Busca:








Analógico  A gestão do alcaide Elinaldo segue apanhando feio nas mídias sociais. Mesmo consciente de que as mudanças não se processam em 60 dias, população cansada dos desmandos dos governos passados vive a era da verdade na palma da mão. Como tudo nesses novos tempos, as soluções também exigem muito mais velocidade e transparência.


Analógico 2 A falta de projetos para a Feira de Camaçari e a indefinição no programa Cidade do Saber são imperdoáveis. O alcaide também poderia evitar os escorregões das licitações e nomeações de apaniguados, só para ficar nesses exemplos. Pelo visto, o governo do demista não se preparou ou sequer tinha real convencimento da necessidade da mudança que prometeu, e as implicações de processo necessário de ruptura em sua base aliada.


Analógico 3 Quase imóvel, não anuncia mudanças, muito menos acomoda correligionários, hoje distantes na sua defesa nos teclados das redes sociais. Desgaste, reforçado pela omissão de sua tropa, alimenta e empodera os adversários derrotados justamente pelos erros que agora tanto critica.


Analógico 4 Preocupado com a chamada governabilidade, não sabe como tratar essas bases e segue a velha fórmula de atender apenas as chamadas elites do poder. Basta conferir a lista dos ‘de sempre’ no Diário Oficial. Boa parte não serviu apenas aos hoje aliados Tude, Ellery e Helder. Também estavam encastelados nos governos dos opositores do petista Luiz Caetano e Ademar Delgado (sem partido). 


Analógico 5 Apesar dos problemas iguais aos antecessores, como processos de imorais de contratações emergenciais e de aliados, Elinaldo apanha mais rápido. Parece que não identificou que o 2017 dos celulares, smartphones e tablets está distante ‘anos luz’ da realidade de 2013, começo da gestão Ademar. Antes, o conforto era ainda maior. Nos governos Caetano, praticamente sem rede de computadores pessoais, portanto com menor pressão da população sobre os meios de comunicação e sobre o próprio governo, o controle das mídias tradicionais era suficiente para manter o conforto da informação filtrada.


Analógico 6 Agora é diferente. Felizmente mudou tudo. Conectada e em crescente processo de vacinação contra a corrupção e exigindo gastos justos do dinheiro público, eleitor não permite mais uma gestão que não seja séria e transparente e apresente soluções rápidas.


Aleijão  A velha prática de usar a máquina pública, comum nos governos dos  antecessores, segue firme e sem retoque na gestão elinaldo. A mais recente demonstração de mistura do público com o privado foi a festa de entrega da ambulância do SAMU-192.  As mesmas fotos, produzidas pela prefeitura, foram distribuídas pelo município e pela assessoria do deputado federal Paulo Azi (DEM), padrinho da gestão. 


Fui Já é carnaval, cidade. Camaçarico só em março.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


23/2/2017

 





Camarote

Camarote Afinal de contas, quem é o subsecretário de cultura de Camaçari, e quem o indicou para o posto. O advogado Luciel Neto foi anunciado, mas o nome que oficialmente ocupa o cargo e o gordo salário é o servidor João Batista Rezende de Almeida. Segundo fontes da prefeitura ouvidas Coluna, ocorreu um ‘erro’ que será corrigido.


Camarote 2 Enquanto o alcaide Antonio Elinaldo não corrige o ‘erro’, que fecha o 2º mês neste fevereiro carnavalesco e de poucas mudanças, Neto segue na função de sub, com salário de quase R$ 3.800, e registro no Diário Oficial como coordenador. Já Batista recebe pouco mais de R$ 12 mil e 600 para gerir um programa de apoio a artistas da banda  praieira de Camaçari, na estrutura onde funcionou a antiga prefeitura avançada da Orla.


Camarote 3 A explicação talvez esteja no processo de apadrinhamento. No seu currículo apenas experiência em gestão de ponto comercial de sua propriedade, no Subúrbio de Salvador, e atuação política longe de Camaçari. Desfiliado do PMDB, batista foi candidato a vice-prefeito de Rodelas, pela legenda, nas eleições de 2008.


Camarote 4  Assim como Neto, cota do desprestigiado vereador Jorge Curvelo (DEM), a titular da secretaria de cultura (Secult), Marcia Tude, tem padrinho conhecido. É cota do vice-prefeito e papai, o peemedebista José Tude. 


Trapalhada Quase 1 mês depois de conseguir na Justiça o direito de depositar em juízo os recursos destinados ao programa Cidade do Saber, a nova gestão municipal de Camaçari dá meia volta. Muda de estratégia e  suspende o depósito de R$ 314 mil que deveria ter sido efetuado em conta especial definida pela Justiça. Certidão expedida pela 1ª Vara da Fazenda Pública de Camaçari comprova que até esta segunda-feira (20) o depósito não havia sido efetivado.


Trapalhada 2 Pedido da prefeitura, acatado pela Justiça no dia 25 de janeiro, garantia ao município o direito de depositar em juízo os valores que antes eram repassados diretamente ao programa gerido pela ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro. Decisão foi divulgada pela Coluna de 26 de janeiro, nota 'Ajudinha 4' (Confira). Medida também obrigava a gestão da Cidade do Saber a apresentar as comprovações de gastos.


Trapalhada 3 Arrependidos e com nova estratégia, grupo interventor da Cidade do Saber parece querer ganhar tempo. Atrapalhados nas suas próprias estratégias, fruto do desconhecimento do funcionamento da operação do programa pela ONG Instituto Raimundo Pinheiro, grupo interventor agora tranca tudo.  


Trapalhada 4 Pelo visto, descobriram que tinham poder de reter os repasses, com o não pagamento das faturas sob a  justificativa de erros cometidos pelo instituto. Com isso eles preservam os direitos dos trabalhadores e de prestadores de serviço (fornecedores) de receberem seus direitos através da justiça.


Trapalhada 5 Depois de tanto equívocos, apenas um grupo sai prejudicado. São as centenas de alunos, professores, educadores e pessoal de apoio indispensáveis para a manutenção dos cursos e atividades de artes, esportes e lazer. O alcaide Antonio Elinaldo (DEM) precisa enquadrar sua equipe e assegurar a continuidade do programa.


Fantasia  Sexta-feira de carnaval será o 1º teste do prefeito Antonio Elinaldo (DEM). Não incluiu o 24 de fevereiro no decreto de ‘ponto facultativo’, junto com a segunda (27) e a quarta-feira de cinzas (1/3). É aguardar o movimento dos foliões servidores na contração de sexta no centro administrativo municipal.


Semente  Escolas interessadas em avançar na construção da cidadania de seus alunos têm até quarta-feira (22) para se inscreverem no projeto “Para a Turminha, vantagem é ser honesto. Destinado a escolas públicas ou privadas que possuam estudantes do 1º ao 9º anos do ensino fundamental, projeto do Ministério Público Federal na Bahia pode ser acessado através do site do MPF-BA (Confira). 


Jornalismo A Associação de Jornalistas de Camaçari (Ajorc) solta nota protestando e repudiando as ameaças de morte sofridas pelo jornalista Yuri Almeida, editor do site Badogada. No documento a entidade defende a “liberdade de expressão, manifestações ideológicas". Assegura que "sempre se manifestará contrária a qualquer tentativa de cerceamento do exercício profissional de jornalista”. A Ajorc também assegura seu posicionamento contrário ao jornalista que “estiver exercendo sua profissão desmoralizando os princípios basilares do jornalismo”. Segue a íntegra da Nota distribuída nesta terça-feira (21). 


Nota de Repúdio 


Em nome da democracia e do direito da liberdade de expressão, a Associação dos Jornalistas de Camaçari - AJORC repudia as ameaças sofridas pelo jornalista Yuri Almeida, conforme foram noticiadas no site de autoria do mesmo. 


Independente de concordância política ou não, é premissa de qualquer sociedade civilizada o respeito à liberdade de imprensa. Em pleno Século XXI, na era da comunicação digital e das redes sociais, é inadmissível que um jornalista seja ameaçado de morte em virtude do conteúdo jornalístico do seu site. 


Levantamento realizado pela Fenaj [Federação Nacional dos Jornalistas] mostra que houve 161 casos de violência contra jornalistas em 2016. Com dois assassinatos. Além de 222 registros de ocorrências contra profissionais da comunicação no Brasil. Um aumento de 17, 52% em comparação com o turbulento ano de 2015, no País. 


A Associação dos Jornalistas de Camaçari presa pela liberdade de expressão, manifestações ideológicas e  sempre se manifestará contrária a qualquer tentativa de cerceamento do exercício profissional de jornalista. Da mesma forma se manifestará contrária quando um jornalista estiver exercendo sua profissão desmoralizando os princípios basilares do jornalismo. AJORC – Associação dos Jornalistas de Camaçari


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


21/2/2017

 





Descompromisso

Descompromisso  O retorno da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro ao comando da Cidade do Saber, dcidido por medida liminar da Justiça, complica ainda mais a situação do programa de  apoio a jovens através de cursos e atividades de cultura, esporte e lazer.


Descompromisso 2 Com ‘Contrato de Gestão’  até  o final de março, que seguramente não será renovado pelo atual governo municipal, ONG busca agora o pagamento de cerca de R$ 3 milhões e 200 mil que diz  ter a receber  do município em 2016 e não foi repassado pelo então alcaide Ademar Delgado (sem partido). Como já havia mostrado o Camaçarico, custos estimados com a indenização dos cerca de 160 profissionais, inclusive os bem remunerados diretores, soma algo em torno de R$ 2 milhões e 500 mil.


Descompromisso  3 Atestado como péssima gestora do programa e do dinheiro do contribuinte nos seus quase 10 anos de comando a Cidade do Saber, o Instituto Professor Raimundo Pinheiro apenas ganha tempo e ajuda a complicar ainda mais o desfecho que deveria tomar um rumo satisfatório e natural sem prejuízos para a população.


Descompromisso  4 Decisão judicial de retomar o comando, com a imediata suspensão da intervenção na Cidade do Saber, determinada pelo governo Elinaldo, não assegura o que a cidade quer e precisa. Não adianta, a manutenção dos cursos que beneficiam centenas de alunos e emprega outro grande número de professores, educadores e monitores envolvidos nos diversos cursos e atividades do programa, independente de decisão judicial, será de responsabilidade do novo governo.


Descompromisso   5 Mais uma vez o governo Elinaldo mostra pouca intimidade com a gestão transparente e eficiente da coisa pública ao desprezar a necessidade de planejamento das suas ações. Como a Feira de Camaçari e o serviço de transporte, outra bomba relógio, a Cidade do Saber era problema anunciado e comprovado.


Descompromisso  6 Envolvidos na disputa do comando do programa, as correntes dos ex-prefeitos José Tude (PMDB), atual vice, e Helder Almeida (DEM), secretário de governo, descuidaram do planejamento. Aliados, ex-aliados e novamente juntos no protagonismo do novo governo, grupos não querem abrir mão de controlar um orçamento que nos últimos 4 anos (2013/2016) apresentou uma média anual de R$ 10 milhões. Galinha dos ovos de ouro, gestão da Cidade do Saber movimentou cerca de R$ 70 milhões desde a sua criação, em 2007.


Descompromisso  7 O ex-vereador e agora alcaide, Antonio Elinaldo não pode dizer que não sabia de nada. A série de denúncias feitas pelo Camaçari Agora, sobre a ONG gestora do programa e as irregularidades na Cidade do Saber eram do seu conhecimento. Contou até com sua omissão quando ocupava uma das cadeiras do Legislativo e se rotulava de ‘líder das oposições’. Mesmo integrando o poder corresponsável e constitucionalmente fiscal do ‘Contrato de Gestão’ e do dinheiro público, nada fez para mudar aquela realidade. Sequer esteve na sede da instituição. As suas únicas aparições se resumiram a atividades sociais no teatro e a assembleia dos feirantes, no mesmo espaço, em maio de 2015.


Descompromisso  8 Os erros dos alcaides Luiz Caetano e seu sucessor, alimentadores e trombeteiros de uma grande mentira apoiada pela silenciosa e conivente oposição do município não podem avançar numa conta onde o resultado é conhecido popularmente como trocar ‘6 por meia dúzia’O novo governo errou, e errou feio ao adotar o equivocado sistema de intervenção no programa. Sem conhecer o que estava comandando, hoje prática comprovada em boa parte da atual gestão, terminou ajudando a manter em funcionamento e até ameaçar o futuro de um importante instrumento de fortalecimento da cidadania e de luta da população mais carente no cada dia mais complexo e competitivo mercado de trabalho.   


Descompromisso  9 Gerida por uma ‘elite’, na sua maioria distante geograficamente e sem nenhuma afetividade e respeito a Camaçari, sua história e sua população, a ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro segue apenas querendo assegurar a sua última e derradeira vantagem antes de bater em retirada. Lamentável nesse processo é a presença conivente e silenciosa de figuras ‘camaçarienses’, festejadas e reconhecidas pela sua luta em outras trincheiras em defesa da cidade. 


Descompromisso 10 Só um ingênuo ou mal intencionado ainda acredita numa ONG com currículo tão desabonador. Em quase 10 anos de gestão do programa Cidade do Saber, o Instituto Raimundo Pinheiro até que conquistou prêmios nacionais e internacionais. Mas, seus maiores troféus foram e estão sendo outorgados por estruturas de fiscalização, controle e cumprimento do respeito ao dinheiro público. Além do atestado de ficha suja pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), ONG foi multada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) por desrespeitar a Legislação Trabalhista; é ré na Justiça da Fazenda Pública de Camaçari, por ação do Ministério Público Estadual (MPE). Completa a triste lista de ‘láureas’, a investigação em curso pelo Ministério Público Federal (MPF), por irregularidades na gestão de recursos federais.


Descompromisso 11 O descaso parece ser o forte da Rua do Telégrafo. A vizinha de logradouro, Casa da Criança também segue com calendário de aulas indefinido. As matriculas que normalmente se processam em dezembro (veteranos) e fevereiro (novatos), só serão realizadas em março. Programa de apoio a jovens carentes, muitos em situação de vulnerabilidade social, deve empurrar para abril o início do ano letivo.


Descompromisso 12 Mesmo com governo novo, a secretaria de desenvolvimento social (Sedes), responsável pela Casa da Criança, segue como antes. Com praticamente os mesmos personagens, espaço caminha para repetir o desastre dos últimos anos.


Mico A presidente da ONG e diretora geral afastada da Cidade do Saber, Ana Lucia Alves da Silveira, passou aperto na manhã desta sexta-feira (17). Como sempre mal assessorada, se apresentou para retomar o posto. Ouviu do próprio interventor, o doutor Guilherme, que a prefeitura ainda não havia sido notificada sobre a decisão judicial que restabelece o comando do programa à ONG. Sem alternativa, deu meia volta.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


17/2/2017

 

Clique para ampliar a imagem




Rumos

Rumos  A nova gestão da Cidade do Saber continua sem dar notícias sobre as matrículas 2017 e os cursos que o programa ministrava até o final do ano passado. Prejuízo não atinge apenas centenas de jovens. Professores, educadores e monitores, verdadeiros formuladores e condutores do programa, também estão preocupados com o futuro.


Rumos 2 Provavelmente focado nos números, interventor segue tentando abrir a caixa preta do programa que o Camaçarico tanto denunciou. Indefinição e atraso tem parcela de culpa no próprio grupo político do hoje alcaide Antonio Elinaldo (DEM). Caso trabalhassem e não se omitissem da missão constitucional de fiscalizar as ações do programa bancado quase que na sua integralidade pelos cofres  públicos, quando era oposição na Câmara de Vereadores, o quadro seria diferente.


Rumos 3 Com 22 dias no posto, o doutor Guilherme Augusto Teixeira Neto segue assessorado por quem deveria afastar. A Coluna apurou que boa parte dos seus colaboradores, diretos e indiretos, vem da mesma escola da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, gestora do programa desde a sua criação, em 2007. 


Atalhos Se depender do Ministério Público Estadual (MPE), a Feira de Camaçari volta a fechar até que resolva de forma definitiva os problemas de segurança, higiene e equilíbrio financeiro. O promotor Luciano Pita, que estranhou a ausência do MPE na audiência que decidiu pela reabertura da feira, mesmo sendo o responsável pela ação civil pública, promete recorrer.


Atalhos 2 Pita também cobra uma solução para a participação dos comerciantes na conta de despesas do espaço, que não onerem os cofres públicos. Como mostrou o Camaçarico, gastos com a manutenção da feira pelo município representam quase o dobro do valor que a prefeitura estima arrecadar com a  taxação dos feirantes (Confira).


Caminhos Só faz crescer a queixa de amigos e correligionários do prefeito Antonio Elinaldo (DEM). O Elinaldo sempre aberto ao diálogo e ao compartilhamento de dificuldades que permitissem a busca de soluções está ficando no passado, dizem essas mesmas fontes ao Camaçarico.


Caminhos 2 Diferente do cativante Elinaldo, o agora prefeito de Camaçari segue em crescente isolamento e solitário. Os sinais são percebidos até nas entrevistas. Visivelmente estressado, voltou a cometer erros básicos de concordância. A gagueira e as trocas de nomes também se mostram intensas como no período mais crítico da campanha eleitoral.


Caminhos 3 Longe do Elinaldo afável, o novo Elinaldo não consegue ouvir, sequer tem espaço para ponderações dos amigos e correligionários que continuam andando nas ruas e conversando com adversários, e aliados satisfeitos e queixosos. Dizem que o novo Elinaldo se distancia das ações prometidas e necessárias para garantir as promessas de campanha. Dificuldade se amplia com a falta de sintonia com os novos tempos da política, na ágil e veloz plataforma da internet.


Caminhos 4 Pressionado por interesses de grupos políticos e familiar pouco identificados com a transparência e com os avanços das políticas sociais públicas, o novo Elinaldo caminha para virar presa fácil.  


Caminhos 5 Sem perder a esperança, querem a volta do Elinaldo ‘parceiro do povo’. Defendem que o dono da caneta aja rápido. Abra o diálogo com os vários segmentos da sociedade, independente da matiz política. 


Caminhos 6 Sem enquadrar e unificar os discursos e linhas de ações destoantes das promessas que serviram de principal combustível para a sua eleição, Elinaldo compromete sua gestão, atrasa o que precisa ser feito pela cidade, e caminhar para uma situação política desconfortável nas eleições de 2018.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


15/2/2017

 

Clique para ampliar a imagem




Projeto

Projeto  Com 44 dias de mandato, o alcaide de Camaçari precisa entender que a campanha acabou e chegou a hora da adoção das medidas duras e impopulares. Prometeu moralizar a gestão, prometeu tirar os traquinos que sangravam os cofres públicos, prometeu enxugar a máquina com cortes de pessoal, prometeu revisar contratos, prometeu romper acordos leoninos para os cofres públicos, prometeu...


Projeto 2 Agora, com a caneta de prefeito, Antonio Elinaldo (DEM) não pode continuar adiando medidas duras e necessárias para ajustar o governo e garantir melhor qualidade de vida para os seus cerca de 300 mil patrões.


Projeto 3 A Feira de Camaçari não é um caso isolado. Elinaldo até comove os cerca de 2 mil permissionários e empregados do espaço comercial quando diz que está com o ‘coração partido’ por ter sido obrigado ‘pela Justiça’ a taxar os feirantes. Se fala acalma um universo direto e indireto de trabalhadores e dependentes, estimado em cerca de 10 mil pessoas, seguramente provoca palpitações em número significativamente maior de corações  de consumidores e eleitores cansados da baixa qualidade oferecida pelo grande centro comercial do município.


Projeto 4 Declarações desta segunda-feira (13) reforçam o Camaçarico de sexta-feira (10). Coluna apurou que gastos com  água, luz, segurança e manutenção  chegam a cerca de R$ 400 mil/mês (Confira). Conta apresentada nesta segunda-feira (13) pelo alcaide, com a criação de taxas para comerciantes, beira a metade dos atuais gastos mensais. Segundo o próprio Elinaldo, taxas vão arrecadar cerca de R$ 207 mil mensais (R$ 2 milhões e 500 mil por ano). Numa conta de subtrair fica claro que cofres públicos vão continuar perdendo. São cerca de R$ 200 mil mensais, ou R$ 2 milhões e 500 mil em 12 meses. Essa é a diferença entre o que vai recolher de taxa com as despesas de manutenção da feira e o que gasta para manter o espaço.


Projeto 5 O prefeito não pode esquecer que outras contas virão. O transporte coletivo, verdadeira lástima, também pendurado pela Justiça e cobrado por Termo de Ajuste e Conduta (TAC) nunca cumprido pela gestão do ex-alcaide Ademar, é outra operação que precisa ser equacionada. Na mesma viagem  do transporte coletivo que aguarda licitação para instalação de ônibus decente, vem o projeto de mobilidade  urbana.


Projeto 6 Se existem projetos de mobilidade, para o novo sistema transporte, e de requalificação da feira, a prefeitura ainda mostrou. Tempo não faltou. O grupo do alcaide teve exatos 90 dias (outubro/dezembro) até a posse para fazer a transição formal e o desenho e definição de metas da nova gestão. Pelo visto, os 3 meses foram insuficientes.  


Derrapagem O governo do estado continua descuidando da Via Cetrel (BA-530). Com cerca de 20 quilômetros, pista está sendo duplicada, mas continua uma grande ameaça  para motoristas. Esburacada nos antigos trechos, estrada se mostra ainda mais insegura nos poucos quilômetros já duplicados.


Derrapagem 2 Provavelmente seguindo o cronograma do custo menor, e sem a fiscalização do governo estadual, empreiteira conclui o asfaltamento, mas não sinaliza os trechos duplicados. Por ironia, os trechos da antiga pista, mesmo parcialmente destruída, ainda apresentam restos de sinalização horizontal, indispensável para manter o motorista no caminho.


Derrapagem 3   Entre os buracos da velha Via Cetrel e os trechos duplicados da nova pista, a Polícia Rodoviária Estadual segue focada no licenciamento, na habilitação de motoristas e nas condições de rodagem dos veículos, como se fossem únicos itens necessários para a segurança de quem trafega na via.


Duplicação Camaçari ganha até final de março uma nova unidade do Detran. Formada por 4 Retrans (SAC da sede, Dias D’Avila, Mata de São João e Pojuca), a 28ª Ciretran sediada nomunicípio, terá posto avançado na Orla, onde poderão ser feitos todos os serviços, inclusive habilitação. O provável local será Arembepe. O nome ainda não foi definido, mas o ex-secretário Ademar Lopes (PSL) é cotado para o posto. Outro que mira a vaga é o ex-secretário e ex-vereador Zé de Elísio (PMN).


Duplicação 2  O cargo integra o novo feudo do ex-prefeito e deputado federal Luiz Caetano (PT). Faz parte do acordo de apoio incondicional, e sem corpo mole, a reeleição do governador e companheiro de partido,  Rui Costa. A Coluna apurou que o comando da Ciretran instalado na sede continua com Chico Tour (PTN), homem de confiança de Mauricio Bacelar, presidente municipal da legenda e irmão do deputado federal João Bacelar.  


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


13/2/2017

 





Do outro lado

Do outro lado O processo de fechamento da Feira de Camaçari não deixou de ser um presente para a gestão do alcaide Antonio Elinaldo (DEM). Decisão da Justiça, fruto de um Inquérito Civil aberto em 2013, pelo Ministério Público Estadual (MPE), dá um freio de arrumação numa velha e desvantajosa conta para município e clientes. 


Do outro lado 2 Sem o desgaste de assumir a paternidade da medida que desagrada parte de sua base de apoio, acostumada com o lucro livre de qualquer despesa de manutenção de seus pontos, Elinaldo tem a oportunidade de fazer o que tem que ser feito. Reorganizar o espaço e cobrar dos comerciantes os gastos com água, luz, segurança e manutenção.


Do outro lado 3 Protegida pelo potencial eleitoreiro dos cerca de 2 mil comerciantes e empregados, a feira de Camaçari é uma conta de subtrair no bolso e na saúde da cidade e de seus munícipes que a prefeitura nunca se preocupou em ajustar.


Do outro lado 4 Mesmo com custo mensal para os cofres públicos de cerca de R$ 400 mil, despesa nunca foi rateada com os comerciantes, alguns com mais de 1 ponto e estruturas com alto consumo de energia e água.


Do outro lado 5 Não dá para o município continuar gastando cerca de R$ 5 milhões por ano com a manutenção da feira. Nessa conta mensal os custos graciosos com água superam os R$ 100 mil. Com eletricidade, na sua maioria consumida pelos freezers dos comerciantes, o município não gasta menos de R$ 70 mil a cada 30 dias. Fecha essa conta de subtrair do bolso do contribuinte, as despesas com limpeza/manutenção, e a gorda conta de R$ 160 mil mensais com segurança.   


Do outro lado  6 Sem as mínimas condições de higiene e segurança, espaço que recebe cerca de 10 mil clientes por dia, virou um constante perigo. Insegurança alimentar, violência e risco de incêndio são marcas do maior centro comercial da região. ‘Por ironia do destino’, coube ao ‘ex-feirante’ a missão de comandar o processo de requalificação do seu antigo local de trabalho.


Do outro lado 7 Agora, distante do balcão, o Elinaldo prefeito terá de agir não como o comerciante que visa o lucro individual e dá um pequeno ‘desconto’,  realizando  medidas emergenciais e paliativas. Precisa fazer a conta certa, hoje com desvantagem para o cliente e para as finanças do poder público que ele jurou defender como prefeito, na tarde do último 1º de janeiro. 


Caminhos O mais recente relatório do Banco Mundial sobre violência e pobreza na América Latina e Caribe, parece que foi escrito para Camaçari. Mesmo sem citar o rico município sede do maior complexo industrial integrado do hemisfério Sul, documento mostra números da exclusão e a necessidade de medidas de prevenção, como escola, saúde, alimentação e programas de inclusão e acompanhamento de jovens.


Caminhos 2 O Banco Mundial cobra a necessidade dos governos construírem um tecido social mais inclusivo. Destaca a importância da escola desde os primeiros anos para que a criança não vá para a rua e vire presa fácil da violência. Numa outra coincidência com a realidade de Camaçari, relatório lembra que o crime e a violência estão altamente concentrados geograficamente em bolsões específicos dentro de bairros e cidades. 


Compromisso  O padre Valmir Miranda está deixando a Catedral de São Thomaz de Cantuária. Troca a principal estrutura da Igreja Católica em Camaçari, pela missão de administrar e ampliar as ações numa nova paróquia que abrange a região da Via Cascalheira e bairro Novo Horizonte.


Compromisso 2  Em seu lugar assume o padre Osmar Freire Junior. Vigário episcopal da Diocese, espécie de 2ª pessoa do bispo Dom Petrini, religioso atualmente é o pároco na cidade de Terra Nova, uma das 8 cidades que integram a Diocese sediada em Camaçari. Posse do novo pároco será dia 2 de março às 19h, na Catedral da praça Montenegro.


Compromisso 3  Nova tarefa do dinâmico e sempre engajado religioso nos movimentos sociais e populares inclui ainda a organização da incipiente Pastoral Carcerária. Padre Valmir já coordena e vai continuar orientando a pastoral Afro.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


10/2/2017

 





Roteiro

Roteiro A presença do alcaide, semana  passada, durante a operação limpeza do antigo cinema de Camaçari, é sinal positivo que precisa se confirmar com ações concretas. O projeto de recuperação do espaço e sua transformação em cine-teatro com 80 lugares vai além da midiática retirada das 11 toneladas de lixo e da instalação de tapumes cercando o antigo prédio. 


Roteiro 2 Elinaldo precisa apresentar prazos para o início das obras que incluem ainda a recuperação e instalação do Arquivo Público Municipal na atual sede da secretaria de cultura (Secult), ex-sede da prefeitura e da Câmara de Vereadores. Projeto se completa com a construção de um ‘jardim’ para eventos, entre os 2 imóveis, além da restauração e transformação da antiga estação de trens em espaço de exposições e memória da cidade. 


Roteiro 3 A Coluna apurou que os projetos, prontos e engavetados desde 2015, devem representar um investimento de R$ 5 milhões. Os custos mais baixos e já orçados são com a antiga parada de trens, cerca de R$ 340 mil. Restauração e requalificação desses equipamentos é o início do processo de revitalização de todo o centro de Camaçari. É necessário para a memória,  inicia o resgate da autoestima da cidade e fortalece o comércio na região.


Pomadinha  A nova gestão continua com dificuldade de entender a verdadeira função da coisa pública e do interesse coletivo. Em nota distribuída semana passada (Confira), a prefeitura de Camaçari culpa o antecessor no cargo pelo atraso de 2 meses (novembro e dezembro) no pagamento ao Instituto de Gestão e Humanização (IGH). Por conta da dívida do município de pouco mais de R$ 1 milhão, o IGH simplesmente não pagou os salários dos médicos terceirizados que prestam atendimento nas unidades de saúde do município. Conta completa 3 meses (novembro, dezembro e janeiro).


Pomadinha 2 Preocupada em acusar o gestor Ademar Delgado (sem partido), de incontestável, reconhecida e unânime incompetência política e gerencial, a nova gestão municipal esqueceu de cobrar do IGH o cumprimento do seu contrato com os cerca de 60 médicos, evitando assim prejuízos para as milhares de pessoas atendidas por esses profissionais nas UPAs Nova Aliança, Vila de Abrantes, Arembepe e Monte Gordo.  


Pomadinha 3 Também contratado para gerir a UPA da Gleba A/Gravatá, o IGH apresenta em seu portfólio uma extensa carteira de clientes no estado e em outras unidades da federação. O atraso no pagamento não é justificativa para punir os médicos. Se não tem capital para bancar esses atrasos, normais em contratos com setor público, a receita é uma corriqueira operação bancária. Quem não pode pagar juros no cheque especial, muito menos os estratosféricos ajustes no débito do cartão de crédito são os profissionais da saúde. 


Binóculo A Coluna continua esperando uma resposta completa sobre o carro placa PJH-3019. Quem é o servidor que conduzia o veículo, rebocado e multado dia 27 de janeiro, por estacionamento irregular na área do centro administrativo. Quem vai pagar a multa, ou melhor, as multas, já que o mesmo siena branco havia sido pego 2 dias antes, por trafegar em velocidade acima da permitida, pelo radar da Via Cia/Aeroporto. A Ideal Car Locação de Veículos e Transporte, proprietária do automóvel, que conseguiu retirar o veículo apreendido na mesma sexta-feira, quando a regra nesses casos é  manter o veículo retido até a segunda-feira; a prefeitura e locatária do veículo; ou o misterioso usuário. A denúncia foi feita pelo Camaçarico de 1º de fevereiro, nota ‘Mau exemplo ‘ (Confira). Com a fragilidade da resposta da prefeitura e de novas informações desabonadoras sobre o condutor, o caso siena voltou na edição seguinte da Coluna (Confira).


Calculadora A manutenção do velho esquema na nova gestão da secretaria de saúde está intrigando funcionários. Dizem que o coração financeiro da Sesau, formado pelos contratos e materiais continua como ‘dantes no quartel de Abrantes’.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


7/2/2017

 





Giroflex

Giroflex A retirada da base móvel da PM da praça Montenegro preocupa os comerciantes da região central de Camaçari. Alegam que sem a estrutura a segurança fica ainda mais precária com reflexos nas vendas. Lembram que período registra aumento de movimento de clientes com as compras da volta às aulas e do Carnaval. O reforço na iluminação  das ruas centrais e praça Abrantes também são medidas urgentes cobradas pelos  empresários. 


Pavimentação  E a Via Cascalheira (BA-331) continua esburacada e perigosa. Com o fim da gestão do alcaide Ademar Delgado (sem partido), aliado do governador Rui Costa (PT), as cobranças agora miram o prefeito que chega. Velha luta e exigência para o intenso tráfego de veículos, duplicação da pista precisa entrar na agenda do demista Antonio Elinaldo.


Pavimentação 2 Solução definitiva para importante ligação entre a sede, a orla e a zona rural do município vai exigir nova engenharia política com o governo do estado. O cada vez mais fortalecido senador Otto Alencar (PSD) parece ser o caminho para a construção dessa via de mão dupla.


Joio e trigo O prefeito Antonio Elinaldo (DEM) precisa corrigir rápido os erros cometidos pelo processo de intervenção na Cidade do Saber. O vazio na gestão do programa, vividos nos últimos dias com o afastamento da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, aliado ao atordoamento da nova administração, não pode prejudicar as centenas de jovens atendidos pelos cursos e atividades de artes, cultura e esportes. Iniciar o processo de matrícula e aproveitar o experimentado e competente quadro de professores, educadores e monitores do programa são medidas urgentes e totalmente diferentes do necessário afastamento da antiga estrutura de comando e gerenciamento do programa. 


Danadinha A ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro continua operando para inviabilizar a continuidade da Cidade do Saber. Afastada da gestão do programa por total falta de condições gerenciais e responsável por um festival de irregularidades, ONG agora tenta envolver a empresa Braskem. Alega que o acervo do museu de ciências Única (Universo da Criança e do Adolescente), inaugurado em junho de 2011, na Cidade do Saber, não pertence ao povo de Camaçari.


Danadinha 2 Segundo apurou a Coluna, a ONG ficha suja, como comprovaram a auditoria do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), e as ações em andamento nos Ministérios Públicos Federal (MPF), Estadual (MPE) e do Trabalho (MPT), alega que o apoio da Braskem para instalação do equipamento se tratou de uma doação da empresa ao Instituto Professor Raimundo Pinheiro, portanto patrimônio da ONG. A Coluna apurou que custos com aquisição e instalação das peças foram de cerca de R$ 500 mil.


Danadinha 3 Gulosa e descompromissada com a construção da cidadania que tanto alardeou defender nesses quase 10 anos no comando do programa, ONG também lista como seu patrimônio o caminhão do programa ‘Ponto Móvel’, doado em abril de 2009 pela rede de Hotéis Sol Meliá.  


Danadinha 4 Equipe de intervenção na Cidade do Saber começa a encontrar os primeiros números. Custos extras que engordavam salários de diretores assustam os auditores do novo governo. A Coluna apurou que o programa, mantido quase que na sua totalidade com o dinheiro da prefeitura de Camaçari, funcionava até como 'banco mamãe', emprestando dinheiro a funcionários que pagavam em módicas parcelas sem juros. 


Radar  A prefeitura de Camaçari contesta o Camaçarico e isenta o sub-secretário da Fazenda, Cosme Alves, da culpa pelo estacionamento irregular de veículo em faixa de acesso a cadeirante na área do centro administrativo municipal. Segundo nota enviada na manhã de quinta-feira (2), o siena branco, placa PJH-3019,  “estava a serviço da Coordenação de Cadastro Imobiliário da Sefaz e não pertence ao subsecretário, como noticiado, equivocadamente” pela Coluna (Confira).


Radar 2 O ‘Esclarecimento’ (Leia a íntegra abaixo) reconhece o erro, que implicou em reboque do veículo e multa de R$ 130,16, mas atribuiu a autoria da inflação ‘ao servidor que conduzia o veículo’. A prefeitura, que não informa quem é o servidor, muito menos quais as ‘medidas cabíveis’  adotadas, vai precisar avançar nas suas averiguações e informar o que vai fazer com servidor tão desatento e reincidente.


Radar 3 Pesquisa nos arquivos do sistema estadual de trânsito informa que o estacionamento em local proibido não foi a 1ª infração praticada pelo condutor do siena. Veículo pertencente à Ideal Car Locação de Veículos e Transporte, e locado à prefeitura de Camaçari, foi pego 2 dias antes pelo radar da Via Cia/Aeroporto. Registro do sistema mostra que o veículo trafegava às 20h22, do dia 25 de janeiro, a uma velocidade de 92 km por hora, 12 km/h a mais que o máximo permitido na BA-526. Por essa infração de natureza média, condutor perde 4 pontos na carteira e terá de pagar multa de R$ 130,16.


Íntegra da nota


ESCLARECIMENTO
Prefeitura esclarece veículo rebocado pela STT
02/02/2017 08h28

A Secretaria da Fazenda de Camaçari esclarece que o veículo rebocado pela STT, na última sexta-feira  (27/01), no Centro Administrativo, estava a serviço da Coordenação de Cadastro Imobiliário da Sefaz e não pertence ao subsecretário, como noticiado, equivocadamente, pela imprensa. O servidor que conduzia o veículo, de fato, estacionou de forma indevida e por essa razão, a Sefaz já adotou as medidas cabíveis que o caso requer.


Voando longe O vereador licenciado e secretário de desenvolvimento da agricultura e pesca, Antonio Falcão (DEM), parece que ainda não pousou de vez na sua missão de gerir e botar no ritmo, a devagar quase parando Sedap. Mesmo 4 anos distante da disputa por mais um mandato, Falcão é visto em ações nada correlatas com plantas, sementes, piscicultura e outros bichos.


Voando longe 2  Marcou presença na reabertura do posto dos Correios de Barra do Pojuca, fiscaliza o recolhimento do lixo, até inspeciona obras de infraestrutura. Essa semana apareceu ao lado do também edil licenciado e colega de 1º escalão, o secretário de saúde Doutor Elias Natan (PR), num evento específico da área médica.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


3/2/2017

 





Memória

Memória  O antigo cinema de Camaçari deve virar espaço multi-eventos, inclusive com projeção de  filmes. Mutirão de limpeza, nesta quarta-feira (1º) é o começo dessa nova fase que envolve a recuperação do triângulo histórico formado pela estação de trens e pelo antigo prédio do Legislativo Municipal, atual sede da secretaria de cultura (Secult). 


Memória 2 Abandono de importantes marcos históricos da cidade é briga antiga e solitária do Camaçarico. Projeto de revitalização do antigo cinema e do marco zero da cidade, a antiga parada dos trens com destino ao Nordeste e ‘capital da Bahia’ virou cobrança nunca escutada. 


Memória 3  Nesse coro de omissões, formado por entidades como as Igrejas (Católica e Evangélica), a Associação Comercial e Empresarial de Camaçari (Acec), a universidade, representada no município pela Famec, e demais estruturas estudantis, a desafinação foi puxada pelo Conselho Municipal de Cultura (CMC). Aparelhado e transformado em mero carimbador da vontade do poder de plantão, o subserviente CMC foi incapaz de exercer sua missão de capitanear o debate sobre a preservação de tão importantes peças da memória camaçariense. 


Memória  4  Num arroubo de lucidez e pressionado pelo Camaçarico, o então alcaide Ademar Delgado (sem partido), chegou a prometer a recuperação do prédio da estação e a sua transformação em espaço de exposição e memória da cidade (Confira). Infelizmente, foi só um flash. 


Memória 5 Já o cinema sequer foi filmado pelos últimos governos. Com a cultura sempre tratada como estorvo, o espaço chegou a fazer parte de um projeto da prefeitura que previa a sua demolição para dar lugar a um terminal de ônibus (Confira). Com a denúncia da Coluna o projeto voltou para a gaveta. 


Memória 6 A antiga sede da Câmara de Vereadores e atual Secult ainda tem futuro incerto. Pode abrigar o Arquivo Público, com seu acervo espalhado, sem catalogação e parcialmente destruído, graças ao descaso das últimas ‘indi-gestões’ da Secult. Outra alternativa em estudo apurada pela Coluna é a manutenção da Secult no imóvel e a destinação de outro espaço para abrigar a memória da cidade.


Memória 7 Agora é aguardar se o alcaide Elinaldo compartilha da mesma dificuldade de entendimento dos seus antecessores sobre da importância da cultura para uma cidade.    


Sem saber Abre matricula, suspende inscrições de alunos. Virou uma verdadeira lambança o sai não sai da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, afastada do programa Cidade do Saber. A intervenção e o posterior encerramento do ‘Contrato de Gestão’ com a ONG continua um processo pouco transparente.


Sem saber 2 Cabe ao prefeito Antonio Elinaldo mandar seu auxiliar e coringa da gestão, o advogado Guilherme Augusto Teixeira Neto, esclarecer de forma imediata o novo momento. Como ficam os cursos, os professores e educadores responsáveis pelo prosseguimento das demais estruturas educativas, como o museu e o parque esportivo. Uma coisa é apurar todas as irregularidades. Outra é tocar o projeto.


Depois de momo A Câmara de Vereadores retoma, ainda que de forma breve, os trabalhos legislativos no próximo dia 16. Sessão prevista para começar às 9h, terá a  presença do alcaide Elinaldo que fará a leitura da sua mensagem de governo. Sem mais o que tratar, vereadores voltam ao recesso até março, já que a sessão seguinte, dia 21, não deve acontecer por conta do clima pré-carnavalesco. 


Mau exemplo Nem o automóvel do sub-secretário da fazenda de Camaçari, Cosme Alves, escapou da nova STT. O siena branco, placa PJH-3019, foi rebocado para o pátio da prefeitura depois de estacionar na área reservada para acesso de cadeirantes, no estacionamento do centro administrativo, sexta-feira (27/1). O auditor e militar da reserva deu sorte. Vai pagar apenas a multa de R$ 130,16, considerada infração média e perda de 5 pontos na carteira. Caso o sistema de reboque já estivesse sendo cobrado, conta subiria para  quase R$ 400.


Palanque O radialista e agora vereador Vaninho Lima (DEM) quer mais que os microfones do Legislativo e da ASA FM, em Monte Gordo. Fonte da Coluna assegura que projeto político do comunicador passa por um programa de TV e um novo microfone numa rádio comercial da sede.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


1/2/2017

 

Gradil da fachada do antigo cinema de Camaçari/ Arquivo Camaçari Agora




Analógico

Analógico O advogado Guilherme Augusto Teixeira Neto, interventor da Cidade do Saber, chega passando atestado de pouco afeito a missão  delegada pelo alcaide Antonio Elinaldo. Empossado na tarefa desde a manhã de sexta-feira (27), o doutor Guilherme ainda não entendeu que o alcance do seu trabalho vai além da verificação das contas e demais dados sobre a situação do programa mantido quase que na sua totalidade pelos cofres da prefeitura de Camaçari. 


Analógico 2 Preocupado com as chaves do cofre e da papelada, o doutor esquece que vivemos no mundo da internet. O mais incrível é que a nota foi postada no site e na página do facebook da instituição na noite do dia 27, portanto quase 8 horas depois da ocupação oficial da instituição pelo novo gestor. Com o sugestivo título ‘MAIS RESPEITO COM A CIDADE DO SABER’, nota foi postada no endereço http://www.cidadedosaber.org.br às 19h13. O mesmo material foi reproduzido 10 minutos depois no Face da instituição. 


Analógico 3 Até a noite desta segunda-feira (30) o site e a página da instituição no Facebook continuavam com a nota da ONG afastada, contestando a intervenção. 


Delação A ‘Nota de Esclarecimento’ da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro (Leia abaixo) não passa de um tiro de amplo e diversificado alcance. Na tentativa de mostrar uma imagem de lisura que não possui, a direção do instituto, afastada do comando do programa Cidade do Saber, terminou por expor velhos aliados que imaginavam seguir longe dos holofotes.


Delação 2 Documento distribuído para a imprensa, na tarde de sexta-feira (27),  segue a velha prática de esconder a verdade. Sempre se pintando de vítima, de eficiente, de competente e conectada com os interesses da população carente de Camaçari atendida pelos seus cursos e atividades, a ONG dá uma importante contribuição ao expor de forma clara os velhos parceiros e as suas co-responsabilidades na desastrada gestão que se encerra com o ato de intervenção decretado  pela prefeitura (Confira).


Delação 3 Logo no início (item 2) da referida nota, cita como comprovadora da lisura dos trabalhos da ONG a Comissão de Acompanhamento e Avaliação do Programa. Formada por servidores escolhidos pelo prefeito e representantes do Legislativo, portanto os vereadores, estrutura que deveria fiscalizar, não passava de uma mera carimbadora dos relatórios estranhamente produzidos pela própria instituição e encaminhados na modalidade ‘delivery’ para a assinatura de comprovação dos seus membros.


Delação 4 Dessa forma, metas eram confirmadas num jogo de compadrio e sem verificação real do que era feito. A nota Cita a Controladoria Geral do Município (CGM), gerida até o fim da gestão Ademar Delgado por Ednalva Santana de Souza, como atestadora da sua suposta lisura e dos equívocos da  própria prefeitura no repasse de recursos para o programa.


Delação 5 Na sua defesa, a direção da ONG cita outra estrutura, o Conselho Fiscal do Instituto Professor Raimundo Pinheiro como fiador e certificador do acerto das suas ações. Nesse conselho, formado ‘100% por membros indicados pelo poder público municipal’, a Coluna destaca o presidente do colegiado, Sinval Rios. Ex-assessor da gestão passada, Rios é esposo da ex-secretária de governo, ex-subcontroladora do município e candidata a prefeita apoiada pelo alcaide Delgado, Jailce Andrade. 


Delação 6 O documento segue brincando com a inteligência do leitor ao  afirmar que ‘Não existem quaisquer manifestações tanto do Tribunal de Contas dos Municípios, quanto do Ministério Público Estadual ou Federal relativo à malversação de recursos repassados’. Esquece a condenação das contas do  Instituto pelo TCM (Confira). 


Delação 7 Lista de atropelos à verdade se amplia com as ações dos Ministérios Público Estadual (MPE) e Federal (MPF). No MPE, a diretora geral da ONG e agora ex-gestora do programa, Ana Lúcia Alves da Silveira, é acionada na Vara da Fazenda Pública de Camaçari, como ré num processo que pede a  devolução de mais de R$ 20 milhões (Confira). No Ministério Público Federal (MPF) as investigações miram  repasses federais para a instituição. Ficha suja da ONG se amplia com o Termo de Ajuste de Conduta (TAC) assinado em janeiro com o Ministério Público do Trabalho (MPT), em que reconhece o atropelo à Legislação Trabalhista com o pagamento de indenização ao Estado de R$ 45 mil em 3 módicas parcelas. 


 


Currículo O advogado Guilherme Augusto Teixeira Neto, interventor da Cidade do Saber, pode até não  entender as relações da gestão nomundo  da internet. Não dá para negar a experiência no mundo do Direito. A Coluna apurou que o novo chefão do programa tem militãncia na  advocacia eleitoral, foi assessor parlamentar e prestou serviços à prefeituras do interior. Em Camaçari atuou na Vara Crime e advogou para a Famec (Faculdade Metropolitana de Camaçari).


Quintal Depois do pré-lançamento da candidatura do vereador Téo Ribeiro (PT) a deputado estadual, informado pela Coluna (Confira), outro companheiro de partido e de bancada no Legislativo de Camaçari bota o nome na rua. Mesmo sabendo que a primazia é do companheiro Téo para substituir e herdar o feudo eleitoral, cada vez mais minguante, da deputada Luiza Maia, em 3º e último mandato, Jackson Josué faz pressão e busca o aval do chefe.


Quintal 2 Disputa pelo apoio do deputado federal e ex-prefeito Luiz Caetano promete ser boa. Uma das medidas e avaliações desse protagonismo como legítimo representante da oposição será verificada a partir de março, com a abertura dos trabalhos do Legislativo. Presença em plenário e articulações na construção de apoios locais e regionais vão definir quem será o nome. Uma das 63 cadeiras no Legislativo estadual é sonho antigo do ex-presidente da Câmara de Camaçari.


Imprensa A Associação de Imprensa de Camaçari (AIC) tem nova diretoria. Eleição realizada sábado (28) escolheu o radialista Toni Lima (Camaçari FM), como novo presidente da entidade. Escolha em chapa única também confirmou o jornalista Jackson Alan de Souza Lima, na vice-presidência da AIC. O professor e radialista Klenio Kirk coordena a secretário geral, enquanto o cinegrafista e repórter Ene Oliver responderá pela diretoria administrativa e financeira. A diretoria de comunicação social ficou com Fernando Santana (TV Câmara ).


Imprensa 2  Para a diretoria de organização foi escolhida a radialista e blogueira Mariangela Moraes dos Santos. Jani Silva, repórter e apresentadora da TV Câmara, é a nova diretora de formação da entidade. O atual ouvidor do município, o radialista Osvaldinho Marcolino, foi responderá pela diretoria de mobilização e direito autoral. A diretoria de esporte, lazer e cultura ficou com o radialista, apresentador da Asa FM e vereador de Camaçari, Vaninho Lima. O jornalista e assessor de imprensa da Limpec, André Damasceno, vai responder pela diretoria de imprensa. O jornalista Júlio Ribeiro, editor do Camaçari Notícias, coordenará os trabalhos  da diretoria de assistência social. 


NOTA DE ESCLARECIMENTO PÚBLICO 


O Instituto Professor Raimundo Pinheiro, organização social, gestora do contrato de gestão nº 050/2013, firmado com a Prefeitura de Camaçari com vigência de março/2013 a março/2017, para execução do Programa Cidade do Saber, vem à público esclarecer que:


1. Todas as prestações de contas dos recursos repassados pela Prefeitura de Camaçari para execução do Programa Cidade do Saber foram devidamente auditadas pela Controladoria Geral do Município de Camaçari, que emitiu pareceres técnicos nos quais restou evidenciado e registrado o descumprimento dos cronogramas de repasse financeiro pela Prefeitura Municipal de Camaçariocasionando o desequilíbrio da relação contratual e, consequentemente, onerando o Instituto Professor Raimundo Pinheiro;


2. Trimestralmente a Comissão de Acompanhamento e Avaliação do Programa, constituída exclusivamente por representantes das secretarias municipais supervisoras do contrato de gestão 050/2013, aferiram o cumprimento das metas pactuadas anualmente sem que houvesse quaisquer registros de inconformidade ou descumprimento do referido contrato;


3. O Conselho Fiscal do Instituto Professor Raimundo Pinheiro constituído 100% por membros indicados pelo poder público municipal, inclusive com representante da Controladoria Geral do Município, aprovou todas as contas anuais relativas à execução dos recursos repassados pela Prefeitura de Camaçari para execução do Programa Cidade do Saber, sem que houvesse quaisquer registros de improbidade, fraude ou dolo;


4. Não existem quaisquer manifestações tanto do Tribunal de Contas dos Municípios quanto do Ministério Público Estadual ou Federal relativo à malversação de recursos repassados para execução do Programa Cidade do Saber, através do contrato de gestão 050/2013;


5. Em 2015 as contas do Instituto Professor Raimundo Pinheiro do período de 2007 a 2015, foram auditadas por empresa de auditoria independente, onde restou evidenciado e registrado em Relatório de Auditoria Independente, o qual foi enviado aos órgãos de controle interno e externo (Tribunal de Contas dos Municípios, Controladoria Geral do Município e Ministério Público Estadual) que todas as práticas contábeis e financeiras foram devidamente aplicadas com probidade e eficiência pelos gestores do Programa Cidade do Saber, sem qualquer indício de fraude, dolo ou desvio de finalidade;


5. Denúncias caluniosas sofridas pelo Instituo Professor Raimundo Pinheiro durante a execução do contrato de gestão nº 050/2013 foram todas arquivadas por improcedência;


6. A intervenção sofrida pelo Instituto Professor Raimundo Pinheiro na manhã do dia 27 de janeiro do ano em curso, trata-se de ato político arbitrário que afronta a legislação e promove a insegurança jurídica nas relações contratuais com a Prefeitura Municipal, evidenciando grave desrespeito aos beneficiários do Programa Cidade do Saber.


Ciente do importante papel que vem exercendo gerindo com eficiência internacionalmente reconhecida, e atuando sempre com transparência e respeito à população de Camaçari, o Instituto Professor Raimundo Pinheiro reitera que nunca existiu qualquer tipo de mal uso do recurso público.


Todos os recursos repassados foram aplicados nas metas pactuadas para o Programa Cidade do Saber, propiciando aos moradores de Camaçari usufruírem do maior equipamento de inclusão social da América Latina, prova disso são os milhares de alunos que passaram pela Cidade do Saber, que tiveram suas vidas transformadas através da arte, cultura, educação e esportes. São meninos e meninas que se tornaram campeões, bailarinos, artistas; crianças, jovens, adultos e idosos que descobriram um talento, aprimoraram um dom, melhoraram a qualidade de vida, e tenham certeza que essa foi a nossa maior motivação e esse é o nosso maior patrimônio.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


30/1/2017

 





Encenação

Encenação  O complexo Cidade do Saber é buraco maior que se imagina. Além dos gastos sem justificativa, como mostraram auditoria do Tribunal de Contas dos Municípios, e apurações do Ministério Público Estadual (MPE), Ministério Publico Federal (MPF), com ações em curso da Polícia Federal, e Ministério Público do Trabalho (MPT), só no apagar das luzes o governo passado informa que o Teatro Cidade do Saber (TCS) colocou em risco a sua plateia e seus funcionários.


Encenação 2 Relatório produzido pela direção do teatro, que o Camaçarico teve acesso, mostra um festival de descuidos com sua estrutura e equipamentos, praticamente desde a sua  inauguração, em 2007. De acordo com o documento, estranhamente só produzido em dezembro pela direção do TCS, o equipamento precisa ser fechado e só pode voltar a receber público após uma série de reformas. Problemas nas redes elétrica e hidráulica, no sistema de refrigeração, vazamentos com pingueiras na plateia, rachaduras, infiltrações e maquinário defasados formam o cenário de um equipamento festejado como o 2º maior da Bahia, atrás apenas do Teatro Castro Alves (TCA), em Salvador.


Encenação 3 A Coluna apurou que funcionários trabalhavam usando a rede elétrica sempre abaixo da capacidade para evitar acidentes. Em caso de incêndio a situação poderia ser ainda mais grave, já que a rede de hidrantes, avaliada apenas uma vez, em 2008, foi construída de forma subdimensionada e sequer possui capacidade de atender necessidades de bombeamento de água para as parte as mais altas do teatro.


Encenação 4 Apesar da aparência externa bem cuidada e sempre impecável, o TCS, fechado por recesso desde o final de dezembro, apresenta problemas nos banheiros e nos pisos do foyer, geralmente despercebidos pela plateia. Sequer estava com o sistema de para-raios em perfeito funcionamento, indispensável para a segurança de um equipamento de grande porte estrutural e com cerca de 20 metros de altura.


Encenação 5 Descuido da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, gestora do complexo, com o patrimônio público que deveria gerir, agora deixa Camaçari sem seu grande espaço cênico e de eventos com capacidade para quase 600 pessoas.


Ajudinha  O ex-prefeito e atual vice-prefeito, José Tude (PMDB), é o novo intermediador informal nas negociações entre a prefeitura e a direção da ONG gestora da Cidade do Saber. É o que mostra postagem da presidente da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro e diretora geral do programa, Ana Lúcia Alves da Silveira, que o Camaçarico teve acesso. No texto postado num grupo de WhatsApp de servidores da instituição, nesta quinta-feira (26), a gestora relata parte de suas tratativas e até dá detalhes. Diz textualmente: ‘Tude me ligou e veio ao meu encontro na minha casa semana passada’.


Ajudinha 2 Ainda segundo o texto da diretora, mesmo sem se apresentar como ‘representante formal da prefeitura’,  Ana Lúcia disse que Tude teria pedido ‘um nível detalhado de informações’ sobre custos do programa até março, quando vence o contrato com a ONG. Ana Lúcia fala ainda num encontro a ser marcado, desta vez na Cidade do Saber, ‘onde junto com alguns colaboradores teria condições de dar as informações mais precisas’.


Ajudinha 3 Na mensagem a diretora informa ainda que Tude não teria se apresentado como ‘representante formal da prefeitura e sim alguém disposto a intermediar informações’.  Diz ainda que o vice-prefeito  ‘deixou a entender’ que o contrato com a ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro seria encerrado e que a gestão da Cidade do Saber passaria para a prefeitura. 


Ajudinha 4 Pelo visto, a decisão do juiz Cesar Borges, da 1ª vara da Fazenda Pública de Camaçari, muda o rumo das conversas. Na decisão de quarta-feira (25), mas só publicizada nesta quinta-feira (26), o magistrado acata pedido da prefeitura que  passa a fazer repasse em juízo à instituição, mediante a apresentação das comprovações de gastos.


Ajudinha 5 Decisão inverte a  confortável situação, já que antes a ONG gestora da Cidade do Saber  recebia o dinheiro e só depois prestava contas dos gastos. A Coluna apurou que o depósito de R$ 314 mil em conta determinada pela Justiça deve ser feito nesta sexta-feira (27). Medida é do mesmo juiz que esta para decidir sobre ação do Ministério Público Estadual (MPE), contra a diretora da ONG, Ana Lucia Alves da Silveira, para que devolva pouco mais de R$ 20 milhões (R$ 20.330.112,53) por gastos indevidos durante sua gestão no programa Cidade do Saber.


Bê-á-bá  A política é cheia de mapas. Tem mapa de eleitor por bairro, mapa de votação, mapa de lideranças, mapa de adversários, mapa de aliados. O que o alcaide de Camaçari parece que ainda não sabe e precisa aprender rápido é o significado de um outro e muito importante levantamento. Pouco afeito às coisas da comunicação, Antonio Elinaldo (DEM), que acabou com a sua estrutura de imprensa e marketing no dia seguinte à vitória de outubro, agora precisa aprender o que é, e qual a função do ‘mapa de mídia’. 


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


26/1/2017

 





Estrada

Estrada  Téo Ribeiro (PT) não será apenas o líder da oposição ao governo Antonio Elinaldo (DEM). O vereador decano, com 5 mandatos, é  candidato a deputado estadual e costura o apoio integral do grupo do ex-prefeito e deputado federal, o compadre e companheiro de partido, Luiz Caetano.


Estrada 2 Com o fim da carreira legislativa da atual parlamentar Luiza Maia (PT), que sonha ser candidata a prefeita de Camaçari em 2020, estrada fica cada dia mais pavimentada para Téo que deve  receber o apoio do companheiro de legenda e bancada, Jackson Josué. Operação da motoniveladora do grupo deve deixar a candidatura a reeleição do companheiro de legenda e com base eleitoral no município, Bira Coroa, ainda mais empoeirada.


Estrada 3 Jogo de Téo passa pela Assembleia Legislativa, mas mira o retorno pela Via Parafuso em direção a sede da prefeitura. Eleito deputado, ou bem posicionado com uma suplência, o filho do ex-vereador Teobaldo pode brigar pelo velho sonho de gerir os destinos de sua terra.


Problemática A ONG Instituto de Gestão e Humanização (IGH) continua atrasando os salários dos médicos contratados para trabalharem nas unidades de saúde de Camaçari. Conta caminha para o 3º mês (novembro e dezembro). ONG que também administra a UPA da Gleba A, recebe cerca de R$ 1 milhão mensais pelo serviço.


Problemática 2 Como mostrou o Camaçarico, IGH tem histórico de atrasos e estranhas relações com o poder encerrado em dezembro (Confira).


Sem saber E a ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro caminha para fechar janeiro desmentindo o alcaide Antonio Elinaldo. Demista disse ao Camaçarico que a suspensão do contrato com a problemática e nada transparente ONG gestora do programa Cidade do Saber se daria logo nos primeiros dias do seu governo.


Sem saber 2 Sem conhecer o contrato e o funcionamento do programa, por absoluto desinteresse em acompanhar e cobrar as denúncias do Camaçarico, Elinaldo e equipe agora andam em círculos. O então vereador e toda a bancada oposicionista descuidaram da obrigação parlamentar de buscar mais informações sobre o contrato e as irregularidades denunciadas pela Coluna e comprovadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), e reforçadas  pelas ações do Ministério Público Estadual (MPE), Ministério Público Federal (MPF) e Ministério Público do Trabalho (MPT). 


Sem saber 3  Uma das saídas seria a transferência de gestão do Instituto Professor Raimundo Pinheiro para a ONG gestora da Famec. Informação foi divulgada pela Camaçarico do último dia 12 (Confira). 


Holerite Camaçari, sede do maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul fechou dezembro de 2016 com 2.074 postos de trabalho a menos. O número preocupante sobre demissões com carteira assinada é do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e foi calculado pela Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia (SEI), orgão do governo do estado. Camaçari só perde para Salvador, que no mesmo período perdeu 3.947 postos. Número total de desligados no estado em 2016 foi 67.291.


Tradição  Com a nomeação do genrão André Elpídio Cerqueira Campos, para o cargo de assessor jurídico, o alcaide Elinaldo fecha o ciclo da legal mas imoral prática de apadrinhamento de parentes e aderentes no poder. Pacote, agora equilibrado com  contemplação das 3 famílias, começou com Marcia Tude, filha do ex-prefeito e atual vice-prefeito, José Tude (PMDB), para o comando da secretaria da cultura. Logo veio a nomeação da advogada Isis Lobo, filha do também ex-prefeito e atual secretário de governo, Helder Almeida (DEM), para cargo relevante no Instituto de Seguridade do Servidor Municipal (ISSM). 


Tradição  2  Histórico dos ex-prefeitos e trajetória do novo alcaide fazem a Coluna acreditar que a lista pode crescer, se é que já não engordou até o fechamento dessa edição.


Passado E a secretaria dedesenvolvimento social continua como dantes no quartel de Abrantes. Ninguém sabe quase nada. O planejamento das ações de 2017 sequer começou na maioria das unidades. A Coluna também apurou que a titular da Sedes, Simara Ellery, ainda não inspecionou as unidades por falta de veículo oficial para locomoção.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


24/1/2017 Atualizaçãoás 13h27

 





Relação

Relação  O exercício do poder parece que está confundindo e empurrando o alcaide Antonio Elinaldo (DEM) para a conta de subtrair. Não satisfeito com o estrago vindo do ‘tiroteio  silencioso’ entre o vice-prefeito Tude e o também ex-prefeito e poderoso secretário de governo, Helder Almeida, pela tutela da gestão de Camaçari, o alcaide dá a sua contribuição colecionando novos atritos. Uma das vítimas desse cálculo errado é o amigo e companheiro de partido, o vereador Jorge Curvelo.


Relação 2 Anterior ao relógio, já que não pode ser classificado nem como ‘parceiro de 1ª hora’, Curvelo experimenta o desprestígio no governo que ajudou a construir quando poucos acreditavam que um feirante pudesse assumir o comando do 2º maior PIB da Bahia. Estrago já começa a ser sentido com o afastamento e até migração de suas lideranças para outros aliados da base governista, atraídos por cargos e outras vantagens. A Coluna apurou que desgaste na base do demista Curvelo é tão grande que tem até oposicionista avançando sobre seus apoiadores.


Relação 3 Sustentáculo de Elinaldo, dentro e fora do plenário do Legislativo, Curvelo era o nome certo, inclusive com aval da oposição, para ocupar a presidência da Câmara, biênio 2017/2018. Terminou sendo trocado pelo tucano Oziel Araújo.


Relação 4 Recebeu como prêmio de consolação a ‘certeza’, palavra inexistente no jogo político, de ser o presidente entre 2019/2020. Obediente e disciplinado recuou e reforçou o acordo costurado pelo Palácio Thomé de Souza, em Salvador, que empurra o prefeito da capital e líder do grupo, ACM Neto (DEM), como o nome na disputa estadual com o petista Rui Costa.


Relação 5  Sem a máquina da Câmara, e com a demora da colocação dos seus aliados, Curvelo hoje se contenta com a subsecretaria da cultura (Secult), cargo meramente decorativo e sem poder de decisão. A secretária Márcia Tude, filha e herdeira política do ex-prefeito e atual vice, José Tude (PMDB), não vai, nem pode abrir mão do empoderamento de um cargo que pavimentará seu futuro político.


Relação 6 Curvelo já não é mais o futuro poderoso do governo. O que se vê é um aliado que seria o ‘P...’ do governo, segundo o próprio Elinaldo costumava dizer nas rodas mais íntimas. Desprestigiado, está mais para o ‘monossílabo’.


Promoter  O ex-prefeito e deputado federal, Luiz Caetano (PT) corre atrás do prejuízo das urnas de outubro e tenta remontar sua base de apoio. Aproveita a dificuldade financeira e de entendimento da importância de apoio às manifestações populares da nova gestão para reposicionar sua minguada base.


Promoter 2 Mesmo com grupo restrito, normal para quem enfrenta a secura da distância da máquina do poder, segue de lavagem em lavagem distribuindo simpatia e declarando eterno amor a Camaçari e seu povo. Foi assim em Barra do Pojuca e Monte Gordo, nesta sexta-feira (20). Produção que inclui baianas, carro de som e foguetório, deve prosseguir em Jauá. De moquequinha em moquequinha, espera promover uma caminhada com o ‘tacho cheio’ em Arembepe, com azeite  suficiente para se manter vivo.


Lição  O alcaide Antonio Elinaldo poderia ter evitado o ‘puxão de orelha’ do magnífico reitor da UFBA. Encontro com o professor João Carlos Salles, quinta-feira (19), para discutir solução para os alunos da universidade, prejudicados pela suspensão do transporte universitário para a capital, poderia e deveria ter sido representado pela secretária de educação, Neurilene Martins, e pelo procurador, Bruno Nova.


Lição 2 Se era para faturar positivamente na mídia, Elinaldo escolheu a data e a agenda erradas. O desfecho da várias vezes adiada data de início das aulas no Campus da UFBA em Camaçari seria um momento melhor para visitar o magnífico e agradecer a finalização de um processo que se arrasta desde 2012, como registrou a Coluna de abril de 2015 (Confira).


Previdentes Mesmo sem importância estratégica e mero gestor de programa municipal de apoio a aposentados e pensionistas, que nada ou pouco incomodam, o Instituto de Seguridade do Servidor Municipal de Camaçari (ISSM) avança rápido no preenchimento dos seus cargos de confiança. Nas duas edições do Diário Oficial publicadas pela nova gestão, o ISSM soma 16 nomeações, a maioria assessores.


Muito além  Errou quem pensou que a cota de decretos e ‘etc’ do governo passado se encerraria na última edição de dezembro de 2016. Apesar do título de Diário Oficial, publicação com tiragem mais ou menos semanal, segue em sua 2ª edição no novo governo com  apublicação de convênios, licenças e outras autorizações dos tempos de Ademar Delgado.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor


20/1/2017

 





Entulho

Entulho  Corre grande risco de perder a pule quem apostar no cumprimento do prazo para a finalização da licitação do sistema de lixo de Camaçari, prometido para março pelo novo governo. Além da prorrogação do contrato emergencial com custo mensal de R$ 5,8 milhões, com a Naturalle Tratamento de Residuos Ltda, prefeitura pode até engordar esse valor. 


Entulho 2 A justificativa para o aditamento do atual contrato com a Naturalle vem do problemático Aterro Sanitário. Segundo informação oficial divulgada pela nova gestão da Empresa de Limpeza de Camaçari (Limpec), responsável pelo equipamento, a desativação do incinerador de lixo hospitalar, sem funcionar há 3 meses, causou o acúmulo provisório de perigosos descartes vindos de clínicas e hospitais da região, em área do aterro destinada ao lixo comum. 


Entulho 3 Técnico da Limpec ouvido pela Coluna garante que a ‘Célula-4’ do Aterro Sanitário, única em operação, está no limite da sua capacidade. Se está abarrotada, a solução pode ser a construção de nova ‘Célula’, de forma imediata e emergencial para tirar o sistema de lixo de Camaçari do buraco. A contaminação do aterro com lixo hospitalar, altamente perigoso para saúde humana e meio ambiente é outra consistente justificativa, diz a mesma fonte.


Entulho 4 Sobre a prorrogação do contrato emergencial com a Naturalle, o Camaçarico apurou que dificilmente uma licitação, ainda não lançada pela prefeitura, se finalize em prazo tão apertado de pouco mais de 2 meses. Adiamentos causados por recursos das empresas concorrentes são comuns nesses processos e estão previstos na Lei das Licitações (8666/93). 


Entulho 5 Disputa de tão gordo filão tem histórico de abalroamento de ‘grandes caçambas’ do setor. Competição por um serviço de mais de R$ 80 milhões soma novos capítulos e adiamentos desde maio do ano passado, como vem informando com exclusividade a Coluna (Confira). Cumprimento desse cronograma recorde só se efetivaria com uma licitação que se poderia chamar de processo de compactação perfeito.  


Entulho 6 Até a gestão Ademar Delgado (sem partido), o sistema de operação do lixo em Camaçari era responsabilidade do consórcio Abrantes Ambiental. Cabia à Limpec o gerenciamento do aterro, a coleta de entulho e o programa de educação ambiental. Empresa também tinha como missão, até mais primordial, alojar protegidos políticos e fantasmas, como mostrou o Camaçarico de 7 de abril de 2015, nota ‘forceps’ (Confira). Mesmo sem varrer 1 metro quadrado de rua, a Limpec, custou cerca de R$ 21 milhões aos cofres públicos em 2016. 


Entulho 7 Quem não anda nada satisfeito com o prefeito Antonio Elinaldo (DEM) são os cerca de 20 caçambeiros que prestam serviço ao município. Antes recebiam R$ 22 por tonelada de material recolhido e transportado da orla até o aterro sanitário. Agora recebem R$ 7 a mais (R$ 29), mas passaram a pagar os custos com pedágio e o serviço de enchimento das caçambas por máquinas. Dizem que até o diesel, antecipado pela Limpec para posterior acerto de contas no pagamento final, foi suspenso. 


Vagas  O Hospital Geral de Camaçari deve ganhar novos colaboradores nos próximos dias. Controlado pelo governo do estado, o famoso e problemático HGC vai abrigar aliados do ex-prefeito e deputado federal Luiz Caetano (PT). Candidato derrotado na disputa municipal de outubro, Caetano deve assegurar ao menos duas das 3 diretorias do nosocômio, com salários de aproximadamente R$ 7 mil, além de outras funções na estrutura do HGC. 


Vagas 2 Caetano também emplacou seu pupilo, Tanger Cerqueira, na direção do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento (Ceped). Posto símbolo DAS-2B, com salário em torno de R$ 7 mil, era ocupado por Miguel Azcona, irmão da ex-vereadora Del Carmem, esposa do ex-prefeito e atual secretário de governo de Camaçari, Helder Almeida. O Ceped presta assoramento técnico ao governo do estado nas áreas de meio ambiente, pesquisa química, bioquímica e construção civil. Nomeação foi publicada no Diário Oficial desta quarta-feira (18).  


Sirene A suplente de vereadora no exercício do mandato, Fafá de Senhorinho (DEM), resolveu dar a sua contribuição ao adoentado sistema de saúde de Camaçari, cidade agora comandada pelo aliado Antonio Elinaldo. Comprou uma ambulância ‘com recursos próprios’ para transporte de pacientes. A novidade foi festejada em sua página do facebook. 


Receita A formação de uma comissão de sindicância para apurar indícios de procedimentos administrativos irregulares, criada pelo secretário da fazenda, Renato Almeida, é exemplo a ser seguido pelos demais colegas de 1º escalão. As ‘distorções’ identificadas na Sefaz é erva daninha conhecida e espalhada em quase todo o jardim municipal.   


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


18/1/2017

 





Caminhos

Caminhos O prefeito Antonio Elinaldo (DEM) e o presidente do Legislativo, vereador Oziel Araújo (PSDB), precisam construir com urgência uma nova cultura de relacionamento com a sociedade civil e, em especial, com a imprensa.


Caminhos 2  A relação com os movimentos sociais e religiosos é prova de fogo para os novos gestores. Tanto o católico Elinaldo, como o evangélico e pastor da Assembleia de Deus, Oziel, vão precisar de muito equilíbrio para não saírem do eixo do ‘estado laico’ e do respeito às chamadas minorias, seja por orientação religiosa ou sexual.


Caminhos 3  Diferente do começo da gestão Ademar, Elinaldo e Oziel chegam num tempo de mais velocidade e amplitude com a internet e a consequente fiscalização geometricamente e infinitamente maior e com repercussão instantânea de seus atos nas redes sociais.   


Caminhos 4  Nesse novo universo crescente e compartilhado por cada vez mais computadores, tablets e Smartphones, os escorregões ganham destaque natural por uma simples razão: o cidadão/contribuinte é o patrão. Sem nenhuma diferença do trabalhador da Ford, ou qualquer outra corporação, o agente público precisa trabalhar deforma honesta e produzir no mínimo 100%.  


Caminhos 5 Assim como Oziel, o alcaide Antonio Elinaldo vai precisa abolir a velha prática de sonegar ou dificultar o acesso a informações. Não podem esquecer que a transparência com a coisa pública é obrigação de quem foi eleito (e é muito bem remunerado) para governar para a população.


Caminhos 6  Esse velho aleijão ficou patente durante a sessão de posse do prefeito e dos novos vereadores, no 1º dia do ano, na Câmara de Vereadores.  Além da falta de espaço para exercerem suas funções com conforto e tranquilidade, jornalistas e radialistas ainda enfrentaram os constantes e desnecessários embates com a segurança da Casa. A ultrapassada fórmula também foi usada durante a entrevista coletiva do então prefeito eleito, como mostrou a nota ‘Papel carbono’ (Confira).


Caminhos 7 Mais que definir espaço exclusivo para acomodar os comunicadores no plenário, como em qualquer Casa Legislativa que se preza, novo presidente precisa ir além com a qualificação, único caminho para abolir de vez a sutil cultura da intimidação ao exercício da liberdade de imprensa. Assim como o alcaide, o presidente do Legislativo não pode esquecer que a tranquilidade do trabalho dos profissionais de imprensa é uma das garantias da democracia.


Caminhos 8 O necessário processo de aprimoramento é mais profundo. Passa pela divulgação de todas as contas, gastos, repasses e movimentação de pessoal, inclusive com divulgação, no site da Câmara, das nomeações dos cargos de confiança dos gabinetes dos vereadores, como faz a prefeitura de Camaçari e o legislativo de Salvador, comandado por Léo Prates, aliado do tucano Oziel e do mesmo partido do alcaide.


Caminhos 9 A publicação dos decretos de forma aleatória e fora da ordem cronológica é outra prática que o alcaide Elinaldo precisa abolir. Inovar e mostrar transparência com a implantação de um ‘sistema de busca’ se faz necessário para que o cidadão possa pesquisar leis, decretos e atos, muitas vezes fundamentais para ações e pedidos de reparações na Justiça. 


Caminhos 10 O cômodo comportamento com resquícios autoritários não é exclusividade do Legislativo. O descuido com o atendimento, prestação de informação e outras práticas restritivas ao direito constitucional de acesso à informação pública também é regra antiga na prefeitura. Mesmo amparado na Lei de Acesso à Informação, o editor da Coluna assiste desde março de 2015 o jogo de empurra-empurra entre a secretaria de governo, procuradoria e controladoria, para o fornecimento de informações sobre gastos do município com a Cidade do Saber (Confira). Outra labuta foi a recente busca por informações sobre o projeto de reajuste dos vereadores, prefeito, vice e secretários, na Câmara de Vereadores.


Caminhos 11 Postura e atos de respeito e moderação vão além da regra comum e humana do bom senso. Esta na Constituição Brasileira, que no seu artigo 5º define: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade”. Garantias também estão na Declaração Universal de Direito Humanos (art.18) e no Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos (art.18) da ONU e, ainda, no Pacto de São José da Costa Rica (art.12), da Organização dos Estados Americanos (OEA).


Caminhos 12 O Camaçarico vai continuar vigilante e sem receios e amarras que assegurem ao leitor o direito à informação. 


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


16/1/2017

 





A troca

A troca A ONG Associação Educativa e Cultural de Camaçari, mantenedora da Faculdade Metropolitana de Camaçari (Famec), pode assumir o comando do programa Cidade do Saber. É o que sinaliza a articulação que começou a ganhar corpo com o início da gestão do prefeito Antonio Elinaldo (DEM).


A troca 2 O Camaçarico apurou que a proposta tem pontas entrelaçadas em todos os lados do poder, tanto no esquema gestor que sai por práticas condenáveis com o dinheiro público, como no grupo político que assumiu o poder em 1º de janeiro.


A troca 3  Um dos elos de ligação desse projeto de transferência do comando do programa para a nova ONG é justamente a atual coordenadora de cultura e arte da Cidade do Saber. Funcionária da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro desde a fundação do programa, em 2007, Jucilene Oliveira é irmã da presidente da ONG gestora da Famec e diretora geral da faculdade, Celene Maria Oliveira. Ainda segundo fontes ouvidas pela Coluna, Jucilene Oliveira, que também é diretora acadêmica da Famec, é uma das formuladoras do novo projeto de gestão da Cidade do Saber.


A troca 4 Uma visita à Cidade do Saber, semana passada, reuniu representantes da direção e a secretária de cultura, Marcia Tude e o seu subsecretário, Luciel Neto. Ligado ao vereador Jorge Curvelo (DEM), autor da natimorta CPI sobre os gastos da Cidade do Saber, Neto aparece como um forte nome para assumir o comando do programa.


A troca 5 Caso descarte um projeto com técnicos do quadro da prefeitura e opte pela escolha de uma ONG para gerir a Cidade do Saber, o governo Elinaldo segue a velha regra  implantada pelo ex-alcaide Caetano. Contrata uma estrutura ‘não governamental’ para gerir programa bancado com recursos públicos, facilitando assim a chamada empregabilidade dos aliados e protegidos.


A troca 6 Remendo pouco provável seria a realização de seleção democrática de valores da cidade, através de provas para tocar o projeto que chegou a ter 250 colaboradores nos bons tempos.  


Sabidinha O prefeito Antonio Elinaldo (DEM), que tanto reclama da herança maldita, caminha para a liberação de cerca de R$ 2 milhões e 500 mil para a gastadora e comprovadamente perigosa do ponto de vista da gestão pública, gestão da Cidade do Saber.


Sabidinha 2 A Coluna apurou que o movimento organizado pelo comando da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro tenta um novo repasse para pagamentos das indenizações dos seus últimos 120 funcionários.


Sabidinha 3  Operação conta com o apoio do vereador Gilvan Souza (PR), ex-lider do governo Ademar Delgado e agora integrante da bancada elinaldista no Legislativo. Gilvan, ainda segundo fontes do Camaçarico, busca espaço na agenda do alcaide para um encontro com a participação de funcionários da Cidade do Saber.


Sabidinha 4 Levantamento feito pela Coluna mostra que custos com as indenizações chegam a R$ 2 milhões e 500 mil, sendo que cerca de R$ 270 mil, mais de 10% do valor total estimado para quitar as indenizações, serão para pagamentos dos 4 diretores da instituição.


Sabidinha 5 Mesmo com gastança descontrolada e nunca devidamente fiscalizada pela prefeitura, ONG quer mais. É o que mostra pedido de Notificação Extrajudicial enviado no dia 28 de dezembro, antepenúltimo dia útil de 2016, e da gestão do então alcaide Ademar Delgado (sem partido). 


Sabidinha 6 No documento a direção da ONG, que o prefeito Elinaldo prometeu afastar do programa assim que assumisse, alega falta de caixa para cumprir suas obrigações e cobra a bagatela de mais de R$ 3 milhões e 200 mil referentes a repasses de 2016 não liberados por Delgado.


Sabidinha  7 ONG foi condenada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), é ré na Justiça da Fazenda Pública de Camaçari, tem atestado de ficha suja emitido pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), e está sendo investigada pelo Ministério Público Federal (MPF).


Motorista A retomada do sistema de transporte universitário, encerrado em dezembro depois de prorrogações e gordos aditivos, é ônibus velho. Graves problemas na documentação podem inviabilizar benefício e deixar cerca de 3 mil estudantes no ponto sem poder ir para escolas e faculdades fora do município, a partir de fevereiro. 


Motorista 2 Filho da bolsa educação, criada em 1999, o chamado transporte universitário nunca foi regulamentado, mas consumia mensalmente dos cofres municipais cerca de R$ 1 milhão 200 mil. Mesmo gerando uma despesa de quase R$ 15 milhões por ano, custo com sistema sequer aparece na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO). Sem amparo legal, transporte é outro presente herdado por Elinaldo que terá de botar o buzu para andar. 

 







Fazeres Estão cada dia mais escassas, se é que ainda existem dúvidas sobre o atropelo e ampliação indevida das funções de apoio e estímulo às atividades artísticas e culturais em Camaçari, pela antiga gestão da secretaria da cultura do município. Como mostrou a última edição da Coluna (Confira), a Secult na gestão do alcaide Ademar Delgado (sem partido) realizava até pagamentos em espécie mediante fornecimento de recibos.


Fazeres 2 A Coluna teve acesso a parte desses documentos. Com datas de 2013 e 2014, portanto nos 2 primeiros anos da gestão de Delgado, recibos apresentam a Secult como fonte pagadora e valores que variam de R$ 5 mil a R$ 500. Clique no documento ao lado  para ampliar a imagem. 


Fazeres 3 Muitos desses recibos exibidos ao Camaçarico, quepor segurança preservou o anonimato dos beneficiários, estão assinados em duas vias. Especialista em pagamentosconsultado pela Coluna, considera esse comportamento incomum e demonstra forte indicativo de que sequer o beneficiário ficava com cópia do documento. 


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


12/1/2017

 





'Me ajude'

‘Me ajude’ O prefeito de Camaçari, Antonio Elinaldo (DEM), parece que ainda não entendeu que é necessário gerir Camaçari, casando a Lei com a ética. Mesmo sem impedimento legal, mas condenável do ponto de vista da moralidade com a coisa pública, Elinaldo erra pela 2ª vez ao nomear para função de confiança a filha de outro ex-prefeito e também seu companheiro de governo.


‘Me ajude’ 2 Primeiro foi Márcia Tude, filha do seu vice, José Tude (PMDB), para a secretaria da cultura. Agora, provavelmente para equilibrar a conta com o outro poderoso apoiador, assegura uma assessoria no Instituto de Seguridade do Servidor Municipal de Camaçari (ISSM), para a advogada Isis Lobo, filha do seu secretário de governo e companheiro de partido, Helder Almeida.


‘Me ajude’ 3 Escorregão com a licitação emergencial do lixo, que beneficiou a empresa do filho do ex-governador e companheiro de partido, Paulo Souto, também foi respaldada pela lei. Em menos de uma semana já ostentava o ‘carimbo nacional’ de gestor preocupado com a defesa dos interesses econômicos do seu grupo político.  


‘Me ajude’ 4 De Lei em Lei, de legalidade em legalidade, Elinaldo vai atropelando um princípio que sempre combateu na Câmara de Vereadores e nos palanques eleitorais ao criticar seus adversários e antecessores no poder. Foi com essa ética e juras de moralidade que ganhou o aval para ser mais que o ‘parceiro do povo’ e virar o condutor de um processo novo.


‘Me ajude’ 5 Recebeu a missão de combater a imoralidade das gestões de Luiz Caetano (PT) e Ademar Delgado (sem partido). Fazer diferente dos não menos errantes governos dos aliados Tude, Helder e Ellery, também fez parte desse pacote de missões dada pelo povo e prometida reiteradas vezes, nas casas, templos, ruas e vielas dessa Camaçari rica e desigual.


‘Me ajude’ 6 Elinaldo não pode esquecer que foi eleito para defender os fracos, os oprimidos e os desesperançados de Camaçari. Gente que sequer sabe o que é moralidade com a coisa pública, mas sente esses resultados nefastos nos postos de saúde, no transporte ruim, na insegurança e na pouca oportunidade de luta igual para  os seus filhos. Aliás, muito parecidos  com o passado do hoje alcaide.  


‘Me ajude’ 7 Com 10 dias de gestão e exatos 1.451 dias de governo, até o fim do seu mandato, em 31 de dezembro de 2020, o Sr. Antonio Elinaldo Araújo da Silva vai precisar entender rápido. Também precisa se fazer entender por seus auxiliares, seja qual for o quilate, a experiência de gestão e de apoio eleitoral, que a missão outorgada pelo povo tem como pilares da Administração Pública ‘a Legalidade’, ‘a Impessoalidade’, ‘a Moralidade’, ‘a Publicidade’ e ‘a Eficiência’.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


10/1/2017

 





Inculto

Inculto Um festival de pecados contra a velha regra da moralidade com a coisa pública. É como se poderia definir a herança encontrada pela nova secretária de cultura de Camaçari, Márcia Tude. A Coluna apurou que a nova gestora anda assustada com os sinais desse descontrole nas contas da gestão da Secult. Pelo que viu e ouviu de relatos e documentos, a Secult na gestão do prefeito Ademar Delgado (sem partido) era quase um banco. Realizava até pagamentos, em dinheiro, de atrações e terceirizados com a devida emissão do recibo.


Inculto 2 Com apenas uma semana de trabalho, a secretária se assustou com o aluguel de R$ 25 mil mensais pelo imóvel ocupado pela Biblioteca Jorge Amado, na avenida 28 de Setembro. Mesmo com custo anual R$ 300 mil, só com aluguel, biblioteca não apresenta registro de aquisição de novos livros nos últimos 10 anos.


Inculto  3 Márcia Tude também se deparou com o custo astronômico superior a R$ 1 milhão e 500 mil, do 5º Festival de Cultura e Arte, realizado no ano passado. Outra herança é a praça da cultura, no Phoc. Obra prometida para 2014 já consumiu cerca de R$ 2 milhões e continua inacabada.


Pecado Diferente do atual alcaide, Antonio Elinaldo, e do seu vice, José Tude (PMDB), o deputado federal, Luiz Caetano (PT) preferiu não acompanhar os cerca de 2 quilômetros da procissão do padroeiro de Camaçari, São Thomaz de Cantuária, na noite de sábado(7). Ao lado da deputada estadual Luiza Maia (PT) o 3 vezes prefeito cumpriu seu plantão apenas na praça Montenegro, onde aconteceu a 1ª etapa das homenagens com a missa campal.


Pecado 2  Já o federal Paulo Azi (DEM), novo queridinho da cidade, sequer apareceu na missa. Pelo Legislativo Municipal, 12 dos 21 representantes foram ver o santo. Da chamada bancada evangélica, apenas Junior Borges (DEM) bateu ponto na praça. Vereador estreante, o católico fervoroso Adalto Santos (PSD), foi até saudado pelo bispo dom Petrini, como representante da comunidade no Legislativo.


Pecado 3  Outro que estreia zangando São Thomaz é o  titular da  secretaria de serviços público (Sesp). Preocupado com o lixo acumulado nos bairros e povoados, e orientado pela pressão das redes sociais, Armando Mansur esqueceu de mandar capinar e roçar o mato na região central, no entorno da antiga estação de trens, área contínua à praça da catedral. Quem acompanhou a missa e a procissão constatou o descuido.


Calibre Voltou a subir o número de mortes violentas em Camaçari. O ano de 2016  fechou com 231 assassinatos. Ainda segundo dados da Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), município registrou um crescimento de 14% na comparação com 2015, com 204 assassinatos. Ano de 2014 continua o recordista com 238 registros. 


Calibre 2 Em 2013 foram 195 mortes, enquanto que no ano anterior (2012) a conta oficial de assassinatos em Camaçari chegou a 202. 


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


9/1/2017

 





Bunker

Bunker E o vice-prefeito José Tude (PMDB) armou sua estrutura longe do gabinete do alcaide Elinaldo. Trocou o apertado conjunto de salas no prédio principal pelas amplas dependências da Casa do Trabalho. Mudança quebra velha tradição de manter o gabinete do vice-prefeito sob a sombra do titular. Foi assim com seu vice por quase duas gestões, Helder Almeida; seguiu com Tereza Giffoni, vice de Caetano; e a vice de Ademar, Carmem Siqueira. 


Efeito Orloff   Até o staf caetanista reconhece a conjuntura favorável encontrada por Antonio Elinaldo (DEM) para deslanchar uma boa gestão em Camaçari. Compara as heranças deixadas por Helder Almeida (DEM), para Caetano, em 2012, e agora com Ademar (2016), criação do ex-prefeito petista e agora inimigo político. ‘Nada melhor que suceder um prefeito desastroso’, confidencia assessor de Caetano ao Camaçarico.  


Assistência Não causou boa impressão o 1º encontro entre a secretária de desenvolvimento social, Simara Ellery (PPS) e técnicos da Sedes. Durante reunião, na manhã de quinta-feira (5), equipe esperava ouvir nomes e ideias renovadoras capazes de tirar a secretaria do buraco em que foi metida desde as desastrosas gestões de Jailce Andrade, no 3º governo Caetano, e da dupla Hélio Santos e Mozart Vivas, no governo Ademar.


Assistência 2 Preocupados e na condição de anonimato, técnicos ouvidos pelo Camaçarico avaliam que o discurso veio com tintas do velho tinteiro assistencialista e se mostra desconectado do Sistema Único de Assistência Social (Suas). Cautelosos, aguardam os nomes que irão comandar os estratégicos Casa da Criança, Cras e o poderoso cadastro do Bolsa Família, com cerca de 90 mil nomes.


Assistência 3 ‘Dona Simara’, como é conhecida, foi primeira dama de Camaçari por cerca de 13 anos, durante as gestões do seu marido, o ex-prefeito Humberto Ellery (1974/1985 e 1993/1996). Se elegeu deputada federal pelo PMDB, em 1994. Atualmente é presidente do PPS no município. Assim como a titular, a subsecretária também tem ligações políticas. A assistente social e servidora de carreira, Claudia Gomes assume o cargo por indicação do grupo do prefeito de Salvador, ACM Neto.


Trilha O vereador Binho do 2 de Julho está mesmo de malas prontas para deixar o PCdoB. É o que dizem fontes do partido ouvidas pela Coluna. Acreditam que o desembarque será amigável e deve ser precedida de uma confortável negociação que deve se estender por 2017.  


Trilha 2 O tucano Oziel Araújo tem dito na imprensa que a parceria do comunista com o novo governo não se resumiu a sua eleição para presidente da Câmara de Camaçari. Oziel garante que apoio de Binho ao novo governo é crescente. 


Trilha 3  Por falar em filiação pendurada, outro quadro do PCdoB que deve oficializar desligamento da legenda é a ex-secretária e ex-candidata a prefeita de Camaçari, Jailce Andrade. Nomeada por Dinha Tolentino para o cargo de controladora das finanças do vizinho Simões Filho, a doutora agora integra a gestão que teve a candidatura questionada na justiça pelo diretório do seu partido no município. O peemedebista Dinha foi eleito por uma frente formada pelo DEM, PSDB, PTB, PPS, PRTB, PT do B, SD, PMB e PEN. Já o seu futuro ex-partido apoiou o candidato  Jomar Paraky (PSD).


Proteção  A decisão da Igreja de mudar o ritual da festa de São Thomaz de Cantuária é mais um complicador na já difícil missão de atrair e confortar seus fiéis. Procissão do padroeiro de Camaçari acontece neste sábado (7) após a missa campal nas escadarias da Catedral, centro de Camaçari. Só após a celebração, prevista para começar às 16h, a imagem será conduzida em procissão até a igreja Nossa Senhora Aparecida, no Parque Satélite. Previsão é de que a procissão de cerca de 2 quilômetros acabe com as luzes da noite, nada confortáveis para a assombrada população de Camaçari.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


6/1/2017 Atualização às 13h05

 



Anterior | |1| 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 | Próxima

Encontrado(s): 551 registros

Listando página: 1

Resumo das Novelas



inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2017 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL