativo de apuração dos desmandos no programa de apoio a jovens carentes através de atividades e cursos nas áreas de arte e esportes.


Desfocada 2 Os secretários Juipurema Sandes (educação), Branca Patricia Vieira Lima (cultura), Manoel Alves (esportes) e até o todo-poderoso Camilo Pinto (fazenda) serão os coadjuvantes de uma grande encenação, durante a sessão ordinária da próxima quinta-feira (14), a partir das 9h, no plenário do Legislativo.


Desfocada 3 O novato Manoel Alves e os já experimentados na máquina, Juipurema, subsecretário antes de assumir o comando da pasta, e Branca Patricia, superassessora do então secretário Vital Vasconcelos, não podem ser eximidos. A culpa pela distância dos números que deveriam conhecer em detalhes, por serem repassadores de recursos para a CDS, também é pecado mortal de Camilo, responsável direto pelo equilíbrio nos gastos do município.


Desfocada 4 Sem números detalhados sobre os gastos com pessoal e a aplicação de boa parte dos repasses públicos para cooperativas, a caixa-preta da Cidade do Saber, secretários apenas comporão o cenário. Quarteto de personagens vai apenas reforçar os equívocos do programa que entre 2011 e 2015 recebeu dos cofres municipais cerca de R$ 60 milhões. Conta que a Coluna já exibiu em junho do ano passado soma mais de R$ 7 milhões e 500 mil, apenas com repasses para cooperativas no período 2011/2014 (Confira).


Desfocada 5 Gerido de forma autônoma pela ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, estrutura constituída para pilotar a CDS, programa nasceu em 2007 no governo do ex-prefeito Luiz Caetano (PT). Dirigida desde a sua criação por militantes e simpatizantes do PT e PCdoB, ONG chegou a ter secretários municipais em seus quadros de associados. Estranha relação que colocava esses personagens dos 2 lados do balcão, ao mesmo tempo como pagador e fiscal das ações do programa bancado com o dinheiro da municipalidade, seguiu sem qualquer questionamento até 2014.


Desfocada 6 Nunca fiscalizado pelo Legislativo, apesar da sua  função constitucional reforçada pela sua inclusão como inspetor no ‘Contrato de Gestão’, só agora os vereadores acordam com os gritos das ruas, vindos dos alunos sem cursos e professores demitidos pela direção da CDS.


Desfocada 7 Sem saber o que fazer e impedidos pelo Regimento Interno de convocar os diretores da ONG, Legislativo tenta montar espetáculo às pressas para acalmar a plateia. Totalmente apartada dos debates sobre o naufrágio do principal programa de apoio a jovens carentes do município e um dos mais importantes do estado, Câmara de Vereadores só reforça e expõe seu histórico de falta de vontade política.


Desfocada 8 Instalada no ano passado, a Comissão de Inquérito (CI) sobre a CDS, ou ‘CPI da Cidade do Saber, como gostam de chamar, não saiu do papel. Não ouviu ninguém, muito menos reuniu documentação que a direção da CDS se nega a fornecer ao poder que contratualmente, e até num gesto político, pode acessar suas dependências e verificar esses números. Seguindo o roteiro da chanchada, Jorge Curvelo, vereador do DEM e presidente da ‘CPI’, e o relator Otaviano Maia (PT), seguem gastando o tempo do contribuinte com debate estéril e em círculo.


Desfocada 9 Diferente das chanchadas brasileiras, sucesso no cinema na 1ª metade dos anos 1900, com Mazzaropi e outros astros, produção municipal, montada pela prefeitura e com a co-produção do poder Legislativo, não tem nada de ingênua, muito menos desprovida de realidade ou qualquer elemento de ficção.


João Leite – Editor


8/4/2016

 





Reflexo

Reflexo A derrubada do requerimento de realização de uma Audiência Pública sobre a Cidade do Saber (CDS), na sessão desta terça-feira (5), é mais um atestado da omissão da Câmara de Vereadores de Camaçari. Incapazes de fazer andar uma Comissão de Inquérito (CI), montada a fórceps no ano passado, mas que nunca ouviu ninguém, muito menos reuniu documentação sobre o festival de irregularidades no programa, vereadores acertam o próprio pé do Legislativo.


Reflexo 2 Derrotado por 10 X 8, pedido de debate sobre as demissões na CDS, feito pelo vereador Otaviano Maia (PT), também relator da tal CI, é galho de uma árvore com raiz profunda e sempre adubada pelo próprio Legislativo.


Reflexo 3 Como já mostrou a Coluna, todos os 19 vereadores, inclusive os oposicionistas, nunca fiscalizaram o programa mantido pelos cofres do município. Transformaram em letra morta o artigo do ‘Contrato de Gestão’ que tem a Câmara como avalista.


Reflexo 4 Trabalho de apoio a jovens através da arte e do esporte, gerido de forma autônoma pela ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, nasceu e continua até hoje aparelhado pelo PT e pelo PCdoB. Desde sua criação, em 2007, pelo então prefeito e pré-candidato ao 4º mandato, deputado federal Luiz Caetano (PT), que a Cidade do Saber apresenta problemas nas suas finanças (Confira).


Reflexo 5  Inchada de parentes, aderentes e amigos do poder, programa só fez ampliar seus gastos com projetos mirabolantes, nunca realizados e despesas com folha de pessoal (Confira). Números, ano a ano, mostram o comprometimento da receita, tanto de forma direta, como indireta, através da contratação de cooperativas, verdadeiras caixas-pretas das finanças da instituição.


Reflexo 6  Alertado pelo Camaçari Agora, inclusive com documentos, o ex-petista e agora sem pouso partidário, alcaide Ademar Delgado (Confira), seguiu o roteiro do antecessor e hoje inimigo político. Sem interceder, como seria sua obrigação constitucional de defensor do dinheiro público, Delgado ajudou a aumentar o furo do casco do programa. Com irregularidades comprovadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) e até pela própria Controladoria Geral do Município (CGM), que teve seu relatório ignorado, a Cidade do Saber agora entra no processo de desmonte com demissão de educadores e redução de cursos.


Reflexo 7 Prefeito e ex-prefeito, vereadores governistas e da oposição, agora se debatem nos próprios muros que construíram ao se omitirem da sua missão outorgada pelo voto do eleitor. A aprovação ou não do tal requerimento não importa. O falso embate na manhã desta terça-feira deixou claro que a Câmara de Vereadores na sua unanimidade sempre esteve distante da defesa dos verdadeiros interesses das centenas de jovens e educadores que agora lamentam o recuo compulsório nos seus planos de futuro.


Container A disputa pela presidência da Limpec (Empresa de Limpeza Pública de Camaçari) pode mandar importantes apoios, hoje com a pré-candidatura Jailce Andrade (PCdoB), para o colo do adversário no campo governista, o deputado Luiz Caetano.


Container 2 Enquanto o ex-presidente da empresa e agora pré-candidato a vereador, Luiz Macedo, tenta emplacar seu diretor comercial, Ajax Tavares, o vereador Pastor Neilton puxa a corda para seu protegido, o atual diretor técnico da Limpec, André Anjos. Tanto Neilton, como Macedo  sinalizam que o não atendimento do pleito  é meio caminho para o desembarque na campanha do ex-prefeito.


Container 3 Quem observa com o caminhão estacionado e pronto para desembarcar na disputa é o também socialista, vereador Otto da Farmácia.


Lá e Cá  A  capacidade de onipresença parece ser característica do casal Coroa. Enquanto o deputado estadual Bira Coroa (PT) engrossava o coro dos defensores do partido e da pré-candidaturea Luiz Caetano, a  sua esposa, a professora Creonice Campos , atual subsecretária  de desenvolvimento urbano (Sedur), aplaude as ações do prefeito Ademar e da sua candidata, a secretária Jailce Andrade.  


Lá e Cá  2  Do outro lado da militância, na periferia do poder, petistas amargam o gosto do desemprego e da inimizade com velhos compaheiros, vítima  da caneta da criatura na sua  estratégia de delimitar espaços e afastar da máquina municipal seguidores do criador.


Foi  O ex-petista José Raimundo de Jesus é o mais novo elinaldista. A adesão de ‘Cara de Hamburguer’ ao pré-candidato da oposição pelo DEM será oficializada na noite da próxima quinta-feira (7), durante o encontro ‘Camaçari de Verdade’, no bairro do Machadinho. Candidato a deputado estadual em 2014 e membro da executiva municipal, Cara de Hamburguer deixa o PT depois de 29 anos de militância.


Foi 2  Como antecipou o Camaçari Agora, Hamburguer não é o 1º ex-petista a embarcar no projeto oposicionista. Paulo Silva, dirigente da MBS (Movimento da Base Socialista) se filou ao PV e  disputa uma vaga de vereador na coligação encabeçada pelo vereador Antonio Elinaldo.


João Leite – Editor


5/4/2016

 





Velocidade

Velocidade Pode até ser miragem, mas profissionais de comunicação estão enxergando ‘jabuti em cima em árvore’, no Concurso Público da Câmara de Vereadores de Camaçari. Em grupo de WhatsApp, que a Coluna teve acesso, profissionais que disputaram as 11 vagas na área de comunicação questionam a qualidade das provas e discutem medidas pedindo a anulação do certame com a realização de novo concurso.


Velocidade 2 Identificaram erros de português, incorreção na montagem de questões e até cópia de perguntas de outros concursos. Destaque para o festival de ’Ctrl+C, Ctrl+V’  na prova específica para repórter. A Coluna apurou que quase metade das 20 questões foi transcrita da prova de seleção realizada pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJ-PE), em 2012. Profissionais identificaram até questão extraída da nada precisa e sempre questionada enciclopédia eletrônica Wikipedia.


Velocidade 3  A confirmação, ou não, da estranha trajetória do ‘jabuti’ precisa ser apurada com rigor pelo Legislativo,  responsável pelo concurso e principal guardião da lisura com a coisa pública. O vereador presidente José Marcelino (PT) e seus pares não podem continuar ignorando a denúncia, já de conhecimento de sua assessoria.


Velocidade 4  Realizado dia 13 de março, pela Seprod - Serviço de Processamento de Dados www.seprod.com.br, empresa sediada em Alagoinhas, concurso também selecionou candidatos para as 10 vagas nas funções de recepcionista, psicólogo, assistente social e auditor.


Construção  Raimundo Diácono e o advogado Augusto de Paula ingressaram nesta quarta-feira (30) no PSOL (Partido Socialismo e Liberdade).  Os ex-petistas chegaram a arrumar as malas em direção ao Rede Sustentabilidade. Logo avaliaram como excessivamente elástica a malha ideológica do partido da ex-senadora Marina Silva.


Construção 2  Acreditam que o PSOL, numa aliança com o PSTU, é o melhor caminho para projetos consistentes e retomada de ações políticas em defesa dos legítimos interesses da população de Camaçari. Augusto de Paula pode ser o nome para encabeçar uma chapa para prefeito. Já Diácono, com grande inserção e apoios nas bases da Igreja Católica e nos movimentos populares, aparece como o provável candidato a vereador.


Ajuste O jornalista Fabão Pereira é o nome mais indicado para ocupar a vaga de presidente municipal do PT de Camaçari. Com a saída do vereador José Marcelino, antecipada pela Coluna (Confira), vaga deveria ser automaticamente ocupada pelo vice Ângelo Mário.


Ajuste 2 Mas, o regimento do PT permite a substituição dos nomes da executiva de acordo com a vontade da corrente que detém a vaga. A vice pertence à corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), que deve optar pela troca de Ângelo por Fabão.


Ajuste 3 Confirmado o troca-troca, Fabão Pereira  volta ao comando da legenda que presidiu até o começo de 2013, quando assumiu a secretaria de Inclusão no governo Ademar Delgado (sem partido).


Ajuste 4 Mesmo com trajetória própria como militante e reconhecida liderança política, relação familiar com o ex-alcaide Caetano é tida como fator de reforço na escolha para a missão de tentar oxigenar a base petista. 


Balança Pesagem realizada na 3ª semana de março mostra que o pré-candidato Elinaldo continua mais gordinho que seus concorrentes Luiz Caetano e José Tude. Representante do DEM aparece em todas as medições com o dobro do peso da soma do petista com o peemedebista, enquanto a secretária Jailce Andrade (PCdoB) quase não mexe o ponteiro da balança.


Balança 2 Na chamada medição da gordura rejeitada a situação se inverte com o petista empurrando o ponteiro para cima, quase o dobro da marcação de Tude. Mesmo novinha na balança, Jailce já aparece perto do peemedebista e com alguns quilinhos acima de Elinaldo, avaliado como o mais levinho.


Moderninho O vereador Junior Borges (DEM) lançou aplicativo para celular que permite a população interagir com o político. Sistema criado por estudantes camaçarienses permite a apresentação de sugestões e reclamações sobre a qualidade dos serviços prestados pela prefeitura de Camaçari.


Troca-troca O secretário de ordem pública (Seops), Francisco Franco (PT), não antecipou em 3 meses o prazo de desincompatibilização para disputar uma vaga na Câmara de Vereadores de Camaçari, como  noticiou a Coluna. O editor trocou os prazos. Para quem é secretário e vai disputar vaga no Legislativo, data limite é 2 de abril.


Troca-troca 2 Quem tem prazo até final de junho, portanto 3 meses antes do pleito de outubro, é o titular de secretaria que pretende disputar cargo executivo (prefeito). No pacote de troca de datas, o Camaçarico também deu mais prazo para o secretário Vital Vasconcelos (Cultura) deixar a pasta em busca de uma das 21 vagas na Câmara Municipal. 


João Leite – Editor


31/3/2016

 





Cronograma

Cronograma Quem deve deixar a presidência do PT de Camaçari é o vereador José Marcelino. O também presidente da Câmara Municipal vai cuidar da sua reeleição, que não anda nada fácil na base petista, e reforçar o time da candidatura a prefeito do deputado federal Luiz Caetano.


Cronograma 2 Petistas ouvidos pela Coluna não exibem um bom saldo nesses pouco mais de 2 anos de gestão Marcelino. Culpam a falta de comando na condução da crise iniciada com os desentendimentos administrativos e políticos que resultaram no racha entre criador (Caetano) e criatura (Ademar).


Cronograma 3  Garantem ainda que o estrago no PT de Camaçari, hoje numa situação que alguns dizem beirar o abismo, tem outra raiz profunda. O abandono da militância e a centralização. Como na gestão da deputada Luiza Maia, antecessora de Marcelino, decisões continuaram passando pelo ex-alcaide Caetano, senhor do sim e do não na legenda.


Cronograma 4 Decisão de Marcelino, da Esquerda Democrática Popular (EDP), comandada na Bahia pelo federal Nelson Pelegrino, hoje na pasta do turismo do estado, abrevia mandato em 1 ano. Entra no seu lugar o vice Ângelo Mário, da corrente Construindo um Novo Brasil (CNB), ligada a Lula, Dirceu e ao deputado federal licenciado Josias Gomes.


Cronograma 5  O ex-vereador e até mês passado titular da pasta de turismo e presidente municipal do PSD, José Cupertino, definiu agora no final da tarde, a mudança para o PSC. Discutia também a ida para o PMDB. Negociação passou pela acomodação do também ex-edil, Pedrinho de Pedrão, atual presidente do diretório municipal e pró-candidatura a prefeito do vereador Antonio Elinaldo (DEM). Ajuste acomoda Pedrão na vice.


Cronograma 6 Além de Cupertino, grupo formado pelo ex-secretário de saúde e ex-vereador, Vital Sampaio, e pelos também médicos Artur Sampaio e Hosit Correia, e outras lideranças, deve seguir coeso. Com o comando do PSC a  pré-candidatura do ex-alcaide e postulante ao 4º mandato, José Tude (PMDB) ganha mais um partido. Coligação de Tude, antes com 2 legendas com o PTB do vereador Zé do Pão, soma agora 3 partidos. 


Cronograma 7 No PMDB ou no PSC, grupo tem como certa a união das oposições, mais prá frente, com a definição do nome entre Elinaldo e Tude  para enfrentar o ex-prefeito Caetano, outro que busca o 4º mandato no comando de Camaçari.


Cronograma 8 Francisco Franco deixa a secretaria de ordem pública (Seops) para disputar uma das 21 cadeiras de vereador de Camaçari. Sem espaço e com o coração  batendo longe do alcaide Ademar Delgado (sem partido) e da sua candidata, Jailce Andrade (PCdoB), Franco antecipa desembarque com 3 meses de antecedência do prazo dado pela Legislação Eleitoral para quem tem cargo de secretário.


Cronograma 9 Quem também engrossa o time dos caetanistas é a professora Creonice Campos, até esta segunda-feira (28), no cargo de subsecretária de desenvolvimento urbano (Sedur). Amarrada pelas circunstâncias políticas do marido, o suplente de deputado Bira Coroa, a professora não tem outra alternativa.


Cronograma 10 Na 1ª suplência e com o assento ejetável na Assembleia, de acordo com as conveniências do governador Rui Costa, Bira Coroa mais uma vez paga pela sua baixa capacidade de articulação e construção de liderança independente em Camaçari. Mesmo com o currículo de ex-vereador, presidente do Legislativo Municipal e dirigente do Sindicato dos Professores, vai ter de aderir mais uma vez ao time e aos caprichos do seu eterno algoz.


Cronograma 11 Estratégia de criar fato novo e gerar efeito manada na base do prefeito inclui até o assessor especial de Delgado, Bruno Lima. Com o rompimento, Bruno se une ao irmão Fábio Lima, ex-subsecretário de turismo e candidato a vereador pelo PSL na coligação caetanista.


Cronograma 12 A atual super-assessora do secretário de cultura, Branca Patrícia Vieira Lima, é o nome para a vaga do professor Vital Vasconcelos, na pasta da Secult, que se desincompatibiliza até o final de junho para a disputa de vereador. Ajuste mantém a verticalização do ‘B’ no comando da pasta que já tem outro companheiro, Joelson Macedo, na subsecretaria.


Cronograma 13 Legenda também apresenta mais 2 nomes fortes na briga por 1 ou, quem sabe, 2 assentos que acredita poder conquistar. Mesmo não sendo prioritários pela direção do PCdoB, jogando  todas as fichas em Vital, o empresário Tadeo Sanchez e o suplente de vereador, Binho do 2 de Julho aparecem com fortes chances. Tadeo, da Sol Embalagens, é irmão deputado federal pelo PT paulista e ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez. Já Binho aposta nos companheiros de chão de fábrica da Ford, e no trabalho social que desenvolve na sede do município.


Partitura rasgada  Não tem jeito. Mais uma vez os  músicos da Pró-Sinfônica de Camaçari tocam nesta terça-feira (29) com a ajuda de custo em atraso. Sob a cambaleante batuta da Cidade do Saber, gerida pela ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, projeto pagou apenas 2 dos 4 meses atrasados.


Partitura rasgada 2  Conta próxima dos R$ 2 mil, parcialmente quitada semana passada, caiu para quase R$ 1 mil. Diferente da gestão da Cidade do Saber, que só não desafina quando toca para sua bandinha de apaniguados, os jovens músicos têm compromisso com o futuro de Camaçari. Mesmo com a bolsa-auxílio em atraso, vão tocar bonito para o distinto público, em homenagem ao mês da mulher. 


Atualização às 19h55


João Leite - Editor


29/3/2016 


 

 





Pecados

Pecados  A Cidade do Saber (CDS) já não faz mais festa como antigamente. Nada de ‘Buteco do Raimundo’, com bebidas e comida a rodo, som e presentes para os colaboradores. Provavelmente à espera de uma ajuda divina para tirar a CDS do buraco em que meteram, gestores do programa capitaneado pela ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro apostaram e, mais uma vez, erraram na busca do caminho da metafísica como salvação para seus pecados financeiros contra os cofres públicos.


Pecados 2 Cerimônia pelos 9 anos da CDS, nesta terça-feira (22), ganhou tom quase fúnebre e, mais uma vez, cometeu novo pecado. Provavelmente desconectados, praticaram uma descortesia com o segmento evangélico de Camaçari. Armaram um culto ecumênico meia boca, apenas com as presenças de representantes da Igreja Católica e do Candomblé.


Pecados 3 Nem o alcaide Ademar Delgado, grande pecador pela omissão na fiscalização obrigatória e correção dos erros no programa, já apontados pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), apareceu. Sua candidata a sucessão, a atual secretária de governo, Jailce Andrade, também não foi cantar parabéns para o programa co-gerido pelo seu partido e não menos pecador, o PCdoB. 


Pecados 4 Nessa longa lista de pecadores e hereges, outro que ganha destaque é o presidente do Senalba, sindicato representante dos empregados da CDS. Armando Matos não consegue aprovar o Acordo Coletivo desde maio de 2015, muito menos tomar providências contras as dezenas de demissões e práticas de assédio moral contra servidores, comprovadas pelo próprio sindicato. Apesar da experiência com negociação patrão/empregado, e na política, o também presidente do PT de Aramari, não desarma.


Pecados 5 Acostumados com a blasfêmia, direção da Cidade do Saber apostou até no movimento dos estudantes e professores demitidos. Usou seus computadores e servidores fiéis à causa para viralizarem nas redes sociais o protesto de sexta-feira passada (Confira).


Pecados 6 Como se fossem vítimas e não os demônios responsáveis pelo desmonte de parte do programa de artes e esportes para jovens carentes do município, foram pegos pelas pernas curtas da mentira. Desmascarados pelo próprio ato, não apareceram para gritar, cantar e segurar cartazes e faixas em defesa de importante patrimônio da cidade.


João Leite – Editor


22/3/2016

 





Ortobom

Ortobom  As demissões de empregados da Cidade do Saber (CDS) e o consequente desmonte de parte de sua estrutura de cursos é naufrágio anunciado. Furo no casco é antigo, mas tem na omissão da prefeitura de Camaçari a maior responsável pelo prejuízo. Conta é maior que as dezenas de famílias prejudicadas com o desemprego. Pela tabuada dos alunos carentes de formação e qualificação números chegam aos milhares.


Ortobom 2  Lista tem vários culpados. Além da sua função constitucional de fiscalizar os gastos da prefeitura, a Câmara de Vereadores é agente participante direto no  ‘Contrato de Gestão’. O Parágrafo ‘g’ da Cláusula Terceira (das obrigações e das responsabilidades das partes), diz que  a ONG Professor Raimundo Pinheiro, gestora do programa, é obrigada a “Fornecer, sempre que solicitado pelo Poder Executivo, Câmara Municipal, Tribunal de Contas e Ministério Público, os demonstrativos financeiros inerentes às atividades desenvolvidas pela entidade, nos prazos e moldes solicitados, de forma a permitir o acompanhamento, a supervisão e o controle de suas atividades” 


Ortobom 3  O descaso com importante projeto é unanimidade entre os 19 representantes do povo. Nem governistas, muito menos a bancada de oposição se movimentou para tentar barrar os desmandos denunciados pelo Camaçari Agora. Depois de mais de 3 anos de denúncias feitas pela Coluna, vereadores resolveram montar uma Comissão de Inquérito (CI), pomposamente chamada de CPI.  Alimentada pela incompetência da oposição e ninada pela conveniência do governo que nada quer apurar, CPI da Cidade do Saber continua sem ouvir ninguém. 


Ortobom 4  A manutenção da caixa-preta da Cidade do Saber e seus consequentes prejuízos para a cidadania tem no Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), um dos seus principais aliados.  Órgão esperou quase 7 anos para iniciar fiscalização de programa com orçamento maior que muitas pequenas cidades. Descuido também ganha o apoio, ainda que involuntário do desaparelhado Ministério Público Estadual (MPE). Aberto no início de janeiro de 2015, Inquérito Civil para apurar irregularidades no programa mantido quase que na sua totalidade  com recursos  oriundos da prefeitura, até agora não apresentou nenhum resultado concreto.


Ortobom 5  Acordados do sono profundo, pela sacudidela das ruas, representadas por estudantes sem curso e empregados sem contracheque, governo, vereadores e órgãos fiscalizadores precisam agir rápido, sob pena de entrarem de vez para a lista dos inimigos da cidade. 


Ortobom 6  Outro personagem nessa triste história de atraso no processo de construção da cidadania é o deputado e ex-prefeito Luiz Caetano (PT). O sempre hábil político não perdeu tempo e bateu primeiro numa tentativa de se afastar de qualquer responsabilidade pela deriva da embarcação. Em discurso na manhã de quarta-feira (16) acusou a sua criatura, o agora renegado alcaide Ademar Delgado, pela total responsabilidade no processo de desmonte da Cidade do Saber, com redução de repasses para o programa e a consequente  demissão e enxugamento do número de cursos. 


Ortobom 7  Em discurso inspirado, falou até na  “perplexidade”  que invadiu “corações e mentes dos moradores de Camaçari”. Para reforçar sua retórica lembrou a triste segunda-feira (14), Dia Nacional da Poesia e aniversário de nascimento do baiano Castro Alves, como marco na história de tão importante equipamento de cidadania.


Ortobom 8  O deputado só esqueceu de dizer que o programa criado por ele, em 2007, e gerido desde a inauguração pela mesma ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, vem fazendo água praticamente desde o nascimento. Em 2008, segundo Relatório Anual de Execução das Metas do Contrato de Gestão, a Cidade do Saber já gastava mais que recebia da prefeitura, como mostrou o Camaçarico (Confira).


Ortobom 9  Com capacidade de provocar estrago em toda a base política, as demissões na Cidade do Saber colocam a candidatura Jailce Andrade na zona de sombra. O seu partido, o PCdoB, também entra na linha de tiro ao permitir a realização de tal operação num dos seus redutos de gestão.


Ortobom 10  Com atraso natural pelo desconhecimento do eleitorado, greve dos professores e dos servidores, prevista para segunda-feira (21), a candidata do prefeito ganha mais um complicador na sua já lenta trajetória capaz de viabilizar seu nome como a opção da base governista, em disputa com o petista Caetano. Afinal, os estrategistas da sua campanha sabiam ou não sabiam sobre as demissões e as suas implicações políticas numa cidade já abalada pelos cortes na montadora Ford.


Ortobom 11  E o PCdoB por que não abortou o projeto de enxugamento na Cidade do Saber, com a construção de uma alternativa capaz de manter os investimentos e as vagas e empregos. Essa seria a lógica do partido da candidata e principal fiador do prefeito na empreitada de enfretamento do criador e agora adversário político e inimigo. Não foi por falta de peça dentro da estrutura, ainda reconhecida como reduto caetanista.


Ortobom 12  Além do poderoso diretor financeiro e importante braço no comando do programa da CDS, Julio César Pinheiro, o prefeito poderia contar com o aval do conselho financeiro da ONG gestora. Colegiado, ainda que com poder de influência limitado, é presidido por ninguém menos que Sinval Rios, marido da candidata Jailce. 


Ortobom 13  Alertado pelo Camaçari Agora, desde a posse em 2013, sobre irregularidades na  Cidade do Saber, Delgado nada fez. Seguiu o roteiro traçado pelo ex-chefe Caetano e renovou o contrato com a ONG gestora do programa sem fazer auditoria nas contas. Também ignorou a auditoria da sua Controladoria Geral do Município (CGM), realizada  no 1º semestre de 2015 sobre parte dos gastos de 2013. Em 2015 voltou a renovar o Contrato de Gestão sem mexer no comando do programa.


Ortobom 14  Longe das contas e cercado por adversários que alimentou e ainda engorda com cargos e recursos públicos, o alcaide agora paga o preço pela sua omissão e opção pela terceirização da sua gestão. Fatura caminha para colocar sua gestão no paredão do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), e a sua candidata num bote sem remo e GPS.


Scarpin   Estudantes e ex-empregados da CDS realizam nesta sexta-feira (18), manifestação contra as demissões, pela volta dos cursos e realização de auditoria nas contas do programa. Ato com concentração a partir das 16h, na porta do Colégio Modelo, pode contar com figura rara na  cena camaçariense. A Coluna apurou que a diretora presidente da ONG gestora, Ana Lucia Alves da Silveira, foi convidada e pode comparecer ao ato de protesto. Confirmada, ilustre presença no asfalto quente da calorenta Camaçari será fato inédito.


Scarpin  2 Diferente do discurso de reengenharia nas contas e necessidade de cortes cirúrgicos e necessários nos cursos, com demissão de educadores, a CDS continua gastadora. Sem apresentar projeto de redução da inchada lista de diretores e coordenadores, com salários que variam de R$ 10 mil a R$ 6 mil, avança na contratação de supérfluos. O mais recente exemplo de continuação da gastança é a contratação de um motorista para conduzir a ilustre diretora.


João Leite – Editor


17/3/2016

 





Naufrágio

Naufrágio A Cidade do Saber (CDS) anunciou nesta segunda-feira (14), a demissão de cerca de 40 empregados. Cortes de pessoal, na sua maioria educadores, praticamente afundam os programas de educação musical, dança e teatro. A Coluna apurou que o núcleo de dança e a Orquestra Pró-Sinfônica, tida como menina dos olhos do alcaide Ademar Delgado, não foram jogados ao mar.


Naufrágio 2 Furo no casco é defeito de fabricação e vem se acentuando ano após ano com o constante e crescente desequilíbrio financeiro. Sem fiscalização do município, manobras da comandante Ana Lúcia Alves da Silveira e sua tripulação, ampliam o estrago com a gestão Ademar. Como a prefeitura, a Câmara de Vereadores também mantém os binóculos pendurados sobre o peito. Denúncias feitas pela Coluna sobre os desmandos são antigas (Confira).


Naufrágio 3 Estrago só começou a ser comprovado oficialmente a partir da auditoria feita pelo Tribunal de Contas (TCM). Inaugurada em 2007, pelo então prefeito Luiz Caetano (PT), a Cidade do Saber só fez ampliar sua rota de gastança e total ausência de controle pela prefeitura, fonte pagadora e fiscal das contas como determina o nunca respeitado ‘Contrato de Gestão’. 


Naufrágio 4 Relatório do TCM, que pela 1ª vez inspecionou as contas da CDS, mostra que nos anos de 2011 e 2012, ainda na gestão Caetano, a Cidade do Saber já apresentava déficit com gastos acima da receita. Bancada quase que totalmente pelos cofres municipais, mas gerida pela ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, a Cidade do Saber é um mar de irregularidades. Ausência de controle de gastos, atraso no pagamento de impostos e a caixa-preta das cooperativas oficialmente usadas para serviços de consultoria, estão no documento do TCM, datado de  17 de julho de 2014.


Naufrágio 5 Apesar de investigada desde janeiro de 2015, pelo Ministério Público Estadual (MPE), Cidade do Saber e a sua ONG gestora seguem livres mar acima. Programa também está na mira do Ministério Público Federal (MPF) e Ministério Público do Trabalho (MPT), com processos de investigação aberto em agosto do ano passado.  


Naufrágio 6 Mesmo com significativa e importante contribuição na formação da cidadania com cursos e atividades esportivas e shows, a Cidade do Saber nunca perdeu o rumo do poder de inclusão dos protegidos do poder municipal. Excesso de cargos de direção, até hoje mantidos e ampliados a partir de 2013, garantem uma 1ª classe de dar inveja a qualquer estrutura pública no município. São acomodações para filhos, irmãos, esposas e outros parentes de burocratas e gente com mandato parlamentar. Todos mantidos por generosos salários e outros benefícios custeados pelo dinheiro público.


Naufrágio 7 Guardados debaixo do tapete do poder, desmandos na Cidade do Saber agora ganham as redes sociais com protestos de ex-empregados e manifestação contra as demissões dia 1º de abril. Acostumados com a memória curta da população, protestos ganham o apoio até de quem foi poder até o começo do ano e nunca fiscalizou.


Naufrágio 8 Com o aumento no rombo no casco e obrigada a manter o programa, vitrine do PT e sua base governista, remendo para manter o barco navegando é a volta do processo de terceirização.  ‘Durepox’ não fere apenas a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), com redução significativa de benefícios para o trabalhador e a consequente precarização da relação de trabalho. Expõe de forma definitiva a incapacidade de navegar respeitando as leis.  


João Leite – Editor


15/3/2016

 





Malha fina

Malha fina A ex-senadora e comandante do Rede Sustentabilidade, Marina Silva, deixou no aperto parte dos novos militantes da legenda em Camaçari. Com o coração ainda batendo pelo antigo abrigo partidário, ex-petistas não gostaram da defesa do impeachment de Dilma. Reforça o coro de insatisfação, com ameaças de desembarque do partido, a postura de Marina favorável a apuração de possíveis crimes cometidos pelo ex-presidente Lula.


Furo no casco E a Cidade do Saber (CDS) continua à deriva. O fim do recesso, previsto para o começo de março, foi adiado. Com educadores por mais cerca de 30 dias em casa, aulas só devem recomeçar em abril. Perspectiva mais sombria   vivem os candidatos a alunos. Não existe previsão para matricula de novos alunos do programa outrora festejado como um dos maiores do Brasil em inclusão de jovens carentes pela arte e esportes.


Furo no casco 2 Descompromissada e descontrolada, a Cidade do Saber, gerida pela ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, mas mantida pelo dinheiro público, atropela mais uma vez a CLT. Vem pagando a multa de 40% do FGTS dos empregados demitidos usando março de 2013 como base de cálculo.


Furo no casco 3 A Coluna apurou que a manobra foi alertada pelo sindicato dos trabalhadores (Senalba), durante reunião com a categoria, dia 23 de março, na própria CDS. No entendimento do Senalba, base de cálculo do FGTS deve seguir início do contrato, já que a demissão e readmissão imediata, em março de 2013, não pode ser considerada interrupção do contrato de trabalho.


Furo no casco 4 Como denunciou o Camaçarico (Confira), manobra rasgou a CLT e assegurou gordas indenizações para diretores. Mesmo sob as barbas do recém-empossado alcaide Ademar Delgado, generosidade com o dinheiro público nunca foi apurada nem resultou em punição. A irregularidade foi comprovada posteriormente pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), conforme Relatório de Auditoria de 17 de julho de 2014. Sangria com a operação de demissão e reintegração no dia seguinte representou um gasto desnecessário aos cofres do município de Camaçari de quase R$ 1 milhão e 200 mil (R$ 1.180,878,27).


Furo no casco 5 Não satisfeitos com o descontrole nos gastos, em parte drenado pelas cooperativas, como já mostrou o Camaçari Agora, e as velhas e nunca apuradas denúncias de assédio moral (Confira), direção da Cidade do Saber segue avançando sobre a saúde psicológica dos trabalhadores.


Furo no casco 6 A mais recente vitima é o engenheiro Marcos Andrade, representante dos trabalhadores no Senalba e membro eleito pelos colegas para a CIPA (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes). Empregado foi suspenso por 3 dias sob a alegação de agressão ao superior. Empregado nega e garante ter provas dos reais motivos da suspensão.


Furo no casco 7 Em carta enviada a diretores e ao  sindicato, que a Coluna teve acesso, Marcos Andrade diz que o real motivo da punição foi sua posição inflexível diante de ato de ilegalidade. Diz no documento que em meados do fevereiro se recusou a assinar documento de doação de um reservatório de água para um funcionário. Alegou que o bem foi adquirido com recursos da CDS, portanto não poderia ser repassado.


Furo no casco 8 Ainda segundo Marcos, punição tem o aval do diretor administrativo e financeiro, Júlio Pinheiro, dirigente do PCdoB e o novo manda-chuva da Cidade do Saber, com o  afastamento informal da  desgastada diretora geral e  presidente da ONG, Ana Lucia Alves da Silveira. Pinheiro é velho conhecido da Coluna. No Camaçarico de 16 de abril de 2015, a assinatura de Pinheiro confirma o pagamento a empresa Integro Tecnologias Sociais Ltda ME, pelo serviço “fornecido dentro dos padrões estabelecidos” Contrato nunca foi executado como mostrou a Coluna (Confira)


João Leite – Editor


10/3/2016

 



Anterior | |1| 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 | Próxima

Encontrado(s): 452 registros

Listando página: 1

Resumo das Novelas



inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2016 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL