Busca:








No ar A semana acabou com factóides e começou com iguais ações de propaganda conhecidas como meras peças de estratégia para ocupar espaço na mídia. O agora deputado federal Luiz Caetano foi notícia com a suposta saída do PT e o namoro com o DEM de ACM Neto, e o PMDB dos irmãos Vieira Lima.


No ar 2 Caetano, que tem conversado com ex-petistas hoje alojados sob a sombra do prefeito de Salvador, e o colega de plenário, Lucio Vieira Lima, não fez mais que botar a panela no fogo. Mestre em fazer picadinho até sem carne e verdura, deixou a fervura atravessar o final de semana. O vapor movimentou as redes sociais e bafejou o governo do ex-aliado Ademar Delgado (PT), sempre reticente a qualquer aumento de pressão.


No ar 3 Chamou a audiência para sua participação no programa matutino desta segunda-feira (23), na Sucesso FM, comandado pelo radialista Roque Santos. Como esperado, não acrescentou nenhuma novidade. Voltou a defender a união dos bons e competentes para recolocar a gestão de Camaçari nos eixos e criticou a desarticulação política desse começo de governo Rui Costa. Mesmo negando que vá deixar o PT, se articula com a possível formação de um novo bloco no Congresso, fruto de legenda em gestação na base da presidente Dilma. Bom de conversa, chegou a ser convidado pelo prefeito ACM Neto para desfrutar das alegrias do carnaval, aboletado no camarote oficial do alcaide.


No ar 4 Na outra ponta do dial, sob os auspícios da concorrente Líder FM, o prefeito cumpriu seu roteiro. Mais uma vez evitou o passado, as brigas com o ex-prefeito e preferiu falar em obras, realizações e projetos para a grande família de 300 mil habitantes, como gosta de chamar Camaçari.


No ar 5 Mesmo contrariando o alcaide, o apresentador Jutan Araújo ainda conseguiu arrancar algumas alfinetadas no ex, com citações sobre projeto familiar de Caetano, vaidades que estão colocando em risco a unidade do partido e a condução equivocada de parte da militância petista para um projeto considerado meramente pessoal.


No ar 6 Diferente do antecessor, o atual continua errando no dicionário da política. Começou a entrevista optando pela economia na citação dos auxiliares presentes ao estúdio. O mimo, só corrigido mais adiante, terminou com outra destemperada, ao criar o cargo de assessor de feijoada para um dos seus mais fiéis colaboradores.


No ar 7 Delgado também se esquivou da denúncia sobre funcionários fantasmas, feita pela Coluna (Confira). Provocado, economizou resposta com a declaração óbvia de todo gestor: ‘sou contra’. Num provável ato falho, o alcaide mudou de assunto e entrou pelo tema lixo e limpeza da cidade. Falou do serviço realizado pela Limpec, responsável pela manutenção de servidora remunerada sem trabalhar desde 2006.  Prestes a completar 9 anos na folha da Limpec, sem função e mesa, a Sra Isabela Rebouças mostra poder. Fontes garantiram à Coluna que a portaria de exoneração chegou a ser preparada, em meados de janeiro, mas foi devidamente deletada.


No ar 8 Sem microfone e meio atônito com o bafo quente, restou ao Democratas de Camaçari ligar o ventilador. Garantem que é tudo mintchura. O deputado federal Paulo Azi foi escalado para a missão de defensor da unidade do partido no estado em favor do vereador Antonio Elinaldo (DEM). Lembra que o partido tem candidato e não vai abrir mão da disputa em 2016.


Corrida Mesmo distante 19 meses das eleições municipais, as pesquisas já movimentam os bastidores. Amostragem que a Coluna teve acesso indica disputa acirrada entre o vereador Antonio Elinaldo e o ex-prefeito Luiz Caetano, com vantagem para o democrata. O também 3 vezes alcaide, José Tude (PTN), aparece em 3º, enquanto o atual titular do posto, Ademar Delgado, segue na 4ª posição.


Vacilo A deputada estadual Luiza Maia garante que não praticou nenhum gesto obsceno, como noticiou aColuna na sua edição de 26 de janeiro (Confira). A parlamentar petista assegura que o dedo exibido, para alguns ex-aliados e partidários do prefeito de Camaçari, foi o indicador. Só não desmentiu os impropérios endereçados aos agora adversários.


23/2/2015

 





Transcendental

Transcendental Conhecida pelo rico orçamento e generosidade, em muitos casos para tristeza dos interesses públicos, a prefeitura de Camaçari continua longe do combate aos fantasmas que tanto assombram sua gorda folha de pessoal. Um exemplo clássico deste descaso é a servidora Isabela Rebouças, lotada na Limpec (Empresa de Limpeza pública de Camaçari). Além do salário bruto de pouco mais de R$ 4 mil, a função de assessora da presidência ainda lhe garante telefone corporativo devidamente calibrado com créditos para ligações.


Transcendental 2 O caso chama a atenção pela sua capacidade de flutuação durante as 4 últimas gestões. Contratada em 2006, na gestão Ivan Durão (2006/2008), seguiu incólume sobre a chefia de Domingos Barbosa (2009/2010), e Lezineide Chagas (2011/2012), governo Luiz Caetano. Avançou na gestão do prefeito Ademar Delgado, com o presidente Alfredo Andrade (2013/2014). Se não houver faxina com a atual gestora da Limpec, Valentina Saraiva, empossada em janeiro, servidora completa 9 anos neste 2015.


Transcendental 3 D. Isabela não é a única. Levantamento feito pela Coluna estima que mais de 100 fantasmas vagam pelas diversas estruturas municipais. Indicado por políticos, com e sem mandato, poderosos e aliados de alto calibre, lista de fantasmas já foi maior. Ainda de acordo com essas mesmas fontes, conta não sai por menos de R$ 3 milhões/ano aos cofres do município.


Receita Depois de muita promessa a prefeitura finalmente inicia a instalação do CAPSi de Camaçari. O centro, prometido para março, num imóvel  localizado no bairro Inocoop, vai realizar atendimento psicossocial de crianças e adolescentes, até agora misturadas a adultos, num total desrespeito ao Estatuto da Criança e a dignidade humana.


Receita 2 Queixa é antiga e foi motivo de reação dura da dona de casa Elisangela Silva, mãe do garoto Henri, 9 anos, ao descaso do ex-secretário de saúde do município, durante Audiência Pública, realizada em abril do ano passado, na Câmara de Vereadores. Vale refrescar a memória. Confira a nota ‘Emergência 3’, postada na Coluna do dia 27.


Lição O assalto ao vereador Junior Borges (DEM), seguido de furto do veículo, na noite de segunda-feira (16), em Camaçari, é mais que um número na estatística policial do município. Serve de exemplo para que os representantes do povo tomem mais cuidado com a segurança pessoal e com o bem público.


Lição 2 Assim como o sumiço do chevrolet Cobalt, cor prata e placa OUF-8762 (Camaçari), os demais veículos alugados pela Câmara de Vereadores de Camaçari, são usados dia e noite pelos edis municipais. Alguns até em atividades nada condizentes com a função de legislador representante do povo. 


Presença Os deputados estaduais petistas Luiza Maia e Marcelino Galo fizeram festa durante a Mudança do Garcia, segunda-feira de carnaval. Luiza com seu bloco Antibaixaria arrastou cerca de 300 foliões devidamente encamisados e animados por bandinha ‘chupa catarro’. Já o colega de bancada foi mais ousado com seu ‘bloco do Galo’. Cerca de 1 mil pessoas vestidas com a camisa do grupo e cabeças adornadas com cristas vermelhas dançaram ao som de poderosa charanga com mais de 20 músicos. Além da busca de mídia e espaço político na festa, outra coincidência entre o ‘Galo’ de Marcelino, e o ‘Antibaixaria’ de Luiza foi o apoio do governo do estado.


Presença 2 Mesmo integrante juramentado da base do prefeito Ademar Delgado, o vereador Jackson Josué (SDD) vestiu a camisa do bloco Antibaixaria. Jackson foi o único a desfilar ao lado dos agora rivais do alcaide, Luiza e deputado Caetano. A não indicação de um de seus aliados para a subsecretaria de Esportes (Sedel) teria ajudado a levar o edil até a avenida. Ausências notadas foram dos fiéis escudeiros Téo Ribeiro e Professora Patrícia (PT).


Energético O carnaval de Salvador foi só alegria para o ex-vereador Cleber Alves. O trio elétrico ‘Avalanche’, de sua propriedade, foi um dos contratados pelo governo do estado para animar a folia da capital. Quem entende do mercado garante que Alves não embolsou menos de R$ 70 mil.


Alô, Alô A rua do Mangalô, bairro Água Fria, continua fora do mapa da prefeitura. Pista com cerca de 2 quilômetros e dezenas de famílias, é a única das transversais da Via Cascalheira (BA-331) que não é asfaltada. Além da lama nos dias de chuva e da poeira nos dias de sol, comunidade enfrenta a inconstância na coleta do lixo.


19/2/2015

 





Ata

Ata A onda realinhadora do governo do prefeito Ademar Delgado (PT), iniciada há menos de 2 meses com o rompimento do ex-prefeito e companheiro de partido, Luiz Caetano, parece que vai passar longe da Cidade do Saber (CDS). Responsável pela gestão do programa criado pelo antecessor, estrutura não deve sair das mãos da Organização Social Instituto Professor Raimundo Pinheiro.


Ata 2 Apesar das denúncias de desmandos com o dinheiro do contribuinte de Camaçari, feitas pelo Camaçari Agora, entidade prossegue incólume e até festejada pelo alcaide que sinaliza renovar o contrato de gestão do programa com vencimento em março próximo.


Ata 3 Provavelmente amarrado por acordos e informações reforçadas por assessores e dirigentes partidários incrustados e associados no controle da instituição, alcaide esquece o auditor e escreve um capítulo sombrio na sua história de gestor de Camaçari.


Ata 4 Nestes 7 anos a CDS coleciona irregularidades que parecem não ter fim (Confira). O que deveria ser apenas um programa de inclusão da população carente de Camaçari através de atividades de arte e cultura, virou terreno pronto para novas construções na engenharia do interesse particular, de grupos e até partidários.


Ata 5 Conhecida como abrigo de parentes de membros do governo, a Cidade do Saber é um exemplo de gastança. Aumento de cargos e salários sem autorização da prefeitura, esquema de contratação de cooperativas com a montagem de uma verdadeira caixa-preta para pagamento de terceiros são apenas parte da história da CDS.


Ata 6  Um exemplo é a Orquestra Sinfônica de Camaçari, comprada pronta em Salvador, pelo ex-prefeito, quando deveria iniciar pelo Dó, Ré, Mi, Fá, com jovens do município. Edição de livros, revistas e até produção do site da instituição com a intermediação ou participação direta de parentes da direção engordam a lista de desmandos (Confira). Isso sem falar em projetos até hoje no buraco negro, como o Planetário (Confira).


Ata 7 Uma das últimas canetadas da CDS contra os  cofres do contribuinte aconteceu já sob as barbas do atual alcaide. Em março de 2013, mês em que foi renovado por mais 2 anos o chamado ‘Contrato de Gestão’, o Instituto Raimundo Pinheiro queimou mais de R$ 1 milhão com indenizações, multas e outros benefícios trabalhistas ilegais.


Ata 8 A farra, agora sob a lupa do Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), representou cerca de 10% do orçamento anual da instituição (Confira). O demite/recontrata em 24 horas visava a poupança dos diretores e donos de cargos graduados, agraciados com indenizações que ultrapassaram os R$ 40 mil, como foi o caso da própria diretora geral. 


Ata 9 Seguindo a lógica da inclusão apenas dos amigos e apaniguados, professores e educadores ficaram de fora. Sem fiscalização da prefeitura e Câmara de Vereadores, obrigadas pelo tal ‘Contrato de Gestão’, instituto simplesmente rasgou a CLT, mantendo até 2012 todos os educadores sob o guarda-chuva das cooperativas (Confira).


Ata 10 Nem as denúncias de assedio moral, feitas pelo Sindicato dos Trabalhadores, contra a controller da CDS foram apuradas (Confira). Muito pelo contrário, garantiram uma promoção na escala de poder dentro da ONG. É o que mostra a ata do dia 5 de janeiro de 2015, onde a Sra Luci Dantas é oficializada na vaga deixada por Alex Persil, agora oficialmente desvinculado da dupla função de diretor da CDS e auditor concursado da prefeitura, conforme mostrou a Coluna (Confira).


Ata 11 Postado pela 1ª vez no site da própria instituição, documento está longe da transparência exigida na divulgação das movimentações administrativas da CDS. Só ajuda a aumentar os mistérios. Anuncia o novo presidente do Conselho Administrativo da instituição, o engenheiro Alvaro Carrascosa Von Glehn, mas omite o nome da ex-primeira dama do estado, Fátima Mendonça, que deixou o cargo que ocupava desde a criação do instituto (Confira).


Ata 12 Como das outras vezes, a reunião não tem nenhum registro fotográfico ou similar. Ausência de imagens reforça a suspeita de que o encontro não passou de uma mera operação delivery de coleta de assinaturas, sem as presenças dos membros do colegiado na sede da instituição, como manda a lei e destaca a tal Ata.


Ata 13 Mesmo nascida sob o signo da inclusão, a CDS se transformou num mero equipamento de apoio e acomodação do poder. Diferente do prefeito, que pouco sabe e quase nada vê, grupos que hoje dominam a CDS estão conscientes dos riscos de um  processo de mudança profunda. Daí a blindagem em torno da Sra Ana Lucia Silveira, que em caso de terremoto, com certeza, não cairá sozinha.


Ata 14 O realinhamento do programa Cidade do Saber, com enxugamento de seus custos e ampliação da sua presença na vida da população carente de Camaçari, continua possível e se faz necessário. Existem mecanismos jurídicos capazes de manter o programa andando, independente de mudanças. Só depende de vontade política.


11/2/2015 

 





Enxaqueca

Enxaqueca O racha entre o atual e o ex-prefeito mudou o calendário eleitoral em Camaçari. Mesmo sem eleições o ano de 2015 será de campanha pesada para prefeito. Caetano, agora na oposição, desce para a rua e obriga o adversário Antonio Elinaldo (DEM) a também gastar saliva, sola de sapato e dinheiro.


Enxaqueca 2 Neste processo, a vantagem fica com as oposições, a oficial, com o DEM e Tude, e a genérica, capitaneada pelo ex-alcaide. Antecipação é mais um problema para o prefeito Ademar Delgado (PT) que precisa administrar a cidade, fazer campanha e garantir seu espaço no PT, constantemente ameaçado pela capacidade de articulação do ex-aliado, ex-chefe, ex-amigo, ex-padrinho.


Agulha e linha O ex-prefeito José Tude é candidato a prefeito e está aberto a adesões. Sempre muito hábil, Tude já usa novo dicionário com o grupo do Democratas, liderado pelo ex-prefeito e seu antigo parceiro no comando da prefeitura de Camaçari, Helder Almeida.


Agulha e linha 2 Diz que não tem jogo com o atual alcaide, Ademar Delgado, nem com o deputado federal e 3 vezes prefeito do município, como ele, Luiz Caetano.


Agulha e linha 3 O prefeito Ademar mudou o cronograma de substituições no 1º escalão. O anúncio prometido para final de janeiro agora aguarda a nova realidade municipal com a adesão dos Bacelar e seu PTN ao bloco governista comandado pelo governador.


Sem pressa  Amigo do ex-prefeito Tude, e com excelente trânsito em todas as correntes políticas do município, o ex-vereador Waldy Freitas, avalista do mandato do fiel aliado, vereador Zé do Pão (PTB), evita comentar o sobe e desce da maré. Acostumado com os movimentos e surpresas do mar, Waldy não mostra pressa. Encosta o Jet ski em terra firme e observa sob a sobra do coqueiral.


Perigo, perigo A mulher bomba, Dalva Sele Paiva está de volta ao Brasil. A presidente da ONG Instituto Brasil, responsável por denúncias sobre o envolvimento de políticos com desvio de verbas federais, estaduais e até municipais, já começou a falar o que sabe para a Polícia Federal (PF). Na Europa desde a campanha eleitoral, voltou ao Brasil em dezembro. Caso movimentou o processo eleitoral em setembro do ano passado (Confira).


Start Por falar em ONG, a diretora geral da Cidade do Saber e presidente da Organização Social Instituto Professor Raimundo Pinheiro, Ana Lucia Silveira, já está devidamente notificada pelo Ministério Público Estadual. Com o atraso na comunicação do MPE, entregue nesta quarta-feira (4), a gestora tem até depois do Carnaval para apresentar por escrito informações sobre o programa. Abertura de Procedimento Investigatório Preliminar, solicitado pela promotora Juliana Varela Rodrigues de Barros, também arrola o prefeito de Camaçari, Ademar Delgado, e a ex-primeira dama do estado, Fátima Mendonça. Processo foi noticiado em primeira mão pelo Camaçari Agora (Confira).


Figuração Os números sobre gastos e receitas do programa Cidade do Saber (CDS) passam longe dos olhos da Câmara de Vereadores. A informação é do  vereador e agora presidente do Legislativo de Camaçari, José Marcelino (PT). Citado pela CDS como representante da Casa do Povo, na comissão de avaliação (Confira), Marcelino assegura que  tinha acesso apenas às metas dos projetos de inclusão da população através de atividades de cultura, esporte e lazer.


Figuração 2 Mantida pelos cofres da prefeitura de Camaçari, programa gerido pela Organização Social Instituto Professor Raimundo Pinheiro continua um mistério para o Legislativo. Mesmo com a obrigação constitucional de fiscalizar, missão reforçada por clausula do ‘Contrato de Gestão’ entre a instituição e prefeitura, os 19 vereadores nunca quiseram saber como é gasto o dinheiro do contribuinte.


Figuração 3  A banda do governo, nada interessada em mexer no vespeiro, se completa com a oposição, que através de atitude isolada de um de seus membros, o vereador Sessé Abreu (PRTB), pediu em agosto do ano passado a abertura de investigação.


Prontuário É descuido antigo a política de manutenção do Centro de Atenção Psicossocial (Caps), de Vila de Abrantes, desmontado e com graves prejuízos para dezenas de usuários e seus familiares. Começou na gestão do ex-alcaide com o então secretário da saúde, Camilo Pinto. Como atestam as recentes denúncias postadas pelo Camaçari Agora (Confira), o lexotan do descaso prosseguiu sendo ministrado pelo sucessor na Sesau, o médico Vital Sampaio. Agora, com a entrada do Ministério Público, o surto de incompetência terá de ser cuidado rapidamente pelo novo secretário Washington Couto. 


4/2/2015

 





Microfones

Microfones O radialista Roque Santos volta ao microfone da Sucesso FM 93,1, a partir de segunda-feira (2/2). Vai apresentar o Bahia no Ar 1ª edição, das 6 às 8h. Provisoriamente, enquanto não é escolhido outro comunicador, comanda também a 2ª edição, no horário das 12 às 13h.


Microfones 2 A volta do profissional, 3ª desde sua estréia na emissora da Praça do 46, em 2009, faz parte de uma operação comandada pelo ex-prefeito e agora deputado federal, Luiz Caetano (PT). O contrato foi fechado na noite de quinta-feira (29), em Salvador, durante reunião entre o empresário Gilson Nascimento, representante do grupo Sucesso, e o esquema ligado ao ex-alcaide. Segundo a Coluna apurou, contrato é de 3 anos e tem valor mensal de R$ 60 mil.


Microfones 3 Com a confirmação, Caetano vence a queda de braço com o seu ex-aliado, o prefeito Ademar Delgado que também apresentou proposta de arrendamento do horário. A reportagem também apurou que a escolha de Roque Santos era consenso entre os 2 grupos. Procurado pela reportagem, Roque Santos preferiu ficar fora do ar até a estréia.


Microfones 4 Nova realidade não assegura apenas palanque eletrônico para fazer oposição  em Camaçari e se cacifar para a disputa de 2016. Também garante conforto para o agora deputado federal usar seu poder de congressista junto a Anatel, agência reguladora do sistema de radiodifusão do país. Alegando irregularidades, vai retomar seu plano de fechamento da Líder FM, como fez com a TV Camaçari (TVC), empresa do mesmo grupo.


Microfones 5 Briga é histórica e vem do início do 2º governo do ex-alcaide (2005/2008). Ex-aliados, Caetano e o empresário José Antonio Torres, dono da emissora e um dos apoiadores do petista nas eleições de 2004, passaram a se desentender depois de problemas com contratos  municipais nas áreas da construção civil e  lixo. Processo culminou com o fechamento da TVC,  em fevereiro de 2009.


Microfones 6 Volta também acirra disputa pela audiência entre 6h e 8h. Autointitulado de ‘o destemido da Bahia’ Roque Santos vai enfrentar Jutan Araújo, comandante do microfone da concorrente Líder FM 96,5, e com quem andou trocando farpas eletrônicas.


Microfones 7 Nova realidade tira do ar o radialista Marco Antonio, que ocupava até a semana passada o horário matutino na 93,1. Filiado ao PRP, partido pelo qual disputou a prefeitura de Camaçari em 2008 e uma vaga na Câmara Municipal em 2012, Marco foi recentemente exonerado do cargo de secretário de esportes de Camaçari, por conta da Lei Ficha Limpa. Continua ligado ao grupo do prefeito Ademar.


Enxaguada Diferente da festa de Monte Gordo, quando deu um show de descontrole, o ex-alcaide desta vez preferiu o jogo democrático e aceitou a desvantagem diante da máquina da prefeitura. Desfilou na Lavagem de Jauá, na última sexta-feira (30), com seu grupo fazendo barulho e comendo pelas bordas. Diferente do desfile linear do alcaide, imposto por um cerco desnecessário de aliados, Caetano repetiu a performance do alcaide da capital, ACM Neto, durante a lavagem do Bonfim.


Enxaguada 2 Explorou toda a geografia da via e circulou pelas laterais cumprimentando populares. Hábil, garantiu até uma sacada na praça da igreja para fazer uma breve aparição em contraponto ao prefeito que usava as escadarias do templo do padroeiro.


Enxaguada 3 Sem perder a elegância de nominar as presenças dos vereadores governistas e da oposição, o prefeito Ademar começa a aprender a etiqueta da política. Sob a justificativa de que só não citou ‘quem não viu’, ignorou a barulhenta presença do ex-prefeito Caetano e sua esposa, a deputada Luiza Maia, durante sua fala, na porta da igreja de Bom Jesus dos Navegantes.


Enxaguada 4 O roteiro de feijoadas e moquecas, muitas delas indigestas, mas necessárias no cardápio da política, não pode ser pretexto para o contato direto do prefeito com o povo. Com um cortejo cada vez mais chapa branca, Ademar perdeu a oportunidade de interagir com moradores e veranistas ao não comparecer ao belíssimo show de fim de tarde da camaçariense Dayna Lins, no palco da praia. A animada apresentação da banda Kart Love, à noite, foi outra oportunidade que o prefeito perdeu de ouvir música, dançar e conversar com o povo.


Enxaguada 5 A paz voltou a reinar entre os democratas Júnior Borges e Jorge Curvelo. Depois de se estranharem no particular e até nas redes sócias, os vereadores ajustaram o discurso. As eleições de 2016 estão próximas e a meta é garantir a reeleição e fortalecer o nome do colega de bancada e candidato a prefeito, Antonio Elinaldo.


Enxaguada 6 Chamou a atenção o beijo aplicado pelo vereador Gilvan (PT), líder do governo Ademar, no ex. O carinho foi interpretado por Caetano como coisa normal da política.


Enxaguada 7 O ex-vereador, 1º suplente do PT no Legislativo e sobrinho do ex-alcaide, Paulinho do Som, pode ter perdido o cargo de subsecretário de desenvolvimento social, mas não deixou a alegria da folha de pagamento do município. Seu trio está entre os contratados pela coordenação de eventos para animar a festa de Jauá.


Enxaguada 8  Os já tradicionais atrasos nas obras e até nos anúncios destes benefícios geraram uma cena inusitada na ladeira das dunas, caminho obrigatório do cortejo. Iniciado às pressas na manhã de sexta-feira (30), serviço de instalação de propaganda  sobre obras na comunidade exigiu força extra e risco desnecessário para trabalhadores e população. Para manter a peça com cerca de 10 metros quadrados de pé, durante a passagem do cortejo, funcionários foram obrigados a segurar a peça na mão grande.  


31/1/2015  

 





Quilômetros

Quilômetros O programa de mobilidade urbana de Camaçari não sai do papel e vira pista, abrigos, travessias e outros equipamentos para melhorar a vida do camaçariense antes de 2017. As contas são da própria prefeitura que lançou essa semana o Plano Municipal de Mobilidade Urbana.


Quilômetros 2 Até o início das obras, o PMMU faz pesquisas e diagnósticos, define o plano, ouve a população em audiências públicas, antes de seguir para debate e aprovação na Câmara de Vereadores.  Só após toda essa caminhada a prefeitura inicia os chamados projetos executivos que definirão quais os equipamentos serão construídos.


Quilômetros 3 O calendário empurra o PMMU para o colo do novo governo municipal, que não dá para dizer quem será. Pode ser modificado pelo novo alcaide, sob a simples e justificável alegação de que projeto de mobilidade urbana é passível de alterações para atender a realidade do momento e do futuro.


Quilômetros 4 Só ao final dessa etapa o município define o processo de licitação com seu prazo mínimo de 90 dias para início das obras. Isso se não houver contestação e outros mecanismos jurídicos comuns nessas disputas milionárias.


Vestibular Na briga pela manutenção no cargo de secretário de educação do município, o professor Valter Lima não economiza nem fruta verde. Essa semana festejou o ‘Projeto Pomar’, localizado no Parque Real Serra Verde, região da Via Cascalheira. Mesmo sabendo que é tecnicamente impossível, promete para março o início do programa de educação com preservação ambiental e reforço da identidade histórica do município.


Vestibular 2 Com 10 anos no comando da Seduc, Valter Lima tenta ampliar o atual recorde com ações que deveriam ter realizado há pelo menos 8 anos. Exemplo é a política de formação de professores, na sua gaveta desde o começo da 2ª gestão Caetano, iniciada em 2005. Sem esse mecanismo legal que exige aprovação do Legislativo, professores ficam impedidos de realizarem mestrado e doutorado com dispensa remunerada.


Vestibular 3 Mesmo oriundo do Sispec, o ex-sindicalista é nota baixa entre a maioria do professorado e direção do sindicato da categoria que presidiu por 2 mandatos.


Vestibular 4 A partir da próxima segunda-feira (2/2) educadores prometem mostrar a caderneta de notas do secretário, com protestos e mobilizações durante a jornada pedagógica. Cobram o cumprimento dos acordos com a categoria e a melhoria das condições nas escolas, sem livros suficientes, segurança e transporte escolar precário. Lembram que até a merenda escolar anda perto de voltar aos tempos do ‘Q-suco com bolacha’.


Frankenstein A proximidade do fim do atual contrato de gestão entre a Organização Social Instituto Professor Raimundo Pinheiro, gestor do programa Cidade do Saber (CDS), e a prefeitura de Camaçari virou terreno fértil para pressão. Operacionalizada pela banda B da gestão, clima de terror, com boatos de demissões a partir de março, é a repetição da velha fórmula para intimidar funcionários e manter a prefeitura no controle.


Frankenstein 2 Pilares do programa de inclusão e alvos das pressões, professores, educadores e pessoal de apoio são os únicos que deveriam relaxar e esperar os próximos capítulos. De concreto e até contraditório num momento que tanto se fala em passar o rodo, só o Aviso Prévio do pessoal responsável pelos serviços de limpeza da CDS.


Descompromisso O Ministério Público Estadual (MPE) começa a cobrar informações sobre a misteriosa gestão das contas da Cidade do Saber. Como das vezes anteriores, direção da instituição não comenta a decisão divulgada pelo Camaçari Agora (Confira). A prefeitura, responsável pelo financiamento do programa, também se esquiva e prefere fazer seus esclarecimentos no processo, onde a população não tem acesso. As graves denúncias, parte delas em apuração pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), são antigas.


Estruturas A decisão do MPE de Camaçari de prorrogar o inquérito que apura os gastos da Coordenação de Eventos com bandas e produtoras de eventos, mostrada em reportagem do Camaçari Agora (Confira), é sinal de que o show promete. Mesmo desaparelhada, a estrutura responsável pela fiscalização das leis e defesa da chamada ordem jurídica ganha fôlego. Já no backstage dos acusados o comando é preparar outro show, o do réquiem das apurações.


Abstinência  Depois de 10 anos surfando na mídia, falando onde queria e o tempo que desejava, o ex-prefeito de Camaçari começa a experimentar do veneno que tanto ministrou para adversários e até aliados rebeldes, quando comandava a gorda verba de publicidade do município. O, a partir de sábado (1/2), deputado federal anda se queixando a amigos que já não tem mais o espaço nas rádios, TVs e demais veículos.


Abstinência 2 Com o rompimento político e até pessoal com o atual alcaide, companheiro de partido e antigo pupilo, Ademar Delgado (PT), Luiz Caetano está com dificuldade para a secura da nova realidade. Acostumado com recordes de permanência no ar, o ex-alcaide enfrenta agora  operação microfones desligados. 


28/1/2015

 





Vacilo

Vacilo O comportamento do grupo do ex-prefeito Luiz Caetano (PT), sexta-feira (23), durante a lavagem de Monte Gordo foi a nota destoante da manifestação religiosa em louvor a São Francisco. Provavelmente relembrando os tempos de estudante secundarista, o agora deputado federal diplomado puxou coro de vaias e permitiu que seus seguidores extrapolassem na manifestação democrática contra o agora adversário e companheiro de partido, o prefeito Ademar Delgado e seu grupo político.


Vacilo 2 Capitaneando uma charanga, Caetano seguiu todo o trajeto de cerca de 3 quilômetros entre a praia de Guarajuba e a sede do distrito, espinafrando os novos inimigos. O que poderia ser uma manifestação de insatisfação e reforço de imagem, terminou em desgaste para o ex-alcaide que passou atestado de descontrole.  


Vacilo 3 Nem velhos aliados, como o vereador Wilton de Ferrinho, foram poupados. Liderança e representante da comunidade, Ferrinho foi obrigado a discursar sobre o som da música ‘Vou festejar’, da sambista Beth Carvalho, que tem o famoso refrão: ‘você pagou com traição a quem sempre lhe deu a mão’. A dose se repetiu com o prefeito Ademar. Apenas o também petista e deputado estadual Bira Coroa foi poupado da trilha sonora durante seu discurso nas escadarias da igreja.


Vacilo 4 Autora da famosa Lei Antibaixaria, a deputada estadual Luiza Maia (PT). Acompanhada do esposo, o ex-prefeito Caetano, esqueceu o protocolo e atropelou sua própria lei. Parlamentar não teve cerimônia de exibir o dedo médio para os adversários. Seguida de outros gestos nada recomendáveis, manifestação ganhou a condenação de populares, incrédulos com a cena.


Vacilo 5 Petistas históricos cobram agora ação do partido, tanto na escala municipal, como estadual. Lideranças mais duras acusam o presidente do diretório municipal, vereador e presidente do Legislativo, José Marcelino, de fazer ‘cara de paisagem’. Esperam que o presidente comece a semana convocando o colegiado para debater o que consideram desrespeito ao estatuto.


Vacilo 6 O ex-alcaide está precisando com urgência de uma assessoria. Falando e fazendo o que bem entende, o outrora articulado e construtor de estradas, ultimamente só anda erguendo muros.


Vacilo 7 Mesmo antes de protagonizar o show de equívocos em Monte Gordo, já andou escorregando feio. Usou o termo ‘autista’ para reforçar suas acusações de ineficiente e burocrática a gestão do agora desafeto político, Ademar Delgado.


Vacilo 8 Domingo (1/2), durante a posse no Congresso Nacional, o deputado federal pode aproveitar e bater uma bola com o senador Romário (PSB-RJ), também assumindo o mandato no mesmo dia. O ex-craque e defensor dos direitos das pessoas portadoras de necessidades especiais pode dar boas dicas para que o 3 vezes prefeito não faça mais esse tipo de gol contra.   


Real  Ultimamente muito auto-festejada nas redes sociais, a Limpec precisa largar os teclados e dar uma passadinha na rotatória da avenida Radial B. A partir das 22h, quando a rede fica congestionada com postagens, compartilhamentos e muitos elogios chapas-brancas, o ponto de lixo existente no local vira central de incineração de pneus e fios.


Dica  Sem licitação definida e parado no ponto desde a gestão passada, a licitação para o sistema de transporte de Camaçari pode incluir a obrigatoriedade de ônibus com ar condicionado. Conhecida pela baixa qualidade do ar e calorzão durante quase todos os 365 dias do ano, município sede do maior complexo industrial da América  do Sul pode seguir o exemplo do alcaide da capital paulista, o petista Fernando Hadad. Basta engrenar a 1ª e acelerar.


26/1/2015

 





Vazante

Vazante Com quase metade da obra executada e um atraso de aproximadamente 40% no cronograma, o programa de reurbanização da bacia do Rio Camaçari segue cheio de mistério. A construtora Cowan reduz pessoal, desmonta estrutura e não consegue cumprir o acertado. O chamado Trecho 10/11, na região de Burissatuba e Phoc, previsto para ser entregue em agosto do ano passado, continua sem data.


Vazante 2 Já os trechos entre a Cidade do Saber e a linha férrea, na avenida Eixo Urbano, e a continuação da via margeando o rio até a Rua Bahia, sequer tiveram as obras iniciadas. A área está indenizada e livre para o início dos trabalhos.


Vazante 3 O programa iniciado no começo de 2012 e estimado inicialmente em R$ 143 milhões, já foi recalculado e hoje tem custo total de R$ 167 milhões. A Coluna apurou que a contrapartida da prefeitura também foi reajustada em quase 200%. Dos R$ 19 milhões iniciais saltou para cerca de R$ 48 milhões. Obras já foram concluídas ou estão em fase de finalização no Morro da Manteiga e nas novas vias que margeiam o Rio Camaçari, entre a Cidade do Saber e a avenida Radial A.


Vira-Vira O núcleo duro do governo de Camaçari começa a constatar que os caetanistas, antes capazes de encher uma frota, agora cabem num ônibus. O que se via, ouvia sobre os erros da administração Ademar e as loas ao ex-alcaide era tudo miragem. No máximo, dizem que admiram o agora deputado federal diplomado, mas estão com o governo Ademar ‘desde criancinha’. 


Vira-Vira 2 A lista com mais de 100 nomes para exoneração da gestão municipal vem sendo refeita a cada movimento dos aliados. Prometida para o começo da semana, depois para o dia seguinte, relação chega a essa quinta-feira (22) cheia de remendos e dúvidas. De concreto só a 1ª relação, antecipada pelo Camaçari Agora (Confira).


Mistério Apoiador desde a 1ª hora, o vereador Otaviano Maia é um caso que intriga uma parcela do staf ademarista. Mesmo festejando a adesão, desconfiam que o rompimento político com a tia e deputada estadual Luiza Maia (PT) tem dupla função. 


Mistério 2 Não fecha a porta para uma recomposição futura com o grupo liderado pelo ex e federal diplomado, além de garantir a manutenção de boa parcela dos cargos na máquina municipal indicados pelo clã Maia, agora convertido em feudo do sobrinho.


Saudades Os caetanistas continuam sem entender a estratégia do prefeito Ademar Delgado. Mesmo rompido politicamente e cantado pelos 4 cantos da cidade como ‘inimigo’ pelo ex-prefeito, o alcaide petista continua longe de passar atestado. Durante entrevista ‘light’, segunda-feira (19), ao radialista Mario Kertész, e direito a retransmissão por uma rádio local, voltou a elogiar o companheiro de partido.


Folhinha O ex-prefeito de Camaçari conta os dias para janeiro acabar e virar deputado federal de fato e de direito. Na lista dos 198 parlamentares estreantes no Congresso Nacional, Caetano sonha com o 1º de fevereiro, quando garante assento no plenário Ulisses Guimarães, com todas as mordomias e vestido com a imunidade parlamentar. Vai ocupar o gabinete 415.


Titular Edilson Magalhães, diretor do Ciretran de Camaçari é o novo presidente da comissão municipal do PSC. Ocupa a vaga deixada pelo pai, vereador Dilson Magalhães, falecido no final de dezembro. A garantia foi dada pelo presidente estadual da legenda, Eliel Santana. O ex-vereador Pedrinho de Pedrão, vice de Dilson, continua onde está. 


22/1/2015

 





Namoro

Namoro A tão esperada conversa entre o prefeito Ademar Delgado (PT) e o presidente estadual do PTN, Maurício Bacelar, parece que não deve chegar antes do Rei Momo. O possível ajuste paroquial, defendido pelo governador Rui Costa (PT), e com amplas possibilidades de ser efetivado, é tudo que o alcaide deseja para se fortalecer na reeleição em 2016.


Namoro 2 Maurício se faz de difícil e evita falar em composição municipal. Discursa sobre projetos defendidos por ele e que estão no plano de governo de Rui Costa, como o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) ligando Camaçari a Salvador. Mesmo negando expectativa de aliança com o governo  petista de Camaçari, lembra que seu grupo tem 2 dos 19 vereadores no Legislativo Municipal: Zé do Pão (PTB) e Sesse Abreu (PRTB).


Voo O vereador Téo Ribeiro deixou com a também petista e companheiro de plenário, Professora Patrícia, a missão de protestar, ao vivo e a cores, contra a mudança do pedágio, quarta-feira (14), durante o lançamento da Via Metropolitana. O ex-presidente da Câmara referiu voar para longe do  Clube da Caixa, em Abrantes. Marcou presença apenas com seu nome numa faixa segurada pela própria Patrícia. 


Voo 2 A deputada estadual Luiza Maia (PT), outrora ferrenha adversária do pedágio, também não apareceu. Mandou assessores para ajudar a vereadora na ingrata missão. 


Reprovada O governador reclamou da atitude considerada deselegante e intempestiva da vereadora. Nos tempos do governo Paulo Souto (DEM), o protesto teria presença garantida até do próprio Ademar, um dos líderes do finado movimento Pedágio Livre.


Perdão Depois de perder o PTN e vacilar ao deixar a candidatura a deputado estadual do vereador Antonio Elinaldo morrer na suplência, o prefeito de Salvador e chefão do Democratas, ACM Neto, resolveu se redimir. Ainda que atrasado, declarou a caminho da Basílica do Senhor do Bonfim que o partido tem candidato a prefeito na sucessão de Ademar Delgado (PT) e o nome é Elinaldo. 


Chabu A manobra do hoje oposicionista grupo do ex-alcaide, de promover encontros da executiva municipal para discutir a situação do governo Ademar foi mandada para o paiol pelo comando estadual do PT. Propostas de reuniões com petistas e filiados com cargo no governo municipal foram consideradas intempestivas e apenas com função explosiva. A regra é guardar a munição e evitar o tiroteio interno.  


Cofrinho A mexida na coordenação de eventos de Camaçari não acaba com a saída de Marcelo Maia, sobrinho da deputada Luiza Maia. O comando das operações de contratação de atrações e estruturas como palco, iluminação e outras ‘cositas mas’, está todo com o núcleo duro do governo, capitaneado pelo secretário de governo, Sérgio  Paiva. Os novos controladores da milionária verba acreditam que a nova realidade já começa a apresentar uma significativa economia para o município.


Extra A indecisão do prefeito Ademar terminou gerando um plus para os caetanistas exonerados dos cargos de confiança na administração. Prevista para o começo do mês, lista antecipada pelo Camaçari Agora, só saiu com data de terça-feira (12). Atraso garantiu quase metade do bambá de janeiro.


Vitamina O ex-alcaide se movimenta e discute a formação de uma nova corrente petista. Grupo tem nome provisório de ‘Mobiliza PT’. Ideia do deputado federal diplomado Luiz Caetano, antes avesso a esse tipo de grupo interno, muito comum no partido, é reunir deputados, prefeitos e lideranças para ganhar força e espaços nos governos estadual e federal.


Presença Os vereadores Bispo Jair (PRB), Elias Natan (PV) e Jackson (SDD) também estavam na coletiva do prefeito Ademar (12). Não foram vistos porque não cumpriram o ritual do poder de posicionamento ao lado do alcaide, especialmente num momento em que a situação política exige todos os sinais. Diferente dos colegas de plenário e de bancada governista: Oto da Farmácia (PSD),  Wilton de Ferrinho (SDD), e os petistas Gilvan Souza, Otaviano Maia e Oziel Araújo, citados pela Coluna.


Papai Noel O Boulevard Camaçari deve ser entregue aos lojistas em novembro. Segundo Antonio Carlos Menezes, um dos gestores do grupo controlador do novo centro, as compras do Natal já terão o shopping da Via Parafuso como nova opção.


16/1/2015

 





Nuvens

Nuvens Mais dúvidas do que certezas. Essa foi a sensação deixada pelo prefeito de Camaçari, Ademar Delgado (PT), após o término da entrevista coletiva, na manhã desta segunda-feira (12/1), em seu gabinete.


Nuvens 2 O alcaide convocou a imprensa para fazer um balanço de seus 2 anos de governo, o que planeja para o resto do mandato e as realizações que entrega nos próximos meses. Esses eram os temas que os profissionais de internet, jornal, rádio, revista e tv menos queriam saber. Precisavam responder as dúvidas dos milhares de leitores, ouvintes, telespectadores e internautas sobre o rompimento político do ex-prefeito Luiz Caetano com o atual.


Nuvens 3 A gestão da cidade sede do maior complexo industrial integrado da América do Sul, com cerca de R$ 1 bilhão de orçamento anual, passa longe de ser uma briga paroquial de cidadezinha de interior, com o ‘PT 1’  disputando o poder com o ‘PT 2’, como nos tempos da velha Arena e suas correntes antagônicas no varejo local, mas sintonizadas nos atacados estadual e nacional.


Nuvens 4 E, foi justamente o tema que o prefeito e candidato a reeleição mais evitou. Ademar falou da parceria entre ele e Caetano em mais de 30 anos, da gratidão do aprendizado com o agora ex-aliado. Só não disse o que vai fazer, que caminho seguir, as mudanças no governo, com a consequente desmontagem da estrutura do velho companheiro que lhe indicou e construiu o caminho para a disputa vitoriosa de 2012.


Nuvens 5 Sem esconder a emoção, quase às lágrimas, o prefeito chegou a pedir que a imprensa evitasse perguntas sobre o racha. Em parte atendida, o pedido terminou ampliando ainda mais as dúvidas sobre as verdadeiras razões do rompimento.


Nuvens 6 Diferente do ex-prefeito que não poupa o atual gestor de críticas sobre ineficácia, excesso de burocracia e falta de comando político para tocar a gestão, Ademar preferiu o silêncio. Não disse  se vai substituir os caetanistas que andam espinafrando seu governo em reuniões, redes sociais e até em mesa de bar.


Nuvens 7 Sem contar sua versão e colocar em pratos limpos, sinaliza fragilidade e muitas dúvidas. As novas adesões do PTN, as perspectivas alvissareiras com o PRTB no município, somados ao apoio do governador Rui Costa, do ex e hoje ministro da Defesa, Jaques Wagner, e das executivas estaduais e municipais, mesmo reais, em política são como nuvens.


Nuvens 8 Ademar precisa fortalecer sua musculatura política, acelerar a gestão e mostrar a identidade do governo, inclusive na disputa interna com o ex. Esquece ou parece que não sabe que todo o aparato que conta hoje, pode mudar como o movimento dos ventos dinâmicos da política.


Nuvens 9 Essa indecisão é sinônimo de recuo para o ex, que promete combate na mesma trincheira do adversário. Mesmo com a baixa munição, consequência da sua própria capacidade de desconstruir aliados maiores e mais poderosos, Caetano atira. Avança até onde der, sempre acreditando na capacidade de ferir de morte o inimigo.


Nuvens 10 Diferente do ex-alcaide e agora deputado federal diplomado, o presidente municipal do PT e agora comandante do Legislativo, José Marcelino, também observa a briga sem perder a perspectiva de se beneficiar com o tiroteio. Com a invejável máquina de quase R$ 80 milhões da Câmara de Vereadores, até 2016, Marcelino entra em campo com a bola cheia, olhando para o céu e ligado na posição dos ventos.


Nuvens 11 Conhecido pelo seu estilo duro, mas jeitoso quando os interesses entram na sua corrente de vento, terá até o meados de 2016 para agradar lideranças, aliviar a amargura de adversários de plenário, e longe do desgaste da prefeitura, com seus buracos, lixo, transporte ineficiente e postos de saúde, aparecer mais adiante, como a melhor opção dentro do céu partidário.


Nuvens 12 Experiente, com mais informações e poder para decidir, o mesmo governador Rui Costa, que hoje pega Ademar nas mãos e garante condução tranquila e segura, pode indicar outro caminho. Não está nos planos do PT entregar o rico orçamento e estratégico colégio eleitoral de Camaçari para o adversário, muito menos para aliado que ameace a sua sucessão estadual de 2018.


Chuvisco O prenúncio de que o encontro com a imprensa não renderia frutos favoráveis ao atual prefeito, começou antes mesmo da entrevista. O que seria uma conversa com os profissionais dos veículos de comunicação de Camaçari e região, logo ganhou pinta de ato político. Longe das regras básicas exigidas para um contato de entrevistado com entrevistadores, encontro inicialmente marcado para o auditório da prefeitura, sequer tinha espaço para os profissionais.


Chuvisco 2 A plateia, formada por secretários municipais, vereadores e assessores do executivo, era tudo menos um ambiente saudável para a realização de uma sabatina com perguntas, muitas desconfortáveis para qualquer entrevistado. A versão de que as pessoas souberam e foram chegando, no meio da manhã, quando deveriam  garantir o funcionamento da máquina, nos seus postos, mostra que algo estava errado. 


Chuvisco 3 O previsível vexame, com a inevitável interferência nas perguntas e respostas, pelos mais de 100 chapas brancas que se apinhavam no espaço, felizmente foi detectado e abortado. Para sorte da liberdade da informação, o excesso de burocratismo, que o ex-prefeito Caetano tanto reclama, mesmo sendo professor, foi vencido com a transferência da coletiva para o gabinete do alcaide. A sala de reuniões, ideal para esse tipo de encontro, permitiu perguntas e respostas sem aplausos ou muchochos dos insatisfeitos.


Paisagem Mesmo com maioria juramentada dos 12 aliados, apenas 5 vereadores compareceram ao encontro do alcaide com os profissionais da imprensa. Os petistas Gilvan Souza, Otaviano Maia e Oziel Araújo, fizeram coro ao lado de Oto da Farmácia (PSD) e Wilton de Ferrinho (SDD). A lista dos que apoiam, mas tiveram compromisso nesta manhã de janeiro ensolarada de recesso é puxada pelo presidente do partido, e eleito comandante do Legislativo com o aval do prefeito, José Marcelino.


Regador A deputada Luiz Maia (PT) não brinca  com política e segue a regra de fazer chover até no molhado. Documento para imprensa onde anuncia seu rompimento político com o atual prefeito de Camaçari é mais uma peça da campanha de massificação do ataque sobre o ex-aliado, oficializado semana passada pelo marido e líder do grupo, Luiz Caetano (Confira).


12/1/2015

 





Divórcio

Divórcio O ex-prefeito e deputado federal diplomado, Luiz Caetano (PT), finalmente oficializou o rompimento político com o prefeito e companheiro de partido, Ademar Delgado. O anúncio aconteceu nesta quinta-feira (8), durante reunião da executiva do partido, num hotel de Camaçari. Antecipado pelo Camaçari Agora, na antevéspera do Natal (Confira), racha foi confirmado no mesmo dia 23 de pelo prefeito Ademar (Confira).


Divórcio 2 A decisão tem o apoio da deputada estadual Luiza Maia e do vereador Teo Ribeiro. Lista pode ser ampliada com a também petista, vereadora Professora Patrícia.


Divórcio 3 Uma das surpresas é a permanência do vereador Otaviano Maia na bancada de apoio ao governo. Sobrinho da deputada, Otaviano entra em conflito e pode ser descartado da lista de apoios do grupo na reeleição de 2016. O irmão, Marcelo Maia, até esta quinta-feira, coordenador de eventos da prefeitura, pode disputar a vereança com apoio da família Maia.


Divórcio 4 Outro petista que vem enfrentando artilharia pesada, com acusações de fisiologismo e traição, é o ex-presidente municipal do PT e atual secretário municipal da igualdade, Fábio Pereira. Casado com uma das sobrinhas da deputada Luiza Maia, Fabão, como é chamado pelos companheiros, tem deixado as questões afetivas em casa e deve seguir sua tendência política, a Corrente Novo Brasil. Liderada pelo deputado e atual secretário estadual de relações institucionais, deputado federal licenciado Josias Gomes, a CNB está fechada com o governo Ademar.


Divórcio 5 Governo tem como certos os vereadores Oziel Araújo e Gilvan Souza, provável líder do governo e da bancada petista na Câmara. Até a vereadora Professora Patrícia, mesmo balançada, é tida como o 5º dos 6 integrantes do partido na Câmara a manter o apoio ao governo Ademar.


Divórcio 6 Segundo fontes ouvidas pela Coluna, o governo Ademar não trabalha mais com arrependimento. O prazo para recuos foi encerrado com a decisão do ex-prefeito. A regra é ‘cargo de governo é cargo de confiança do governo’.


Divórcio 7 Contas indicam que o ex-alcaide seria responsável por metade das indicações dos cerca de 4.600 cargos de confiança. Próxima etapa é saber quem está com Ademar e qual a disposição de contribuir com a gestão da cidade, sem esquecer o fortalecimento político do governo e da candidatura a reeleição do atual alcaide. 


Divórcio 8 O prefeito Ademar conversa com a imprensa na próxima segunda-feira (12), às 10h, no seu gabinete. A expectativa é que anuncie o novo secretário de educação e apresente os nomes para as pastas da saúde, esportes e Instituto de Seguridade do Servidor (ISSM). Governo trabalha com o dia 30 como prazo final para mudanças no 1º escalão. 


Proteção Não foi coincidência o prefeito de Camaçari, Ademar Delgado (PT), abrir a agenda de encontros do governador Rui Costa com os gestores dos 417 municípios baianos. Empossado há menos de 15 dias, Rui foi além da garantia de obras. Depois de quase 2 horas de conversa, boa parte sem testemunhas, o alcaide saiu com a certeza de que terá muito mais.


Dente de ouro O racha entre o ex-prefeito e deputado federal diplomado, Luiz Caetano (PT), e o companheiro de partido, prefeito Ademar Delgado, ainda gera dúvidas. Mesmo oficializado, políticos experientes e de todos os tamanhos e partidos se dividem. Uma dessas raposas garante que é ‘briga de cigano’. Daqui a pouco estão ‘novamente em festa’.


Caim e Abel Mesmo trombeteando união, as oposições de Camaçari só fazem ampliar o racha. O vereador Junior Borges (DEM), evangélico sem arrependimento e medo de cumprir sua missão de representante do povo, foi prestigiar a procissão do padroeiro. Longe dos democratas, com quem se desentendeu ao defender a eleição de uma Mesa da Câmara de Vereadores unificada com governo e a oposição, Junior seguiu acompanhado apenas por assessores.


Caim e Abel 2 Em outro grupo, o ex-prefeito Helder Almeida, presidente municipal do DEM, cumpriu os cerca de 2 quilômetros do cortejo de São Thomaz, acompanhado pelo deputado federal diplomado, Paulo Azi e pelos vereadores e companheiros de partido, Antonio Elinaldo e Jorge Curvelo. O 4º integrante da bancada do DEM, o evangélico Antonio Falcão, preferiu manter distância do andor.


Caim e Abel 3 Numa 3ª ala, o ex-prefeito José Tude (PTN) seguiu acompanhado pelo vereador Zé do Pão (PTB), do amigo e escudeiro, o ex-vereador Waldy Freitas, e correligionários históricos. Os irmãos Maurício (presidente estadual do PTN) e João, deputado federal aguardando fevereiro para trocar mandato de estadual pela Câmara Federal, não apareceram para reverenciar São Thomaz.


Caim e Abel  4 Quem também montou seu cortejo foi o ex-prefeito e agora deputado federal eleito, Luiz Caetano. O petista, rachado com o seu sucessor, Ademar Delgado, foi pedir proteção ao santo, acompanhado da esposa e deputada estadual, Luiza Maia (PT), e dos vereadores e companheiros de partido, Téo Ribeiro e Professora Patrícia. Grupo teve reforço de lideranças, que mesmo com o risco de maremoto sinalizaram que não abandonam o barco caetanista.


Caim e Abel 5 Na confortável posição de principal autoridade do município e literalmente aos pés do santo, o prefeito Ademar, puxou o grande cortejo. Dono do incenso e do incensador, alcaide reuniu os vereadores José Marcelino, presidente municipal do PT e do Legislativo, Gilvan Souza (PT), Doutor Elias Natan (PV), Jackson Josué e Wilton de Ferrinho (SDD). Completaram a lista secretários e lideranças de vários partidos.


Caim e Abel 6 Os vereadores Otaviano Maia (PT), Bispo Jair (PRB), Pastor Neilton (PSB), Oziel (PT) e Oto da Farmácia (PSD), Sesse Abreu e João da galinha (PRTB) não compareceram.


8/12/2015

 





Culpa

Culpa Uma história cheia de pecados e penitências. É como se pode definir o contrata/descontrata do padre Fábio de Melo, para o show de encerramento dos festejos em louvor a São Thomaz de Cantuária, padroeiro de Camaçari, previsto para a noite de quarta-feira (7).


Culpa 2 Nessa relação entre a prefeitura do município e Diocese de Camaçari, o pecado da mentira é o mais visível. Começa com o não cumprimento do prazo de pagamento de metade do cachê pelo show, que a Coluna apurou ter valor total de R$ 120 mil. Além de não cumprir o acertado no contrato, de pagar os 50% até o começo da última semana de dezembro, o governo municipal esqueceu de comunicar o cancelamento da apresentação aos organizadores da festa.


Culpa 3 Em conversa com o Camaçari Agora, na manhã desta terça-feira (6), o padre Valmir Miranda, Pároco da Catedral, evita o confessionário, mas reconhece que faltou ‘agilidade’ por parte da burocracia municipal, encarregada do contrato.


Culpa 4 As desconfianças do religioso sobre a suspensão do show, só comunicado pela prefeitura na segunda-feira (5), eram reforçadas até no site do padre, onde Camaçari não parece na lista de cidades com apresentações agendadas (Confira). Sem alternativa, restou ao padre Valmir informar a triste notícia aos fiéis, durante missa na noite do mesmo dia.


Culpa 5 O cancelamento, há menos de 3 dias para a apresentação, frustrou uma legião de católicos de todas as 16 paróquias dos 8 municípios da região,  integrantes da Diocese de Camaçari, mobilizada para a grande noite de fé e música com o padre Fábio de Melo.


Culpa 6 Pecados cometidos por secretários descuidados e escondidos sob o manto roto da burocracia terminam recaindo sobre os ombros do alcaide. Católico devotado, Ademar Delgado começa 2015 em débito com São Thomaz e seus muitos fiéis-eleitores. Qual será a penitência e o peso do ‘castigo da reflexão’ aplicados pelo padroeiro, só o tempo dirá.


6/12/2015

 





Circuito

Circuito  O prefeito Ademar promete acelerar neste começo de 2015. Dá partida com a exoneração de Ademar Lopes, atual diretor-superintendente do Instituto de Seguridade do Servidor de Camaçari (ISSM). Outros nomes que devem figurar no Diário Oficial nos próximos dias são o coordenador de eventos, Marcelo Maia, sobrinho da deputada estadual Luiza Maia (PT); e do ex-vereador e sobrinho do ex-alcaide, Paulinho do Som, da subsecretaria de desenvolvimento social.


Circuito  2 O também consanguíneo de Caetano, Alfredo Andrade, na Empresa de Limpeza Pública de Camaçari (Limpec), fecha a lista de afastamentos. Endividada e praticamente sem função, Limpec pode ser extinta e sua estrutura incorporada à secretaria de serviços públicos. Valentina Saraiva, atual diretora administrativa da empresa, assume o cargo provisoriamente.


Circuito  3 Se não desacelerar, o prefeito deve anunciar na 1ª semana de janeiro os nomes de Mirian Bitencourt, para a secretaria da mulher. Anderson Santos, atual sub da pasta de relações institucionais, vai para a secretaria de esportes, na vaga do radialista Marco Antonio, que deixa o governo. Demetrius Moura, atual sub de governo, é o nome cotado para substituir Ana Lúcia Silveira na gestão do programa Cidade do Saber.


Circuito 4 Na pasta da saúde, o vereador Doutor Elias Natan (PV) saiu da cabeça da lista, para tristeza do suplente Binho do 2 de Julho. Washington Couto pode voltar para o circuito Camaçari. Couto foi gestor da pasta no começo do 2º governo Caetano (2005/2008).


Circuito 5 Outra troca consensuada é a na pasta da educação. Valter Lima, campeão de permanência, com 10 anos de posto, tem como provável substituto o atual sub da pasta, o professor Márcio Neves. O deputado estadual não reeleito, Bira Coroa (PT), e a vereadora Professora Patrícia aparecem no grid de largada..


Circuito 6 Os substitutos de Anderson Santos (relações institucionais), Ademar Lopes (ISSM), Marcelo Maia (eventos) e Demetrius Moura (sub de governo), ainda estão em avaliação.


No box Depois de quase 2 anos pisando no acelerador das críticas, descontentamentos e na reta final para o  rompimento político com o prefeito e companheiro de partido, Ademar Delgado (PT), o ex-prefeito e deputado federal Luiz Caetano pisa no freio e troca a marcha.


No box 2 A velocidade exibida até a tarde de terça-feira (23), na praça Montenegro, com críticas ao atual alcaide e ao desencontro da gestão, deu lugar a uma estranha brecada. A engatada da ré de Caetano foi oficializada durante reunião com a executiva municipal do partido, terça-feira (30).


No box 3 Diferente dos últimos dias, quando não poupou crítica e até confirmou o rompimento com o pedido de demissão de sua irmã, Soledade Caetano, da secretaria da mulher, o que seu viu e ouviu foi um Caetano comedido e sinalizando recuo.


No box 4 Mesmo compartilhada por seus assessores diretos a situação considerada insustentável e com desfecho previsto para as próximas horas, o ex negou negou que estivesse rompido. Transferiu para a imprensa a responsabilidade pela informação. O Caetano pós-natalino também assegurou que não quer cargo, nem vai fazer oposição ao governo municipal. Prometeu apenas continuar com as críticas construtivas.  


No box 5 Uma tentativa de ajuste entre o atual e o ex-prefeito deve acontecer dia 8, durante reunião da executiva municipal do PT. Pensar o governo nos 2 anos que faltam e preparar a reeleição, sem falhas na equipe, é a meta do atual presidente da legenda, vereador José Marcelino.


31/12/2014

 





Extintor

Extintor Um time de bombeiros trabalha para tentar acabar com a crise gerada com o rompimento político do ex-prefeito Luiz Caetano (PT) com o atual alcaide de Camaçari e companheiro de partido, Ademar Delgado. Armados de mangueiras e extintores de todos os calibres e tamanhos, caetanistas e credenciados pelo atual gestor do município buscam uma saída que faça Caetano recuar, Ademar perdoar e recompor a base do governo. 


Extintor 2 Caetanistas ouvidos pela Coluna consideraram um erro político o rompimento oficializado na terça-feira (23), com o pedido de demissão da irmã do ex-alcaide,  Soledade Caetano, do comando da secretaria da mulher (Confira).


Extintor 3 Sem espaço no governo Rui Costa e com poucas chances no governo federal, com Jaques Wagner como importante interlocutor da presidente Dilma, caminho foi arriscar. A jogada calculada que teria como troféu o recuo de Ademar, abrindo o governo para Caetano dar as cartas, até agora não se confirmou. Também com base no cenário desfavorável, sem cargos e máquina do governo, alternativa seria iniciar a construção de um novo caminho, sem romper com os governos federal e estadual, buscando a retomada do poder com novos aliados.


Extintor 4 O caminho é apagar o incêndio que pode provocar mais queimaduras no ex, agora deputado federal. Com a caneta e os cargos municipais até dezembro de 2016 sob seu comando, Ademar sai apenas chamuscado, avaliam fontes governistas.


Extintor 5 Desentendimentos entre atual e ex é antiga. Desde o ano passado que Caetano faz duras críticas à condução da gestão por Ademar e seu núcleo de poder, formado pelos secretários de governo, Sérgio Paiva; da fazenda, Camilo Pinto, e  pelas gestoras da Administração, Lezineide Chagas e Ana Lúcia, do Desenvolvimento Urbano, um dos alvos da disputa de cargos pelo ex, que Ademar não abre mão.


Extintor 6  O desgaste se intensificou neste ano e não ganhou trégua nem durante o período eleitoral. A divisão e atuação independente dos 2 grupos  deixaram de saldo a derrota do candidato petista, Rui Costa, para o  oposicionista Paulo Souto (DEM), nas urnas de Camaçari.


Extintor 7 Confirmado o racha, Ademar deve anunciar até meados de janeiro o seu novo  governo, agora sem a presença oficial do grupo caetanista. Ademar sabe que Caetano, do outro lado da disputa, é discurso de retomada da gestão eficiente não prosseguida pelo seu sucessor. Proposta é ampliar a identidade do gestor e avançar nos acordos com atuais aliados e novos nomes do jogo político municipal que assegurem isolamento de Caetano com o consequente enfraquecimento no conforto de 2016. 


Extintor 8 O outro cenário é a recomposição com a volta de Caetano, depois de anunciar rompimento por considerar o gestor ineficiente e sem futuro. Grupo ligado ao atual alcaide acredita num novo comportamento de Ademar, mais duro e limitando espaços de Caetano, que seguiria uma cartilha e marcharia com o petista para a reeleição. 


Extintor 9 Bombeiros e incendiários de ambos os lados sabem que entre um e outro cenário existe um Caetano conhecido por todos, seja governo, oposição ou integrante da corrente dos ‘muito pelo contrário’. Com mais estrada que o próprio Ademar, sua criatura, não é apenas conhecedor como pouco de uma máquina que movimenta cerca de R$ 1 bilhão/ano.


Extintor 10 Também domina de cor e salteado o estilo de jogo dos agora ex-aliados, muitos deles suas crias políticas. Conhecido pela sua sede insaciável de poder, ao anunciar rompimento e voltar com a recomposição, não vai passar a imagem de derrotado. Vai mostrar entendimento e capacidade de perdão e reconstrução.


Extintor 11 O risco do esquema de Ademar está no uso do extintor errado para debelar o fogo provocado pelo racha. Sem limitar de forma clara a nova realidade pode garantir, num 2º momento, a combustão interna do poder do atual alcaide com a aclamação do discurso salvador. Caetano assumiria de vez o cajado de guia capaz levar o rebanho até a salvação do governo que tanto desconstruiu nos últimos 24 meses.


Extintor 12 Quem conhece o ex-alcaide sabe que seus plano de voltar ao comando de Camaçari, a partir de 2017, trampolim para a sucessão estadual de 2018, não estão descartados, mesmo recompondo com Ademar. Caetano sabe que vai ser mais fácil desmontar o nome de Ademar, como ideal para um 2º mandato, dentro do partido, trabalhando com a grande maioria dos agentes da base governista. De qualquer forma, Caetano tem até 30 de setembro de 2015 para executar seu plano ‘A’. Se não der certo,  entra em prática o plano ‘B’, com mudança de partido e disputa da sucessão municipal alojado em outra legenda.


Extintor 13 Sempre andando rápido, o ex-prefeito tenta reverter situação desfavorável em reunião com a executiva estadual do PT, na próxima segunda-feira (29). Depois do encontro, segue para o sitio da família, na região de Arembepe, orla de Camaçari, onde conversa com lideranças petistas e de outros partidos da base governista.


Extintor 14 Do outro lado da linha, as oposições cada vez mais fragmentadas e comprando bilhetes para vagões separados, aguarda os acontecimentos. Sem ter o que fazer esperam no banco da estação desconfiadas de tudo e de todos, inclusive dos próprios aliados. Certeza só a dureza da viagem até 2016. 


27/12/2014

 





Talhadeira

Talhadeira Mesmo festejada como padroeira da inclusão pela arte e esporte, a Cidade do Saber (CDS) apresenta cada vez mais intensas características de ‘santa do pau oco’, marca do pode tudo dos tempos do Brasil-Colônia. Com inegável serviço de fortalecimento da cidadania e apoio a jovens carentes de Camaçari, programa mantido pelos cofres da prefeitura do município continua longe da transparência e respeito ao princípio da lisura com a coisa pública.


Talhadeira 2 As denúncias são antigas e só agora, 7 anos depois, começam a ser apuradas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM). Em edital publicado no Diário Oficial do Estado, edição 18/12,  tribunal notifica o ex-prefeito Caetano e dá prazo de 20 dias para “tomar conhecimento, e, querendo se pronunciar”, com a “apresentação de razões e documentos” sobre a auditoria.  


Talhadeira 3 Pela 1ª vez averiguando as contas da CDS, auditores constataram o que a Coluna mostra com mais abundância que ouro e pedra preciosa escondidos em corpo de santo de madeira. Em março o Camaçarico denunciou a manobra da direção da CDS, que rasgou a CLT e criou o chamado ‘Aviso pós-Prévio’, ao comunicar aos empregados, em meados do mês, que eles estavam de Aviso Prévio desde o começo de março.  


Talhadeira 4 A farra das demissões desmotivadas de funcionários, inclusive dos diretores, e a imediata recontratação de todo o quadro, representou um prejuízo de mais de R$ 1 milhão. Os recursos gastos com pagamentos desnecessários de direitos trabalhistas como férias, 13º proporcional, Aviso Prévio e até multa rescisória representaram cerca de 10% do orçamento da estrutura. (Confira)


Talhadeira 5 Os desmandos avançam e vão desde a contratação de parentes para prestação de serviços, uso de cooperativas, até aumento de cargos e salários de diretores sem o aval da prefeitura.


Talhadeira 6 O descaso com o bem público é tão grande que sequer o diretor financeiro da CDS se afastou do cargo para assumir a função de auditor do município. Aprovado em concurso público da prefeitura e empossado no 2º semestre deste ano, Alex Persil é exemplo de onipresença no Centro Administrativo e na Rua do Telégrafo.


Talhadeira 7 Numa estranha coincidência, trabalhos do TCM se intensificam justamente no período de renovação do contrato com a Organização Social Instituto Raimundo Pinheiro, previsto para março de 2015. Até lá, o prefeito Ademar Delgado (PT) terá de decidir se renova o Contrato de Gestão com o instituto ou adia para definir novos caminhos. Pode aproveitar e abrir qualificação para novas entidades municipais poderem se habilitar a gerir o programa Cidade do Saber. 


Movimento O prefeito Ademar começa a costurar apoios entre as correntes do seu partido na disputa pela reeleição de 2016. Negocia acordo com o deputado Valmir Assunção, líder da Esquerda Popular Socialista (EPS), uma das tendências do PT.  


Pendura O Tribunal de Contas dos Municípios merece uma multa por divulgar informações imprecisas. No seu parecer de 3 de dezembro, sobre as contas do prefeito de Camaçari, o TCM apresenta como condicionantes a cobrança de dívidas, com multas e ressarcimentos aos cofres públicos, de ex-prefeitos e ex-gestores de empresas do município (Confira).


Pendura 2 Os mais de R$ 27 milhões, divulgados na última edição da Coluna, não batem com a relação de ‘Multas e Ressarcimentos’ por município, também disponibilizada no site do TCM, onde os mesmos ex-gestores de Camaçari são listados com valores diferentes. (Confira)


Pendura 3  O Camaçari Agora espera a atualização dos números pelo TCM. Informação pode demorar. Tribunal entra em recesso e só retoma atividades em janeiro de 2015.


22/12/2014

 





Pendura

Pendura Ultrapassam os R$ 27 milhões o volume de recursos cobrados pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) a ex-prefeitos e ex-dirigentes de estruturas públicas de Camaçari. O prefeito Ademar Delgado tem até junho de 2015 para botar para andar os processos de cobrança e enquadramento dos inadimplentes na lei fiscal.  Dívidas têm origem em multas e ressarcimentos aos cofres públicos, fruto de operações consideradas irregulares pelo TCM, durante o exercício de funções públicas no município.


Pendura 2 A astronômica conta pega 4 ex-prefeitos, 5 ex-presidentes da Câmara de Vereadores, 2 ex-dirigentes do Instituto de Seguridade do Servidor (ISSM) e ex-gestores da Empresa de Limpeza Pública de Camaçari (Limpec). Dívida é fruto de multas e ressarcimentos cobrados pelo TCM, mas nunca pagos ou sem comprovação de quitação conforme determina a legislação.


Pendura 3 A lista é encabeçada pelo ex-prefeito José Tude (PTN), com pendências superiores a R$ 23 milhões em pedido de ressarcimento aos cofres públicos e mais cerca de R$ 10 mil de multas. Na vice-liderança aparece o também 3 vezes gestor de Camaçari, Luiz Caetano (PT). O agora deputado federal diplomado terá de devolver mais de R$ 3 milhões ao município. Conta do TCM inclui ainda pendências de quase R$ 300 mil de multas não pagas. O ex-prefeito Humberto Ellery (sem partido) é cobrado em quase R$ 400 mil, mais multas de R$ 29 mil. Helder Almeida (DEM) é o que apresenta menor volume de pendências, com cerca de R$ 8 mil entre  ressarcimento  ao município e pagamento de multa.


Pendura 4 Também integram a lista os ex-presidentes da Câmara e atualmente com mandato de deputado estadual, os petistas Bira Coroa e Luiza Maia, e o atual secretário de serviços públicos, Zé de Elísio (PSD). Elísio, presidente da Câmara entre 2011/2012, soma R$ 129 mil entre multas e pedidos de ressarcimentos. Já Bira Coroa, dirigente do Legislativo entre 2005/2006, é cobrado pelo TCM em pouco mais de R$ 110 mil. Lista também inclui o ex-presidente Raimundo Blumetti (PSD), presidente entre 2001/2004, com pendências de R$ 17 mil entre multas e devolução aos cofres públicos.  


Pendura 5 Presidente do Legislativo entre 2007 e 2010, Luiza Maia lidera o ranking, segundo o Tribunal de Contas dos Municípios, com pendências de quase R$ 400 mil. Mesmo listada pela prefeitura como livre de débitos, com o ressarcimento de pouco mais de R$ 392 mil e pagamento de multa de R$ 5 mil, levantamento do TCM não constata os referidos pagamentos através de depósitos identificados na conta da prefeitura.


Pendura 6 No Instituto de Seguridade Social do Município (ISSM), os ex-diretores Natanael Fernandes e Genésio Feitosa são cobrados em pouco mais de R$ 1 milhão e 500 mil. Na lista de ex-dirigentes da Limpec, aparecem a atual secretária de administração do município, Lezineide das Chagas, com mais de R$ 60 mil. Também estão com pendências, Domingos Barbosa (mais de R$ 120 mil), e Ivan Durão (R$ 29 mil).


Pendura 7  A explicação para o atraso na cobrança dessas dívidas de ex-gestores pelo município está no baixo ou quase nenhum empenho dos sucessores na agilização desses processos. Foi assim com Tude, prefeito pela 1ª vez entre 1989/1992. Na 2ª gestão (1997/2000) substituiu Ellery (1993/1996). Reeleito para  mais 4 anos, Tude entregou parte de seu 3º governo (2003/2004) ao vice Helder Almeida. Com o ex-prefeito Caetano, que teve sua 1ª gestão entre 1996/1998, a regra do esquecimento se manteve por 8 anos, nas  2  administrações seguidas (2005/2012).


Pendura 8 Além da inclusão dos ex-gestores na  chamada Dívida Ativa, mecanismo legal capaz de promover  ações de execução fiscal, o TCM cobra os comprovantes de depósitos referentes a processos de multa e pedidos de ressarcimento aos cofres públicos, apresentados pelo município como pagos pelos ex-gestores. Para o TCM, que entende ser necessário o depósitos identificado na conta da Prefeitura, “tão somente notas de conhecimento de receita, relatórios contábeis, extratos bancários, etc.”, não comprovam “os alegados recolhimentos”


Pendura 9 Datada de 3 de dezembro, lista das pendências com multas e ressarcimentos integra parecer assinado pelo conselheiro Raimundo Moreira, que julgou e aprovou com ressalvas, as contas 2013 do prefeito Ademar Delgado. Confira a íntegra do documento


Atestado A ausência de 17 dos 19 vereadores de Camaçari, no ato de prestação de contas dos trabalhos de 2014 do Legislativo, vai além da descortesia com a imprensa local. Sinaliza o pouco compromisso com a função de legislador eleito pelo povo e com obrigação de prestar contas pelos meios de comunicação. Esquecem que independente de tendências, correntes e outros interesses, o debate deve e precisa ser sempre ampliado.


Atestado 2 Bom para o presidente Téo Ribeiro (PT), e para o oposicionista João da Galinha (PRTB), únicos presentes ao encontro com os mais de 20 profissionais de rádio, jornal, TV, revista e internet, na tarde/noite desta quinta-feira (18), no Teatro Cidade do Saber (TCS).


Atestado 3 Pena que os talentosos Lucas Carazec e Tiago Banha, responsáveis pelo show de stand up comedia, apresentado antes da prestação de contas, nada sabiam e seguiram outro roteiro.


18/12/2014


 

 





Expertise

Expertise O racha na bancada do DEM não inviabilizou apenas a participação da oposição na Mesa da Câmara de Camaçari, biênio 2015/2016. Ao rejeitar o nome do vereador Junior Borges (DEM), na vice do petista Marcelino, bancada mostra miudeza na discussão sobre o futuro político da oposição.


Expertise 2 Puxada pelo também democrata Jorge Curvelo, que insistia na vaga de vice, reação tirou dos 7 oposicionistas o direito de interferir no processo legislativo de forma mais eficaz.  Apoiado pela omissão estratégica do colega Antonio Elinaldo,  1º suplente de estadual e hoje o nome mais forte para a sucessão de Ademar, reação impediu a construção de resultados práticos para a cidade e consequente saldo político para os não governistas. 


Expertise 3 Ao deixar de reconhecer e apoiar o crescimento do novo quadro partidário, bancada recua e reforça isolamento. O crescimento de Junior Borges, abrindo caminhos no processo político municipal e alargando seus espaços na mídia, não é mágica. É fruto da sua capacidade de trabalho, iniciada na juventude comunista, quando militou no PCdoB, e confirmada logo no começo do mandato, em janeiro de 2013, com a montagem de seu gabinete.


Expertise 4 Tentar desqualificar Junior, com acusações, pelas redes sociais, de ser linha auxiliar do governo só divide ainda mais a oposição. Racha no processo de escolha da Mesa é o 1º passo nessa fase de desconstrução e enfraquecimento da base  antigovernista para um projeto único na disputa pela sucessão de 2016.


Expertise 5 Mesmo sem consenso, mais uma vez  Borges entra em campo e consegue construir uma chapa oposicionista para marcar posição. Com João da Galinha (PRTB) na cabeça e sem o voto de Zé do Pão (PTB), o 12º voto do governo. A chapa  Marcelino só não  bateu no simbólico 13 por conta do afastamento por ordem médica de Dilson Magalhães (PSC).


Expertise 6 Mesmo somando 6 votos, o decano do Legislativo de Camaçari faz conta de somar. João da Galinha (PRTB) ganha mídia e reforça seu título de oposicionista puro-sangue. 


Relógio  O ex-prefeito Caetano precisa comprar um relógio novo. O atual não terá serventia em Brasília, onde assume em 2015 o mandato de deputado federal. Diferente de Camaçari, onde acha que mantém o controle dos ponteiros, no Congresso Nacional será mais um e terá de seguir o fuso horário do Planalto Central.


Relógio 2 O último exemplo desse equívoco foi dado na última sexta-feira (12), quando atrasou o encontro com jornalistas, radialistas e profissionais da mídia, convocado por sua assessoria, para às 17h. A demora de mais de 2h30 causou constrangimento e atrapalhou outros compromissos de quem trabalha com a velocidade da informação.


Impaciente A falta de oficialização do vereador Elias Natan (PV) para a secretaria municipal de saúde (Sesau), ou a indicação de outro nome em substituição ao médico Vital Sampaio, cota do PSD, é mais um atraso que só compromete a saúde da população de Camaçari. 


Impaciente 2 Ao deixar para a anunciar as mudanças na confraternização desta sexta-feira (19), ou no começo de 2015, o alcaide impede a realização de uma transição oficial necessária para ajustes e montagens da nova equipe. Entregar a casa após retirar o último ‘pertence’, muito comum no passado e hoje eliminada até entre governos adversários, é atraso na definição das estratégias para quem chega e prejuízo para a população no posto.


Impaciente 3 Sem exames detalhados da estrutura, números, inclusive sobre os contratos de gestão terceirizada, o novo titular vai precisar de um período para um diagnóstico preciso e a consequente prescrição mais indicada. A indefinição sobre o novo titular da Sesau, mesmo com a saída anunciada do doutor Vital, desde meados do ano, ganha mais um complicador com as festas de final de ano, período de pouca produção e muita solidariedade.


Gourmet O prefeito de Camaçari reúne secretários, vereadores da base governistas e aderentes, sexta-feira à noite (19), em restaurante da orla de Camaçari. O cardápio da festa de confraternização deve ser definido um pouco antes, durante encontro do atual com o ex, retomando de forma gradativa o controle da cozinha.


Gourmet 2 Mudanças de secretários e o nome do novo líder do governo e da maioria na Câmara, em substituição a José Marcelino, novo presidente da Casa, deve fazer parte da carta. Téo Ribeiro, agora sem a caneta do Legislativo, aparece na lista, mas não faz o tempero desejado por Ademar para um prato homogêneo entre Executivo e Legislativo.


Gourmet 3 Relação conflituosa com o alcaide, sempre condimentada pelo ex, pode reprovar Téo para a missão. Restam, em ordem alfabética: Gilvan, Oziel e a Professora Patrícia. O vereador Otaviano Maia está fora da lista. O sobrinho da deputada Luiza Maia, segundo comensais do poder, apresenta alto teor de sódio.


Cochilo Os acidentes na Via Cascalheira (BA-331) não podem ser atribuídos apenas ao álcool e a velocidade. A buraqueira em quase todos os mais de 10 quilômetros de pista completam essa combinação sinistra. Ligação entre sede, orla e parte da zona rural de Camaçari, mesmo sob a responsabilidade do governo do estado, precisa de uma fiscalização eficiente da prefeitura. Agora sintonizados, prefeitura e estado, a desculpa pelo descaso ficou no passado, quando o Palácio de Ondina era controlado pelo adversário.


Maresia  A prefeitura precisa se mexer e botar fiscalização nas praias da orla do município. O banho de mar na sexta-feira (12), em Jauá, como mostrou o Camaçari Agora, era puro perigo. A presença de jet-skis na praia é aviso de acidente. Depois não venha dizer que a culpa é só do piloto.


Detalhes A Câmara de Vereadores de Camaçari faz balanço das atividades legislativas de 2013. O encontro para profissionais da imprensa será nesta quinta-feira, na Cidade do Saber (CDS). O horário previsto para o início da prestação de contas será às 15h45.


15/12/2014

 





De 8 a 80 anos

De 8 a 80 anos O programa pioneiro de inclusão de jovens carentes de Camaçari, pelo esporte e artes, agora ganhou nova nomenclatura. Passa a se chamar Casa da Criança, do Adolescente e do Idoso.


De 8 a 80 anos 2 A mudança atende projeto de improvisação comandada pela Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), responsável pelo programa Conviver, de apoio à 3ª idade e com histórico de mais de 400 beneficiados na sua sede da avenida Francisco Drumond.


De 8 a 80 anos 3 Praticamente desativado durante quase todo o ano de 2014, num claro descumprimento ao Estatuto do Idoso, trabalho passou a ser atribuição dos profissionais da Casa da Criança e do Adolescente. Solidários, educadores  dividem suas funções entre jovens e o lazer orientado para vovôs e vovós de Camaçari.


Tabuleiro Com o consenso em torno de José Marcelino (PT) na cabeça de uma chapa única, a ser confirmada na sessão da próxima segunda-feira (15), vereadores governistas e da oposição definem nesta sexta-feira (12), os nomes para a vice-presidência do Legislativo e 1ª secretaria, cargos mais importantes na estrutura da Câmara de Camaçari. Também escolhem o ocupante da 2ª secretaria, cargo simbólico, mas sem poder de decisão, e as vagas de 1º e 2º suplente.


Tabuleiro 2 Na vaga de vice, definida como cota da oposição numa chapa de consenso, Junior Borges (DEM) aparece como o mais cotado. O colega de legenda, Jorge Curvelo, também pleiteia o posto no biênio 2015/2016. Mesmo rotulado de neófito, Borges leva vantagem. Tido como bom negociador, conta ainda com a simpatia do prefeito Ademar. A condição de membro da ‘bancada’ evangélica, com 7 dos 19 edis de todos os partidos, é mais uma benção à postulação do democrata.


Tabuleiro 3 A vaga na 1ª secretaria, cota dos governistas e com poderes na estrutura administrativa da Casa, tem como postulantes assumidos o Pastor Neilton (PSB) e o doutor Elias Natan (PV).


Tabuleiro 4 Postulação de Natan depende do acordo que pode lhe assegurar a Secretaria de Saúde. Confirmada a ida para a Sesau, PV pode perder a Superintendência de Trânsito e Transportes (STT). Base governista dificilmente aceitará o PV com apenas 1 vereador, assegurar 2 estruturas no 1º escalão.


Luluzinha A vereadora Professora Patrícia pode assumir os postos de liderança do governo e da bancada petista na Câmara de Camaçari. É considerada pelos colegas de partido e até oposicionistas como equilibrada, dedicada e aberta ao diálogo. Confirmada, bancada de 11 homens será comandado por uma mulher. 


Mestre  Na avaliação do vereador João da Galinha (PRTB), o atual alcaide de Camaçari tem conceito abaixo de 5. Cumprindo o 4º mandato, o experiente edil, que já foi governo e oposição, governo e oposição, vê melhorias, mas garante que a reprovação é puxada por 3 setores vitais para a cidade.


Mestre 2 Acostumado a andar e ouvir o povão, diz que a gestão da saúde está uma ‘lástima’. Completam o tripé, o trabalho na ação social, que na sua avaliação ‘não existe’, e as reclamações do eleitor com o sistema de transporte.


Mestre 3  O reflexo atinge até os não governistas. Quando o governo municipal não corresponde aos anseios da população, até a oposição é responsabilizada pelo povão que enxerga todos os vereadores como representantes do poder, garante.


Filtro O radialista Roque Santos deixa pela 2ª vez o comando da Sucesso FM. A 1ª desligada aconteceu em  abril  do ano passado. Depois de negociações e conseqüente retomada da sintonia, o comunicador voltou ao microfone da 93,1, em abril deste ano. Com a permanência até sábado (6), a imprensa de Camaçari ganha mais um triste capítulo na sua história de interferências do poder na tentativa de controlar a mídia. 


Assim é mau E a prefeitura continua sem mirar a Invasão em Burissatuba. Lixo, luz clandestina e falta dágua são ingredientes para doenças e baixa qualidade de vida.


Relógio  Não tem jeito. O relógio do ex-alcaide não sintoniza com a UPA da Gleba A. Prometida para dezembro de 2011, mas só inaugurada 2 anos após o fim do seu mandato, o eterno desencontro foi confirmado no último sábado (6). Desta vez quem virou paciente não foi a população, que espera a Unidade de Pronto Atendimento há 3 anos. O prefeito Ademar e demais autoridades tiveram de esperar o agora deputado federal eleito, Luiz Caetano, para o corte simbólico da fita de liberação do equipamento ao público.


Relógio 2 Em outro fuso, o ex-prefeito reúne profissionais da mídia para um papo sobre futuro, presente e passado. O encontro será nesta sexta-feira (12), a partir das 17h, na Barraca do Valdir, em Arembepe, orla do município.


Homenagem O desembargador Nilson Castelo Branco recebe nesta sexta-feira (12), às 9h, na Assembleia Legislativa, a Comenda 2 de Julho. Castelo, como é conhecido, atuou na Camaçari dos anos 1980 e foi indicado para o Tribunal de Justiça da Bahia em 2007, na vaga da OAB. 


11/12/2014

 





Sombra

Sombra  A presidente Dilma já anunciou os principais eixos para o seu novo mandato. O governador eleito Rui Costa (PT) começou a informar quem serão seus auxiliares. Até o prefeito da capital, ACM Neto (DEM), divulgou as mudanças para a metade do seu 2º mandato. Só a gestão do prefeito Ademar Delgado continua uma incógnita.


Sombra 2 No começo do mandato, ano passado, o alcaide falava em junho/julho como data para possíveis ajustes. Com a indicação de apenas 4 das 28 estruturas do 1º escalão, encerrou o 1º ano, mesmo com baixa aprovação, segundo pesquisas feitas pelo próprio governo, sinalizando satisfação com o quadro de auxiliares. Em 2014, ano eleitoral, as expectativas de mexida passaram para o pós-eleições de outubro.


Sombra 3 Fontes do governo ouvidas pela Coluna não se cansam de repetir, e até virou mantra, parte da histórica frase do pensador grego Sócrates: ” Só sei que nada sei...”. Certo mesmo só a pasta da saúde, com a desistência do médico Vital Sampaio. O doutor pode ser substituído por um nome local, ou técnico indicado pelo governador Rui Costa. Fala-se em mexida na Educação, Relações Institucionais, Procuradoria, Esportes e Governo.


Sombra 4 De acordo com essas mesmas fontes, essa indefinição mostra movimento perigoso e imprevisível de Ademar, ao entrar novamente no campo de força do ex-prefeito Caetano. Hábil e consciente da fragilidade do pupilo, cada vez mais isolado pela própria dificuldade de ouvir aliados e lidar com a política, Caetano resgata Delgado para sua órbita.


Sombra 5 Meta é reassumir o poder e afastar ou reposicionar conselheiros do atual alcaide que defendem independência sem rompimento, mas definição clara de espaços políticos que garantam a continuidade do projeto do PT no município com a reeleição de Delgado.


Sombra 6 Livre dos inconvenientes, Caetano avança e reassume o comando da sucessão de 2016, com definição de até outro nome, que pode ser o seu, ou quem indicar. Mesmo natural, o 2º mandato de Ademar, a depender da conjuntura, se transformaria numa desistência sem grandes dores, consentida, consensuada e até com o carimbo de dever cumprido.


Sombra 7 O encontro de lideranças, semana passada em sua casa, na orla de Camaçari, fez parte dessa etapa. Antes do papo, oficialmente para apenas algumas pessoas, Caetano realizou, lá mesmo em Arembepe, uma conversa reservada de ajuste com o alcaide, em plena tarde de segunda-feira. Ao final do encontro, aguardado pela platéia caetanista, que ocupava o sítio da família, como gosta o ex, restou ao atual o papel de coadjuvante.


Chance O vereador Antonio Elinaldo (DEM) joga sua última cartada para assumir o mandado de deputado estadual. O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) julga até dia 10, data final antes da diplomação dos eleitos em outubro, o caso do deputado eleito Hildécio Meireles (PMDB). O ex-prefeito de Cairu teve registro de candidatura impugnado pelo Ministério Público Eleitoral. Decisão, confirmada pela ministra do TSE e relatora do caso, Maria Tereza de Assis Moura, agora vai para o plenário.


Chance 2 Confirmado o cancelamento da candidatura, expectativa do DEM é de subida do vereador de Camaçari. Mesmo abatendo os 48 mil votos de Hildécio, o coeficiente eleitoral não muda. Com 36.278 votos, Elinaldo é 1º suplente da coligação oposicionista.


Figa Mesmo de olho na montagem do secretariado do governador Rui Costa, onde pode subir um deputado e abrir vaga na Assembleia, o 1º suplente de estadual, Bira Coroa, mexe seus pauzinhos na sua terra natal. O petista que não conseguiu renovar o 3º mandato no Legislativo Estadual, sonha com a Secretaria de Educação de Camaçari.


Figa 2 Atualmente a vaga é ocupada pelo recordista Valter Lima, no cargo há 10 anos. Mesmo com desempenho considerado abaixo da média, pelos próprios aliados, o educador e ex-dirigente do sindicato dos professores, ocupa a Seduc desde 2005, quando o partido assumiu o poder em Camaçari, com a eleição de Luiz Caetano.


Figa 3 Bira e outras tendências do PT municipal defendem a redistribuição dos cargos com as forças políticas municipais. Entendem que a Seduc deve deixar a cota do grupo do companheiro e vereador José Marcelino, que tem como coordenador estadual o federal Nelson Pelegrino.


Figa 4 Carimbada sua eleição, próximo dia 15, para a presidência da Câmara de Vereadores, Marcelino passa a ter super-poderes. Além do comando da 2ª estrutura mais poderosa na máquina de poder no município, vereador que já preside o PT municipal, é tido como controlador da ‘cabeça’ da Seduc e uma parte da Secretaria de Saúde (Sesau).


Figa 5 Mais uma sinuca para o alcaide. Apressado e desacostumado a ouvir os auxiliares, o alcaide anunciou apoio à candidatura do seu líder na Câmara, em substituição de Téo Ribeiro, antes de fechar detalhes sobre cargos e compensações.


Homilia A receita de terceirizar a gestão da UPA da Gleba A é remédio amargo para o prefeito Ademar. Em encontro com católicos, na igreja do bairro, na noite desta quinta-feira, o alcaide falou do seu descontentamento com o modelo, segundo ele uma necessidade imposta pela falta de pessoal concursado para tocar a unidade. A quase confissão, sob o teto da Igreja de Nossa Senhora da Santana,  vira pecado colado em quem foi incapaz de fazer. Mas, pode virar penitência e guia para uma nova e moderna gestão em saúde.  


Novo RG E o presidente estadual do PTN voltou a usar o sobrenome da família. Filho do ex-vereador Amélio Batista e da educadora Joanice Bacelar, Maurício abandonou de vez o ‘de Tude’. Em todas as informações prestadas à imprensa volta a se apresentar como Maurício Bacelar. 


4/12/2014

 





Curativo

Curativo Anunciada para entrar em funcionamento no final de 2011, depois prometida para abril deste ano, e agora receitada para dia 6 de dezembro, UPA da Gleba A terá gestão terceirizada. Mesmo considerada tendência      natural na moderna administração da saúde bancada pelos recursos públicos, processo em Camaçari continua parecendo  curativo refeito com o mesmo esparadrapo.


Curativo 2 É o que mostra o processo de Seleção Pública para escolha da empresa responsável pela “gestão, operacionalização e execução dos serviços de saúde na Unidade de Pronto Atendimento Porte II Gravatá”, conhecida como UPA da Gleba A.


Curativo 3 Conforme ata da Seleção Pública 001, de 23 de agosto deste ano, compareceram para a disputa do contrato as entidades reconhecidas como Organizações Sociais (OS): Instituto de Gestão e Humanização (IGH) e Instituto Nacional de Amparo à Pesquisa, Tecnologia e Inovação na Gestão Pública (INTS). (Confira)


Curativo 4 Abertas as propostas, os 2 institutos foram considerados sem condições de prestar o serviço por não preencherem os requisitos do edital. O IGH recorreu e em decisão de 22 de outubro teve seu o recurso julgado pela prefeitura de Camaçari que reiterou a decisão anterior, mantendo o Instituto inabilitado.


Curativo 5 Sem vencedor, uma nova seleção, sob o número N° 002/2014 – Processo Nº 1246/2014, é aberta no dia 7 de novembro, pela Coordenação de Materiais e Patrimônio (CMP) da Secretaria de Administração da prefeitura de Camaçari. Diferente do processo Nº 001, esta 2ª seleção conta com o comparecimento de “apenas uma pessoa jurídica: Instituto de Gestão e Humanização (IGH)” (Confira).


Curativo 6  Habilitado desde o dia 14 de novembro, conforme ata do julgamento final da Seleção 002, o IGH vai receber  pouco mais de R$ 1 milhão e 200 mil mensais para gerir a UPA. Nesta  etapa pre-inauguração, realiza processo de seleção de médicos e outros profissionais  da área de saúde e estrutura de apoio, conforme material divulgado no site da prefeitura. Com o título ‘UPA seleciona profissionais’, texto informa que as 160 vagas são para ensino fundamental, médio, técnico e superior, e que os candidatos devem acessar o site do IGH.  (Confira)


Curativo 7 A situação lembra o vai e vem do caso Coopersdaúde. Responsável pela gestão de parte dos postos do município até final de 2013, cooperativa foi denunciada em reportagem do  programa Fantástico, como integrante de um esquema irregular com prefeituras brasileiras. Mesmo sem impedimento por parte do município, que não constatou irregularidade no trabalho da cooperativa, a Coopersaúde teve o contrato abreviado em 1 ano. Voltou a participar de disputa em Camaçari, onde venceu, mas não levou.


Curativo 8 Com a anulação do processo de seleção da Coopersaúde, a prefeitura escolheu aFundação Estatal Saúde da Família (Fesf-SUS). Cheio de coincidências, o processo de escolha da Fesf-Sus foi denunciado pela Coluna. (Confira)


27/11/2014

 



Anterior | |1| 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 | Próxima

Encontrado(s): 336 registros

Listando página: 1

Resumo das Novelas



inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2015 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL