Busca:








Tabuada Mais uma vez os gênios da nova gestão de Camaçari seguem a antiga fórmula de esconder a informação. A mais recente conta de subtração no  saldo negativo e nada animador do alcaide Antonio Elinaldo (DEM) é o escândalo dos supersalários dos secretários Renato Almeida, (Finanças) e Reginaldo Paiva (Administração). Com o dobro dos salários dos colegas de gestão em Camaçari, graças a vantagens adquiridas ao longo de suas carreiras de servidores do estado, Almeida e Paiva viraram um bom número para a oposição imediatista e esquecida da sua parcela nessa conta de subtrair.


Tabuada 2 O escandaloso reforça o entendimento de que a nova gestão continua seguindo a velha tabuada. Ao subtrair a informação da população, quando deveria explicar que a conta é um aleijão nacional, governo de Camaçari sinaliza que não quer mudar nada. Esconder acúmulo de vantagens que colocam na condição de marajás os muitos Almeidas e Paivas existentes nas diversas estruturas do serviço público em todo estado e no Brasil afora é repetir uma conta vergonhosa.


Tabuada 3 Debate precisa  chegar aos supersalários dos servidores de Camaçari. Conta escondida há algumas décadas precisa ganhar as agendas do Executivo e da Câmara de Vereadores. Graças a incorporações de vantagens com o exercício de função de secretário e subsecretário, município conta com servidores na ativa e aposentados com salários de cerca de R$ 15 mil. 


Tabuada 4 Sem um teto para definir essas vantagens, que criam abismos salariais de até 8 vezes de diferença  entre  servidores com a mesma carreira, essa conta sangra os cofres municipais e compromete o futuro do sistema de previdência do servidor.


Tabuada 5 Se o alcaide Elinaldo quer mesmo mudar, como alardeava nas suas andanças durante a campanha e durante o seu discurso no já longínquo 1º de janeiro, a conta é simples. Basta abrir a caixa preta do Instituto de Seguridade do Servidor Municipal (ISSM).


Abstrato O alcaide Elinaldo segue dando aula de descuido no trato com a informação que precisa ser pública e transparente. Falou e repetiu, senão centenas, dezenas de vezes sobre os ‘100 dias de governo’. A data chegou e os veículos de comunicação não foram convidados para ouvir com detalhes o balanço dos seus pouco mais 3 meses de gestão. Agora é aguardar um novo número.


Abstrato 2 A secretária de educação Neurilene Martins está se especializando em não dizer nada sobre sua pasta. Em recente entrevista ao site ‘Bahia no ar’, a secretária repetiu o roteiro do discurso anterior registrado pela imprensa. Sem apresentar sequer um número concreto, falou em herança, em planejamento e em futuro sem acrescentar um numeral depois da vírgula.


Abstrato 3  Posta para funcionar a fórceps, a partir desta quarta-feira (19), a Casa da Criança e do Adolescente retoma atividades com o mesmo modelo antiquado, antipedagógico, e até desrespeitoso ao Estatuto da Criança e do Adolescente. Graças a baixa capacidade da equipe do alcaide Antonio Elinaldo (DEM), em parte herdada do desastrado antecessor, espaço não passa de um depósito de jovens carentes.


Abstrato 4  Na mesma matemática da indefinição segue o programa Cidade do Saber e a Orquestra Pró-Sinfônica. Sem nome no Diário oficial, o coordenador Flávio Oliveira passa os dias sem saber de nada. Na mesma coluna dos ‘zero à esquerda’ estão as secretarias de esportes e de educação, financiadores de cerca de 40% do programa agora municipalizado. Apenas a pasta da cultura, comandada pela filha do vice-prefeito José Tude (PMDB), Márcia Tude, e dona dos estimados 60% restantes, segue fazendo as 4 operações, assim mesmo sem resultados concretos. 


Abstrato 5  A Orquestra Pró-Sinfônica de Camaçari é um desses exemplos dessa desafinação entre o alcaide e sua ‘troupe’ de assessores. Sem ensaios, sem maestro e sem a providencial bolsa financeira de ajuda, o futuro de boa parte dos cerca de 40 jovens músicos começa a ganhar novas versões. Graças a baixa capacidade de equacionar um custo mensal que não chega a R$ 40 mil, já tem músico vendendo água mineral para ajudar na complementação da renda familiar.


Número real A participação da coreografa Vânia Costa, na fina flor das artes da capital paulista caiu como uma chuva de pétalas sobre a população de Camaçari. Bombardeada com notícias negativas e atingida no seu dia a dia pela histórica incompetência e descaso dos gestores municipais e suas políticas danosas para a população, nota postada pelo Camaçari Agora (Confira) vira bálsamo. Festejo pelo sucesso da menina que começou no palco do hoje Teatro Alberto Martins, ganhou reforço nas redes  sociais e sinaliza que os caminhos existem. Só precisa mudar o ritmo da dança.  


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


19/4/2017

 





Palmatória

Palmatória Numa tentativa quase juvenil de mostrar que está andando, a secretaria de desenvolvimento social (Sedes), anuncia prazo recorde de matrícula e início das aulas na Casa da Criança e do Adolescente. Filho do descuido denunciado pela Coluna (Confira), atropelo no cronograma que deveria ter sido montado entre janeiro e fevereiro prevê matrículas nesta semana apertada pela Quaresma e início das aulas no dia 19. 


Palmatória 2 Confirmado os prazos e o início das aulas, alunos continuarão sendo tratados como cidadãos de 2ª categoria no processo de inclusão de crianças e jovens que o município deveria patrocinar como forma de reduzir os danos causados pela desigualdade social. Sem nenhuma diferença dos governos anteriores, a Casa da Criança segue como marca negativa na contraditória Camaçari sede do maior complexo industrial integrado do Hemisfério Sul e uma das maiores arrecadadoras de impostos do país. 


Palmatória 3 Muito mais que resolver questões imediatas e simples como material para trabalho dos educadores e estrutura de apoio pedagógico e de limpeza, o alcaide Antonio Elinaldo (DEM), filho e eleito por essa Camaçari desigual, precisa resgatar a dignidade do espaço e incluí-lo no século 21. Sem internet e sequer 1 computador para que seus alunos se conectem com o presente e o futuro, Casa da Criança segue o modelo de educação do século passado.


Palmatória 4 Desaparelhada e vivendo na era analógica, Casa termina virando um depósito de jovens atraídos pelos cursos de música e dança. Mesmo conectados e preparados, educadores seguem amarrados aos velhos métodos e distantes da possibilidade de compartilhar com seus alunos essas novas tecnologias. O resultado é uma inclusão meia-boca, que não passa de um processo elitista e de redução das chances desses meninos e meninas pobres aprenderem a andar e disputar na Camaçari do futuro.


Palmatória 5 O mais grave em todo esse processo é constatar que a unidade instalada na Rua do Telégrafo não é mais o ‘primo pobre’ dos programas de inclusão de jovens carentes de Camaçari. Agora se iguala à sua vizinha de logradouro, a outrora rica e gastadora Cidade do Saber. Graças a baixa capacidade de seus novos gestores de trabalharem pela cidade e superarem a imediatista e daninha política miúda do fortalecimento de seus grupos, o equipamento segue o mesmo caminho sem futuro da Casa da Criança.


Números  A eleição do vereador Jackson Josué, para presidente do diretório municipal do PT de Camaçari, e do vice, Bispo da Cultura, apresentou pode até ter registrados  estatística crescente em relação ao pleito de 2014, mas segue longe de mostrar revigoramento do PT de Camaçari.


Números 2 Diferente dos 870 comparecimentos e com disputa de chapas, vencida pelo também edil, José Marcelino, a escolha consensual de domingo (9), somou 1.101 presenças. O crescimento, reconhecem fontes petistas ouvidas pela Coluna, não pode ser identificado como fortalecimento do PT no município. Mesmo com a anistia dada a todos os militantes que puderam comparecer independente dos débitos com as obrigações partidárias, quorum foi baixo. Partido conta hoje com cerca de  3.700 filiados, sendo que cerca de 500 não estavam habilitados para votar por tempo de filiação. Por essa conta, pouco mais de 3 mil estariam aptos a votar, mas apenas cerca de 30% apareceram.


Números 3 Dos 1.101 votos, a chapa do liderado do ex-prefeito e deputado federal Luiz Caetano garantiu 1.069 apoios. Foram registrados 24 votos nulos e 17 brancos.


Números 4 Longe do consenso da municipal, onde  Caetano tem quase que total controle dos grupos decisórios, o quadro ganhou outra conotação na disputa para o diretório estadual. Os caetanistas garantiram 687 votos para a tendência petista EPS (esquerda popular socialista), que tem como  grande liderança no estado o deputado Valmir Assunção.


Números 5 A 2ª mais votada pela militância de Camaçari, com 250 votos, foi a chapa ‘Muda PT’, apoiada pela prefeita Moema, pelo estadual Bira Coroa e pelos federais Pelegrino, Jorge Sola e Afonso Florence. Em 3º lugar, com 117 votos, ficou a chapa da CNB (construindo um Brasil novo), liderada pelo ex-governador Jaques Wagner e pelo federal licenciado Josias Wagner. Até o fechamento da Coçluna, a disputa que definiria a o  nome que ira  substituir Everaldo Anunciação na presidência estadual, seguia embolada por questionamentos eleitorais.


Pecado  Distante dos ensinamentos da ‘Bíblia’ da nova gestão, o alcaide Antonio Elinaldo (DEM) nem precisa dos chamados 'fariseus da oposição'. Divisão entre seu próprio grupo se encarrega de blasfemar o mandato. O mais novo desgaste foi a exoneração após menos de 30 dias da nomeado de Maurício Santa Fé. O pastor-chefe da igreja Comunidade Evangélica da Restituição perdeu o cargo depois de postar fotos de um encontro religioso, semana passada em Los Angeles (Estados Unidos), em sua página no Facebook.


Pecado 2 Nomeado no dia 1º de março, conforme publicação na edição nº 718 do Diário Oficial do Município, e exonerado no DO seguinte (nº 719), Maurício teve direito a receber apenas os cerca de R$ 5 mil referentes ao salário de março. O ex-genro do vice-prefeito, José Tude (PMDB) festejava sua fé, a quase 10 mil quilômetros de distância de Camaçari, onde deveria estar prestando serviço como assessor do prefeito.


Pecado 3 Caso do pastor e importante aliado político é apenas mais um exemplo. Com dificuldade para gerenciar os novos tempos da política sob os holofotes da internet, o governo Elinaldo segue numa velocidade assustadora, juntando pecados que não deveria cometer, e amplificando até pequenas heresias.


Pecado 4 Dividido por grupos hegemônicos encastelados nos seus nichos de poder e gestão, governo se movimenta disforme e geralmente de forma errada, independente do tamanho e da importância dessas fontes de pressão, seja na imprensa, na rua, ou nas redes sociais. O desencontro entre uma resposta para a missão do pastor Maurício e o funcionamento da máquina é apenas mais um deslize abençoado por um governo que completa 100 dias prometendo mudanças e um novo modelo de governança em Camaçari. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


12/4/2017

 





Abismo

Abismo  O governo de Camaçari, comandado pelo alcaide Antonio Elinaldo (DEM), completa 100 dias com uma triste e preocupante marca. Sequer começou a reduzir o passivo dos já cambaleantes programas de políticas públicas na área de assistência social.


Abismo 2 Comandada desde janeiro pela ex primeira-dama do município, Simara Ellery, a Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes) entra em abril desrespeitando a sua própria ‘bíblia’, o Sistema Único de Assistência Social (Suas). Um dos exemplos mais gritantes e com riscos já sentidos na população mais carente é o processo de continuação do descaso com a Casa da Criança e do Adolescente, formalmente identificada como Centro Integrado da Criança e do Adolescente (Cica).


Abismo 3 Vivendo uma grave crise de gestão desde o 2º governo do petista Luiz Caetano (2009/2012), a Sedes seguiu ladeira abaixo com a desastrada administração Ademar Delgado. Responsável por programas como Casa da Criança, atendimento ao idoso (Conviver), populações de rua, banco de alimentos, Bolsa Família, Cras e Creas, a Sedes chegou ao seu limite e começa a entrar num processo perigoso de desconstrução.


Abismo 4  Um desses sinais é a Casa da Criança.  Sem planejamento, apesar da experimentada e competente equipe de educadores e técnicos, unidade sequer realizou matricula para o ano de 2017. Sem aulas e com a crescente redução de profissionais, cursos e atividades para jovens, já que os familiares dos alunos foram descartados do projeto desde o começo da gestão Ademar, a Casa da Criança é exemplo pronto e acabado de desrespeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente.


Abismo 5 Unidade que já chegou a atender cerca de 700 jovens, fechou 2016 com número próximo dos 300 matriculados. Fechada desde março, data limite para reinício das suas atividades, a Casa da Criança cria um vácuo de formação e acompanhamento que empurra para o perigo das ruas mais de uma centena de jovens em situação de vulnerabilidade social.


Abismo 6 O novo governo peca, e peca feio, quando não sinaliza de forma clara a vontade de mudar essa realidade. Com um prefeito filho legítimo, nascido e criado nesse quadro de desigualdade, a nova gestão de Camaçari não pode dizer que não tinha clareza ou não sabia.


Abismo 7 O quadro era de conhecimento do então vereador oposicionista Elinaldo, e de todo o seu grupo de apoiadores, inclusive a atual titular da Sedes. O próprio Camaçarico mostrou a situação de abandono do espaço em várias postagens (Confira).


Abismo 8  Essa herança maldita que deveria estar sendo estancada desde 1º de janeiro, tem nome e endereço. Descuido com todo os programas da Sedes, com destaque para a Casa da Criança, começa com a criação da Cidade do Saber, pelo ex-prefeito Luiz Caetano (PT), em 2007. Unidade até conseguiu resistir nos primeiros anos, mas desmonte se consolida com as gestões Jailce Andrade, já no 3º governo Caetano (2009/2012). Reforço seguiu com a dupla Hélio Santos/Mozart Vivas, comandantes da Sedes na gestão Delgado (2013/2016).


Abismo 9 Tragédia na Sedes não se resume à Casa da Criança. O Conviver, espaço de fortalecimento e saúde de centenas de idosos, está fechado desde o ano passado. A Casa de Acolhimento, programa de atendimento a crianças e adolescentes em situação de rua, deveria estar funcionando desde 2014. Fecha o desolador quadro, o restaurante popular, outra promessa nunca cumprida.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


6/4/2017

 





Desencanto

Desencanto A secretária de educação, professora Neurilene Martins, precisa conhecer o Pomar Encantado, no Parque Real Serra Verde. Depois da greve dos professores e do ataque das abelhas, a escola não conseguiu fechar o ano letivo de 2016. Chegou o novo governo, mas os problemas continuam. Dos outrora 160 alunos da educação infantil (2 a 5 anos), escola conta com 80 matriculados, sendo que apenas metade terá direito a assistir as aulas.


Desencanto 2 Com apenas 1 professor, quando precisaria de no mínimo 3, unidade localizada na Via Cascalheira (BA-331) caminha para longe de qualquer pedagogia. Inaugurada em 2015, escola com área de 8 mil metros quadrados tem como proposta aplicar um programa de educação com reforço na formação da consciência ambiental, identidade histórica, sustentabilidade e interação com o meio ambiente.


Quartinha quebrada E o ex-prefeito e deputado federal Luiz Caetano (PT) desistiu de comandar a lavagem de Arembepe, sexta-feira passada. Prometida e juramentada, segundo fontes da Coluna, festa alternativa terminou suspensa de última hora.


Quartinha quebrada 2 Mesmo insatisfeito com o ‘não’ do companheiro Rui Costa, que cortou a ‘água de cheiro’ necessária para botar o cortejo na rua, Caetano preferiu o silêncio. O único muxoxo foi postado num grupo de WhatsApp. Comportada e sem as digitais do chefe, reclamação lamentava a ausência  de uma resposta à altura, a decisão do alcaide e opositor Antonio Elinaldo (DEM), de não financiar a festa. Comentário culpava apenas a Bahiatursa, como se a estrutura estadual de turismo não cumprisse ordens do governador.


Ginga  Quase R$ 71 mil (R$ 70.800) foi o total de recursos do Fundo de Cultura consumidos só com o pagamento de cachês para o Dia da Capoeira. Comemorações no mesmo ano de 2016, incluindo outras datas calendarizadas, como os dias do Reggae, do Rock, dos Mestres de cultura popular, da Dança, do Teatro, da Capoeira, do Livro e da Fotografia custaram R$ 1 milhão 346 mil.


Ginga 2  As contas foram apresentadas durante reunião do Conselho de Cultura, nesta segunda-feira (3). Desse total, quase R$ 1 milhão (R$ 970 mil) foram usados para bancar as produções dessas datas, enquanto outros R$ 375 mil pagaram atrações.


Lição O vereador e radialista Vaninho da Rádio (DEM) anda desaprendendo os caminhos que o levaram ao Legislativo de Camaçari. Sem explicar o que seria a sua proposta de criação de ‘Dia da Menina’, manifestação de reforço contra a violência, virou piada nas redes sociais. A explicação que deveria preceder a proposta legislativa, chegou atrasada. Já o saudável debate sobre o tema sequer aconteceu. Como gostava de alertar, Chachinha: ‘quem não se comunica se trumbica’.


Imagem  A ex-diretora do Teatro Cidade do Saber (TCS), Elisângela Sena, garante que deixou o cargo no final de janeiro, com todos os equipamentos, inclusive o projetor, dado como sumido pela nova gestão. Sem meias palavras, disse ao Camaçarico que a responsabilidade pela evaporação do projetor deve ser atribuída ao calor da nova gestão, comandada pela secretária Márcia Tude e seu fiel escudeiro, o servidor Bruno Lunelli, responsável pelo teatro durante o período de intervenção.


Saudades  Os colegas do advogado Guilherme Neto estão ansiosos pela sua volta à função de assessor  especial da Superintendência de Trânsito e Transportes (STT). Deslocado para comandar a desastrada intervenção na Cidade do Saber, no final de janeiro, o doutor Guilherme permaneceu no posto por 3 semanas, até perder função com a decisão liminar que devolveu a direção do programa a ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro. Com o fim do ‘Contrato de Gestão’ com a ONG, no último dia 27, e a municipalização do projeto, o antigo interventor já pode reassumir seu posto, sem prejuízo nos seus pouco mais de R$ 9.800 de salário.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


4/4/2017

 





Fumaça

Fumaça  Depois da Arembepe e da Muricy, Camaçari ganha sua 3ª termelétrica. Com potencial de geração de 28 megawatt de energia a partir de 2018, expectativa é de que a usina do grupo Imetame chegue com novos padrões de controle de emissões de resíduos no meio ambiente e barulho na sua operação. Diferente das unidades já instaladas, termelétrica vai funcionar na região de Barra do Pojuca, orla Norte do município e fora da chamada ‘poligonal’ do Pólo Industrial de Camaçari.


Fumaça 2 Técnicos da prefeitura ouvidos pela Coluna, mesmo reconhecendo que as termoelétricas em funcionamento no município ‘estão dentro dos padrões’, consideram seus sistemas antipoluição ineficientes. Lembram que a nova usina, do grupo capixaba Imetame, com negócios na área de exploração petrolífera na Bahia, é projeto antigo.


Fumaça 3 Tanto as termelétricas em operação, como a nova usina usam óleo derivado de petróleo para gerar energia. É justamente o resultado dessa operação que libera para a natureza um composto que possui enxofre na sua estrutura, responsável pelo cheiro forte sentido pela população.


Fumaça 4 A nova usina tem potencial de geração de 28 megawatt (MW), muito abaixo da Arembepe, com capacidade de geração de 150 megawatt e em operação desde 2010, na Via Parafuso, próxima à rotatória Ford, e vizinha ao bairro Novo Horizonte. A Muricy, instalada em 2009 na avenida do mesmo nome, no Pólo Industrial, pode gerar até 148 megawatts.


Fumaça 5 Essas usinas formam o Sistema Interligado Nacional (SIN), que abastece quase todo o país. As termelétricas funcionam apenas quando acionadas por problemas nas redes de transmissão de energia, ou para suprir a carência das usinas hidrelétricas, dependentes de forma direta da capacidade dos rios. 


Desafinados Depois da trapalhada da intervenção, responsável pelo buraco na grade de cursos e atividades, e prejuízo político para o governo Antonio Elinaldo (DEM), o programa Cidade do Saber segue tropeçando pela disputa interna de poder. Queda de braço envolve o novo gestor, Flávio Eduardo, amigo pessoal e indicação do alcaide, e a secretária de cultura, Marcia Tude, filha do ex-prefeito e atual vice-prefeito, José Tude (PMDB). A Coluna apurou que a disputa envolve cargos e até a manutenção de parte da herança de técnicos da antiga gestão do programa.


Desafinados 2  Uma das vítimas dessa falta de conhecimento, de planejamento e divisão interna dos novos donos do poder municipal é a Orquestra Pró-Sinfônica de Camaçari. Desde o ano passado que os cerca de 40 músicos aguardam a retomada de tão importante projeto de inclusão de jovens carentes do município. Longe dos ensaios, sem regente e sem a indispensável bolsa-ajuda mensal, que varia de R$ 380 a R$ 580, os cerca de 40 músicos aguardam ansiosos o acionamento dos refletores e o mágico toque da batuta do maestro.  


Desafinados 3 Fina flor do processo de construção e fortalecimento da cultura de Camaçari, a Orquestra Pró-Sinfônica representa um investimento inferior a R$ 30 mil mensais, qualquer coisa parecida com o gasto do município com salários de 4 assessores.

 







Contramão Expelida depois de 10 anos no comando do programa Cidade do Saber, a ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro continua aprontando. A Coluna postada na terça-feira (28) exibiu a denúncia da venda ilegal de veículos pertencentes ao programa bancado com dinheiro do município (Confira). Mesmo retirado imediatamente após a publicação da denúncia, anúncio pode ser comprovado. Para que não restem dúvidas o Camaçarico exibe ao lado a imagem do veículo na página do site OLX, onde é anunciado para venda.


Contramão 2 O esquema que funcionários do programa asseguram ser queima de patrimônio público, não ficou no caminhão Ford usado para transportar o baú do programa Ponto Móvel. O automóvel modelo corsa, ano 2012, placa NZR-9893, foi vendido em janeiro. A nova gestão também está encontrando situações inusitadas, como computadores sem HD (memória), e o sumiço  do projetor do teatro, ferramentas, transformadores e material esportivo.


Painho  Diferente dos anos anteriores, a edição 2017 da lavagem da igreja de São Francisco de Assis, padroeiro de Arembepe, terá apenas o ex-prefeito e deputado federal, Luiz Caetano (PT) como puxador e guia.


Painho 2 Além da previsão de tempo chuvoso, manifestação marcada para o final da manhã desta sexta-feira (31) perdeu o brilho depois da retirada do apoio financeiro da prefeitura. Município alegou falta de recursos para manter o tradicional calendário de 4 dias da festa de encerramento do verão da Bahia.


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


30/3/2017

 

Clique na imagem para ampliar




Container

Container  Se não houver nenhum abalroamento de caçambas compactadoras, a licitação do lixo de Camaçari, estimada em mais de R$ 80 milhões, acontece na manhã do próximo dia 19 de abril. Como mostrou o Camaçarico, processo vem se arrastando desde o começo do ano passado (Confira). Já sob a influência do grupo político vencedor das eleições municipais, a nada cheirosa novela para o bolso do contribuinte e para a saúde da cidade ganhou novo capítulo (Confira). 


Container 2 Travada, a licitação caminhou para o confortável processo emergencial capitaneado pelo novo alcaide, Antonio Elinaldo (DEM). Mesmo sob o manto da transparência, processo de escolha da empresa que cumpre o contrato emergencial de 3 meses, deixou sinais de lixo debaixo do tapete. Vencedora do certame baseado no menor preço foi justamente a Naturalle Tratamento de Resíduos Ltda, empresa do filho do ex-governador Paulo Souto, mesmo partido do alcaide.


Container 3 Se não houver colisões entre os grupos, licitação sai. Caso contrário, a Naturalle, que pode concorrer na licitação do dia 19,  terá seu contrato emergencial renovado por mais 3 meses, como manda a Lei. Empresa recebe mensalmente R$ 5 milhões e 800 mil, ou total de R$ 17,4 milhões por 90 dias. Com histórico de trombadas por tão precisoso serviço, Coluna voltou ao tema em janeiro (Confira).


Sabida Mesmo fora do comando do programa Cidade do Saber, desde a manhã de segunda-feira (27/3), a ONG Instituto professor Raimundo Pinheiro segue queimando patrimônio do município. É o que mostra o site de compras e transações. Por R$ 51 mil está sendo anunciado o caminhão Ford, placa JSH-3762, ano 2009 (Confira). Com preço cerca de 20% abaixo do valor de mercado, segundo pesquisa da Coluna, veículo usado para transporte do baú do programa Ponto Móvel, tem 41 mil quilômetros. Também foi para a fogueira o automóvel modelo corsa, ano 2012, placa NZR-9893.


Sabida 2  A Coluna apurou junto a funcionários que os veículos, mesmo documentados como propriedade da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, integram o patrimônio do programa municipal. Mantida quase que na sua integralidade com recursos do município, a Cidade do Saber recebia ajuda financeira para aquisição de equipamentos destinados ao programa, dizem essas mesmas fontes.


Sabida 3 Gerindo a Cidade do Saber desde a sua criação, em 2007, ONG perde ‘Contrato de Gestão’ com um currículo nada abonador. Nestes 10 anos de vida, já que foi criada  para gerir a Cidade do Saber, ONG administrou cerca de R$ 70 milhões recebidos dos cofres de Camaçari. Sai com uma conta nada pequena de problemas com a Justiça.


Sabida 4 A ex-diretora da Cidade do Saber e presidente da ONG, Ana Lúcia Alves da Silveira,  enfrenta processo provocado pelo Ministério Público Estadual (MPE), que cobra a devolução de R$ 20 milhões por gastos indevidos. A decisão da Vara da Fazenda Publica de Camaçari foi notícia no Camaçarico de 16 de dezembro (Confira).


Sabida 5 ONG também enfrenta ações no Ministério Público Federal (MPF), com investigações da Polícia Federal em andamento, e Ministério Público do Trabalho (MPT), por atropelar a legislação trabalhista.


Retorno  A deputada Luiza Maia (PT) não quer ficar sem mandato e já planeja se candidatar a vereadora por Camaçari, seu domicílio e principal base eleitoral, nas eleições de 2020. Declaração da parlamentar foi dada ao site Bahia.ba. Luiza, que vive seu 2º mandato, tem dito que não disputará a renovação da vaga na Assembleia Legislativa, em 2018. Para ela, a função parlamentar não é eterna e precisa ser renovada com troca de lideranças. Para reforçar  essa convicção, a deputada tem enfrentado números decrescentes na disputa. Foi eleita pela 1ª vez em 2010 com quase 80 mil votos, sendo 24.605 votos em Camaçari. Já na 2ª disputa, em 2014, perdeu quase 40 mil apoios. Obteve pouco mais de 42 mil votos no estado e 15.269 votos em Camaçari, sua principal base.


Retorno 2 É visível a queda de popularidade da deputada Luiza Maia. Além de situações desconfortáveis durante eventos públicos, como o recente lançamento da duplicação da Via Cascalheira, Luiza não consegue repassar votos. Elegeu em 2012 o seu sobrinho Otaviano Maia, com 1.587 votos, último lugar na coligação. Já nas eleições do ano passado a jovem liderança petista somou 1.207 votos e ficou de fora do Legislativo.


Retorno 3 Vereadora de Camaçari por 3 mandatos (1983/1988, 2005/2008 e 2009/2012) e presidente do Legislativo Municipal (2006-2008 e 2009-2010), Luiza não esconde a vontade de disputar a sucessão do prefeito Antonio Elinaldo (DEM), como sua principal aposta. Caso consiga ser candidata, não será a 1ª vez. Luiza Maia tentou o cargo nas eleições de 1988, mas foi derrotada pelo hoje vice-prefeito e também com 3 passagem pelo comando do município, José Tude (PMDB). 


Retorno 4 Fontes petistas ouvidas pela Coluna acreditam que dificilmente conseguirá seu objetivo diante da vontade do seu ex-esposo e líder político do grupo. O deputado federal e 3 vezes alcaide do município, Luiz Caetano (PT), tentará vingar a derrota que sofreu nas eleições para prefeito em 2016. Também na fila e pronto para a missão, o vereador Téo Ribeiro, decano com 5 mandatos legislativos, filho de vereador e nativo.


Proteção O Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd) chega aos 138 alunos da Escola Zumbi dos Palmares. Localizada na Via Cascalheira (BA-331), unidade municipal vai receber palestras sobre os riscos das drogas e medidas de prevenção. O Proerd é gerido em Camaçari pela Polícia Militar. Parceria foi fechada entre o tenente-coronel Henrique Melo, comandante do 12º BPM, e o líder religioso do terreiro, Tata Ricardo Tavares. Segundo a PM, desde 2007, quando foi implantado no município, o programa beneficiou mais de 6 mil alunos do ensino fundamental. 


Red bull E o peixe das cerca de 25 mil famílias carentes de Camaçari ganhou asas e voou para longe da Cesta de Páscoa. Projeto bancado pelo município até o ano passado, segue sem sinais de que será mantido. 


Confira todas as Colunas acessando o link    http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


28/3/2017

 





Sem paixão

Sem paixão Mesmo faltando apenas 22 dias para a Sexta-Feira Santa, comemorada neste ano no dia 14 de abril, as cerca de 100 mil pessoas atendidas pelo Bolsa Família em Camaçari ainda sonham com o peixe da Cesta de Páscoa. Benefício distribuído todos os anos pela prefeitura segue sob o manto do mistério.


Sem paixão 2 Funcionários da prefeitura ouvidos pelo Camaçarico acreditam que não existe mais tempo hábil. Já se esgotaram os 30 dias mínimos de prazo para montar toda a logística, lembram. Sob a condição de anonimato informam que a secretaria de desenvolvimento social (Sedes), responsável pela operação, não definiu calendário de entrega dos cupons, muito menos as equipes e os locais de distribuição das cerca de 25 mil cestas.  


Sem paixão 3 Confirmada a suspensão, o alcaide Antonio Elinaldo (DEM) se afasta do prometido e mostra que está longe de montar uma receita mínima capaz de agradar boa parte dos seus eleitores. A fórmula de contenção de gastos, com cortes de benefícios na faixa mais necessitada da população, não é nova. Foi aplicada pelo antecessor Ademar, que fechou seu último ano de governo sem distribuir o peru de Natal dos servidores e a cesta natalina dos beneficiários do Bolsa Família.


Sem paixão 4 Formada por peixe, dendê, leite de coco, feijão fradinho, feijão carioca, arroz, farinha de mandioca e açúcar, as cerca de 25 mil cestas têm custo total estimado em cerca de R$ 1 milhão para os cofres de Camaçari.


Motosserra O Horto de Camaçari acaba de sofrer mais uma agressão. Invadido na madrugada da última terça-feira (21), espaço que já funcionava em condições precárias, perdeu parte dos poucos equipamentos que ajudavam a manter sua sobrevivência.


Motosserra 2 Sem vigilância desde o final do ano passado, Horto é exemplo da falta de rumos e vontade política de assegurar um programa de educação ambiental para os estudantes de um  município com sérios problemas ambientais. Mesmo ignorado pelo alcaide Ademar Delgado, espaço vinha conseguindo manter um programa mínimo de oficinas de educação ambiental e reciclagem, beneficiando alunos de escolas públicas e da rede particular do município.


Motosserra 3 Criado em 1976, Horto de Camaçari vem perdendo área para vizinhos gulosos e até para o poder público. Da sua dimensão original, estimada em cerca de 80 mil metros quadrados, o centro de preservação botânico viu seus limites serem reduzidos nas últimas 3 décadas, com a construção de casas e ampliações de quintais limites com o equipamento. 


Motosserra 4 A última agressão, em 2012, decepou cerca de 10 mil metros quadrados e mais de 100 espécies. A justificativa foi a construção da nova ligação entre a Rua do Telégrafo e a Radial A, e a praça da Simpatia. 


Confira todas as Colunas acessando o link   http://www.camacariagora.com.br/camacari.php


João Leite – Editor 


23/3/2017

 





Emergência

Emergência O vereador licenciado e secretário de saúde, Elias Natan (PR), pode ser a 1ª baixa da gestão Antonio Elinaldo. A Coluna apurou que o auxiliar não está conseguindo aplicar na gestão da Sesau o tratamento que o governo imaginou. Natan, Elinaldo, o secretário de governo e ex-prefeito, Helder Almeida, e diretores da Sesau participaram de longa e tensa reunião encerrada na tarde desta segunda-feira (20).


Emergência 2 Caso não seja possível um ‘curativo’ que permita estancar a situação sem avançar para urgência, com a saída de Natan, o comando da Sesau pode até permanecer com o PR. A odontóloga Cristiane Bacelar, presidente municipal da legenda e irmã do deputado federal João Carlos Bacelar (PR), aparece como cotada. A doutora Cristiane foi candidata a vereadora e somou 921 votos. Lista de pretendentes conta ainda com os médicos Luiz Duplat, atual subsecretário; e Arthur Sampaio, diretor de média e alta complexidade da secretaria.


Emergência 3 Apesar das estreitas ligações com o ex-prefeito Caetano, Natan conseguiu atravessar toda a campanha de reeleição sem arranhões e necessidade de descer do muro. É justamente esse histórico caetanista, diagnosticado como um cisto incômodo e perigoso na máquina da Sesau que o grupo de Elinaldo quer extirpar.


Emergência 4 Reeleito com 1.679 votos, o Doutor Natan, como é conhecido pelos eleitores/pacientes, assumiu a pasta no início da gestão. Sua vaga na Câmara de Vereadores está sendo ocupada pelo advogado Anilton Jose Maturino dos Santos, o Niltinho, do mesmo partido e eleito 1º suplente da coligação com 1.333 votos.


Emergência 5 Lista de secretários com diagnósticos considerados abaixo do esperado não se encerra com o doutor Natan. 


Tabuleiro O produtor e diretor teatro, Bispo da Cultura, sai da condição de sonhador e começa a apresentar, ainda que pequena, chance ganhar a disputa pela presidência do diretório do PT de Camaçari. Com o apoio dos deputados Bira Coroa (estadual), da Democracia Socialista (DS), e Nelson Pelegrino (federal), líder da Esquerda Democrática Popular (EDP), Bispo engrossa o pescoço na disputa com o vereador Jackson Josué, candidato apoiado pelo ex-prefeito e deputado federal Luiz Caetano. 


Tabuleiro 2 Enquanto Bispo busca o apoio da base,  através dos movimentos sociais dos segmentos  racial e de cultura, Jackson segue costurando por cima. Também conta com o aval do deputado federal e líder da tendência petista EPS (Esquerda Popular Socialista), Valmir Assunção, e da CNB (Construindo um Novo Brasil). Outro apoio confirmado é do também congressista, mas  licenciado para o cargo de secretário de relações institucionais do governo Rui Costa, Josias Gomes.


Tabuleiro 3 O Processo de Eleição Direta (PED) acontece dia 9 de abril, quando serão eleitos 44 membros do diretório, sendo 22 titulares. Quem eleger mais membros indica o presidente. É desta lista que saem os 7 nomes que comporão a executiva. 


Boa notícia O Jornal da TV Câmara de Camaçari voltou. Agora apresentado pelo jornalista Gil Santana, noticiário de 15 minutos é exibido de segunda a sexta, às 13h. Com cobertura dos trabalhos legislativos e acontecimentos da cidade, programação do canal 53 ainda tem tamanho ‘P’ para uma cidade ‘G’ como Camaçari.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


21/3/2017 Atualização às 12h31

 





Home care

Home Care  Preocupado com o futuro da família nesses tempos de adoecimento econômico e desemprego, o deputado federal e ex-prefeito de Camaçari, Luiz Caetano (PT), agiu rápido e assegurou logo o remédio para imunizar os seus. É o que mostra o Diário Oficial do Estado (DOE) de 11 de março, onde aparece nomeada a sua cunhada, Gilza Souza dos Santos, para a função de coordenadora do Hospital Geral de Camaçari (HGC).


Home Care 2  A farmacêutica e irmã da sua esposa não é a única indicação do atual núcleo familiar de Caetano. A amiga da doutora Ivoneide Souza, Jeane Claide Pinheiro, também está devidamente  medicada. No mesmo DOE ela aparece nomeada para a função de coordenadora, que com a gratificação de diretora administrativa do nosocômio, fechar num salário de cerca de R$ 7 mil. 


Home Care 3  Farmacêutico por formação, Caetano não esqueceu a regrinha básica de fazer a fórmula completa. Também acomodou seu enteado Ramon de Souza numa estrutura ligada à Embasa. A montagem do receituário foi antecipado pelo Camaçarico de 18 de janeiro (Confira).


Desconectada A prefeitura segue precisando de um empurrãozinho para verificar o que todos os munícipes enxergam. A limpeza da fonte luminosa da praça Desembargador Montenegro é o mais novo exemplo. Como admitiu o próprio ouvidor do município, serviço de limpeza e manutenção do equipamento só começou a ser realizado depois que uma munícipe denunciou nas redes sociais. Descaso com o outro espaço central da cidade foi mostrado pelo Camaçarico de 7 de março. Na nota ‘Tour’, a Coluna denunciou a sujeira e a falta de manutenção da fonte de águas da praça Abrantes (Confira).


Versão  O ex-presidente do PT de Camaçari, Fábio Pereira, nega intenção de colocar seu nome como pré-candidato a deputado estadual, como informou a Coluna (Confira). Diferente da gentileza da conversa com o editor e colega, já que também é jornalista diplomado, apesar de não labutar com a notícia, Fabão, como costuma e gosta de ser chamado, preferiu outro tom ao se dirigir à militância do partido.


Versão 2 Em nota postada num grupo seleto do WhatsApp, que a Coluna teve acesso, Fabão informa aos companheiros e companheiras que: ’A citação ao meu nome como eventual postulante à candidatura de deputado estadual na coluna Camaçarico não passa de invencionice e jornalismo de fantasia. Fiz o registro para o jornalista responsável pela matéria.”


Versão 3  Sempre longe da invencionice e do jornalismo de fantasia, por princípio do editor e respeito ao leitor, o Camaçarico reafirma que Fabão andou sinalizando a pretensão de disputar uma vaga na Assembleia Legislativa.


Continha A Coluna errou ao atribuir à deputada estadual Luiza Maia (PT) um 3º mandato. Na verdade a parlamentar foi eleita pela 1ª vez em 2010, e reeleita em 2014. Luiza tem dito que não pretende renovar o mandato. Quem soma 3 eleições (2007/2010/2014) para a Assembleia Legislativa é o seu companheiro de partido, Bira Coroa.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


17/3/2017

 





Maratona

Maratona  Depois da 2ª derrota em Camaçari, o governador Rui Costa corre atrás do prejuízo e assina ordem de serviço para a duplicação da Via Cascalheira. Diferente do que imagina a maioria da população, sempre informada pela metade, construção da 2ª pista de ligação entre a Via Parafuso (BA-535) e a Estrada do Coco (BA-099) só terá cerca de 2 quilômetros nesta 1ª etapa. Os outros cerca de 11 quilômetros, a partir da localidade de Machadinho, em direção a Jauá, ficarão para ou novo momento. 


Maratona 2 De olho na disputa pelo 2º mandato, Rui sabe que não pode mais perder em Camaçari. Anuncia uma obra que não iria fazer e até chegou a assegurar que duplicação estaria no conjunto de obras de contrapartida com a Concessionária Litoral Norte (CLN) que em troca mudaria o pedágio da região de Jauá para o limite do município com Lauro de Freitas. Essa era a proposta defendida pelo governador, em janeiro de 2015, durante o lançamento da Via Metropolitana Camaçari-Lauro de Freitas (Confira).


Maratona 3 Único aplaudido durante o ato de segunda-feira (13), em Camaçari, Rui precisa passar a borracha no passado e recuperar o prejuízo na principal base eleitoral da grande Salvador. Graças a contribuição decisiva do fogo amigo do grupo do então ex-prefeito Luiz Caetano, Rui foi derrotado em Camaçari para o candidato demista Paulo Souto, na disputa em 2014. Racha com o então prefeito, sua criatura e depois adversário político e desafeto pessoal, Ademar Delgado, a partir do final de 2014, contribuiu para ampliar ainda mais o fosso entre o projeto de 4º mandato de Caetano no comando do município. Mais uma vez a derrota pesou sobre os ombros de Rui.


Maratona 4 Derrota nas eleições municipais do ano passado sacramentaram o fim do comando de 12 anos na gestão da rica e estratégica Camaçari. Muito mais que gerir o município sede do maior complexo industrial do hemisfério sul, deixou escapar a chave de uma das maiores arrecadações capazes de assegurar um poder de manobra política só comparado à capital. É essa equação que Rui agora tenta resolver, iniciando a Cascalheira, melhorando o Hospital Geral de Camaçari (HGC) e fazendo nascer a maternidade, filho prometido desde 2013. 


Déjà vu   E a gestão do alcaide Antonio Elinaldo (DEM) caminha para fechar o 3º mês sem apresentar a tão alardeada auditoria sobre os desmandos do governo Ademar Delgado (sem partido), e do seu antecessor e criador, o deputado federal Luiz Caetano (PT). O que se viu até agora foram raras imagens da herança do lixo nas ruas, exibidas em preto e branco durante a propaganda do IPTU. Nada mais sobre o descalabro que o atual governo diz ter encontrado o município. A Feira de Camaçari segue sendo reformada, mas sem a apresentação para a sociedade de um projeto completo e consistente. Sem apresentar um balanço consistente de como encontrou escolas, unidades de saúde e outros equipamentos, gestão Elinaldo deixa a estranha sensação de que dá continuidade ao governo passado.


Pendurado O ex-alcaide Ademar ainda não é oficialmente considerado ‘Judas’ pelo governador. Presente ao ato de anúncio da duplicação da Via Cascalheira, e nominado por Rui Costa, Delgado, mesmo vaiado, ganhou o benefício da dúvida. O governador aproveitou para comunicar que aguarda as movimentações do ex-prefeito, para só então oficializar a sua queima em praça pública como traidor.


Pendurado 2 Mesmo pronto para queima, em Camaçari, Delgado tem uns votinhos pelo estado e na região de Wanderlei, terra onde nasceu e tem família com tradição política. Diferente de Camaçari, lideranças sempre ávidas pelo apoio do alcaide do município rico, e velhos conhecidos do reduto localizado no extremo Oeste Baiano não têm do que se queixar do generoso conterrâneo. 


Vitrine  Depois do vereador Téo Ribeiro e do também petista e edil de Camaçari, Jackson Josué, a lista de pré-candidatos a deputado estadual engorda com o nome de Fábio Pereira. Ex-presidente do PT municipal e nome de confiança da corrente CNB (Construindo um Novo Brasil), Fabão, como é conhecido na militância, começa a correr estrada.


Vitrine 2 Apesar do preparo e até vontade e apoio da militância, Fabão terminou rifado em favor do sobrinho-filho da deputada Luiza Maia, Otaviano Maia. Eleito na rabeira em 2012 e com a carreira de vereador encerrada nas urnas do ano passado, derrota de Otaviano abre espaço para Fabão receber o tão sonhado apoio dos padrinhos. É casado com a sobrinha-filha da deputada estadual Luiza Maia (PT), ex-esposa e fiel aliada do 3 vezes prefeito, o deputado federal Luiz Caetano. Mesmo sob silêncio obsequioso, Fabão mira o legado, ainda que minguante da ‘tia’ que promete encerrar carreira na Assembleia Legislativa em dezembro de 2018, depois de 3 mandatos.


Vitrine 3 Diferente dos supostos concorrentes, Téo e Jackson, Fabão se apresenta como o novo e com a experiência de formulador, ingredientes positivos para representar com mais propriedade o discurso da reconstrução do PT. Também no páreo, mas com votos em processo de evaporação na mesma base Camaçari, o deputado Bira Coroa corre atrás do prejuízo com a busca de novos redutos. 


Juras  Quem voltou a Camaçari foi o cantor Chitãzinho. O irmão e companheiro de dupla de Xororó não veio cantar. Apresentou uma nova versão para seu velho sucesso imobiliário ‘Evidências’. O empreendimento foi lançado durante encontro com o então alcaide Ademar, em maio passado, com promessa de início da 1ª etapa até o final de 2016 (Confira).


Juras 2 Agora, sob os aplausos do novo prefeito, Chitãozinho repete a cantoria e promete colocar na real o condomínio de moradias e lotes no Jardim Limoeiro, próximo ao Hospital Geral de Camaçari (HGC).


Juras 3 Encantado com tão ilustre visita, o prefeito Elinaldo perdeu uma boa oportunidade de, no clima sertanejo e descontraído do encontro, na tarde de segunda-feira (13), exigir garantias para a efetiva realização do empreendimento. Bastaria declamar, ou quem sabe até cantar um trecho da música que dá nome ao projeto: “Diz que é verdade, que tem saudade, que ainda você pensa muito em mim. Diz que é verdade, que tem saudade, que ainda você quer viver pra mim.”  


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


14/3/2017

 





Maquinista

Maquinista Parece que a tão esperada reforma e transformação de prédios antigos localizados no centro de Camaçari, em equipamentos de memória, cultura e lazer vão ficar para 2018. Processo de tombamento antiga estação de trens, do prédio do cinema, e da sede do poder municipal (Prefeitura e Câmara de Vereadores) deve se arrastar até o final deste ano.


Maquinista 2 A reforma desses patrimônios poderia ocorrer em paralelo ao burocrático processo de coleta de material fotográfico, bibliográfico e realização de outros estudos necessários para a montagem do dossiê. Documento que irá fundamentar o tombamento terá o aval  do Conselho Municipal de Cultura de Camaçari (CMC) e da Câmara de Vereadores. 


Maquinista 3 Se comportando mais como vagão que locomotiva, o alcaide Antonio Elinaldo (DEM) segue ajudando a atrasar a visibilidade das ações do seu próprio governo ao não impor prazos curtos para o viável processo de recuperação da memória e embelezamento do centro de Camaçari. 


Maquinista 4 Como mostrou com exclusividade o Camaçarico de 7 de fevereiro (Confira), os projetos para os 3 imóveis foram iniciados em 2015 e devem representar um investimento de R$ 5 milhões. Diferente dos projetos de recuperação do cinema e da antiga sede do Executivo e Legislativo, que precisam ter seus valores revisados, a reforma e transformação da estação de trens em equipamento de memória e cultura podem começar e ser concluída ainda em 2017. Com estudos totalmente concluídos, exigindo apenas ajustes e detalhes, projeto apresenta o menor custo, cerca de R$ 340 mil, e possui cronograma de obras mais curto e facilmente executado nos próximos meses.


Maquinista 5 Mesmo anunciando novos tempos, a Câmara de Vereadores de Camaçari segue descarrilhada das ações de resgate da memória da cidade. Mesmo convidados, representantes do povo não compareceram para o ato de notificação do tombamento do centro antigo da cidade, quinta-feira (9), no auditório da prefeitura.


Maquinista 6 Nem o vereador Zé do Pão (PTB), eleito com o apoio do grupo do ex-prefeito e atual vice, José Tude (PMDB), pai da titular da Secult e coordenadora do projeto, Márcia Tude, deu o ar da graça. Do lado do alcaide, a ausência também foi total. Nenhum vereador ou secretário prestigiou o ato. Diferente dos chapas brancas, solenidade contou com as presenças de representantes do grupo Umuarama, formado por antigos moradores da cidade, e integrantes do Conselho de Cultura. 


Dúvida  A Coluna quer saber se a prefeitura de Camaçari já comunicou formalmente o desejo de não renovar o ‘Contrato de Gestão’ do programa Cidade do Saber, com a ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro. Com vencimento no próximo dia 27 e validade de 2 anos, documento determina na Cláusula Décima, parágrafo 1º que: “A rescisão do Contrato de Gestão será precedida obrigatoriamente de processo administrativo, assegurados à Organização Social o contraditório e a ampla defesa”. 


Chuvisco  A TV Câmara (canal 53) segue praticamente sem programação. As 4 produções locais produzidas pela equipe de profissionais do município estão fora do ar. Sem o jornal e os programas de debates, esportes e nenhuma informação sobre os novos representantes do povo, emissora se resume a flashes e reprodução de produtos de outras emissoras.


Ação  Um grande seminário sobre planejamento urbano, com a participação de técnicos da UFBA e especialistas de Camaçari e outras cidades, deve ser a 1ª grande ação do Instituto Joanice Bacelar Batista (JOB). Mesmo dirigido pelo presidente municipal do PTN, Maurício Bacelar, o JOB não será uma estrutura partidária. Segundo Maurício, que é filho da professora Joanice, o instituto que leva o nome da respeitada educadora,  professora, ex-diretora de escolas do município, e ex-secretária de educação, sinaliza um trabalho amplo e de contribuição para a melhoria da qualidade de vida da cidade.


Ação 2 Localizado no Phoc 2, instituto será inaugurado neste sábado (11), com uma feira de saúde. O foco na educação será outra marca do JOB que prepara um serviço de reforço escolar para jovens da comunidade com a realização de ‘banca’. Acompanhamento com professores colaboradores deve beneficiar cerca de 40 alunos por turno. 


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


10/3/2017

 





Impedimento

Impedimento Com 20 atletas para atender, e quase nenhum pulmão para gritar em defesa da moralidade com os gastos do contribuinte, o presidente do Legislativo de Camaçari, vereador Oziel Araújo (PSDB), terminou ficando no impedimento e levou cartão amarelo. Ao insistir na aplicação do reajuste dos vencimentos dos vereadores, o tucano se instalou na chamada ‘linha burra’, diferente de seu companheiro de coligação e gestão, o alcaide Antonio Elinaldo (DEM).


Impedimento 2 Mesmo demonstrando pouca habilidade com o gramado da gestão pública e amarrado pelos acordos com os cartolas da política e dos muitos outros negócios, Elinaldo escapou dessa bandeirinha ao suspender a aplicação da imoral e escandalosa jogada. Manteve os R$ 16.811 recebidos pelo antecessor Ademar Delgado (sem partido). Também congelou os salários do vice José Tude (PMDB) R$ 15.411, e dos secretários (R$ 14.897).


Impedimento 3 Decisão do juiz Cesar Borges, da Vara da Fazenda Pública de Camaçari, não apenas retroage para os R$ 10.021,17 pagos aos vereadores até o final do ano passado. Com o aumento ilegal que inflou os subsídios para R$ 12,599,62, os agora 21 vereadores terão de devolver pouco mais de R$ 5.100 recebidos a mais nos meses de janeiro e fevereiro deste ano.


Cofrinho A chamada Zona Azul deve começar a funcionar até o final do ano em Camaçari. Sistema de cobrança de estacionamento de rua já está em estudo pela Superintendência de Trânsito e Transportes de Camaçari (STT). Previsão é de que o projeto em fase de conclusão seja enviado ainda neste 1º semestre para a Câmara de Vereadores. Em seguida será aberta a licitação para escolha da empresa que explorará o serviço, já que o município não possui sindicato de guardadores.


Cofrinho 2 A Coluna apurou que proposta do governo é começar pelas praias de Jauá e Arembepe. Só numa 2ª etapa a tarifação de estacionamento de rua será implantada na sede. Levantamento do Camaçarico mostra que região central, formada pelas praças Abrantes, Montenegro, e avenidas Francisco Drumont, antigas Radiais e Eixo Urbano, terá mais de 1.500 vagas.


Cofrinho 3 Empresários ouvidos pela Coluna apoiam a iniciativa. Dizem que organização do estacionamento de carros e motos na região central dá mais segurança, melhora o trânsito e gera empregos para guardadores. Defendem apenas que o preço seja compatível com a realidade do município.


Cofrinho 4 Cálculos iniciais mostram que a tarifa por 2 horas não poderá ser superior a R$ 1,50, metade do valor cobrado pelo mesmo período em Salvador, que adota ainda a cartela de longa duração (6 horas) e a especial para eventos. Agregada à fonte de renda da zona azul, a STT  engorda conta com as multas de R$ 130 que serão cobradas de quem parar na zona sem pagar a cartela ou permanecer na vaga depois dos 15 minutos de tolerância.


Agente  O vereador Jackson Josué caminha para se confirmar como o novo presidente do PT de Camaçari. Apoiado e orientado pelo ex-prefeito e deputado federal Luiz Caetano, Jackson enfrenta em abril, se o consenso não caminhar para a aclamação por um nome único, o petista histórico Bispo da Cultura. A professora kadja Grimaldi, também caetanista de carteirinha, e Edvaldo Junior, assessor do vereador Marcelino, líder municipal da corrente petista Esquerda Democrática Popular (EDP), só ensaiaram.


Agente 2 Candidatura Jackson conta com o apoio de Fábio Pereira, da CBN (Construindo um Brasil Novo) e Ara Brasil, da EPS (Esquerda Popular Socialista). Mesmo identificado como cristão novo na legenda, e sem tradição de debate no chamado campo da esquerda, Jackson atende ao perfil desenhado pelo chefe Caetano para o novo PT.


Agente 3 Líder comunitário do bairro Gravatá, Jackson se elegeu em 2012 pelo PV, mudou para o Solidariedade (SDD) e está filiado ao PT desde setembro de 2015. Jackson sucede Anderson Santos, da EPS, no cargo desde maio de 2016, e o vereador José Marcelino, eleito presidente em novembro de 2013.


Tour O secretário de serviços públicos, Armando Mansur, e a colega de 1º escalão, Joselene Cardim, da pasta de Infraestrutura, precisam comer um acarajé no quiosque da Rosa. Se não gostam da iguaria, ao menos uma passadinha na praça Abrantes será suficiente para constatar o péssimo serviço de limpeza e manutenção do espaço.


Tour 2 Sujeira, pisos quebrados e soltos transformam o movimentado espaço de lazer, integrante do quadrilátero central da cidade, num triste e perigoso cartão postal. Nem a sua grande atração, a fonte de águas, está funcionando. Coluna apurou que equipamento está desativado desde o carnaval.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


7/3/2017

 





Mapa

Mapa  O Verde Horizonte segue campeão de assassinatos, com 4 registros em fevereiro. Bairro localizado na região do estádio Armandão é vizinho do Parque Verde, outro que no mesmo mês contou 2 mortos. Comunidades ficam distantes pouco mais de 2 quilômetros do gabinete do prefeito, do Fórum, da Câmara de Vereadores e do Ministério Público Estadual (MPE). 


Mapa 2 Outro destaque é o Nova Vitória. Com 3 mortes violentas, comunidade próxima do terminal rodoviário e da 18ª Delegacia, também nas proximidades do centro, é figurinha carimbada no álbum baiano da violência. 


Mapa 3 O Jardim Limoeiro, vizinho do Hospital Geral de Camaçari (HGC), aparece com 2 registros. Apenas esses 4 bairros, todos na sede do município, somam quase a metade dos 24 assassinatos computados no mês mais curto do ano. Maioria absoluta dessas vítimas eram jovens negros. 


Mapa 4  Números oficiais divulgados pelo Camaçari Notícias exibem um caminho que os governos do estado e do município continuam enxergando pela ótica tradicional da pura e simples segurança armada. Adoecida, Camaçari segue pedindo outro tratamento ostensivo, só que com ações policiais casadas com programas de redução das desigualdades, coisa que a gestão que começa sequer mostra sinais de que encontrou esse caminho. 


Sabidos  O equívoco e vontade de errar para atrapalhar ainda mais. Assim é como se poderia definir as atuações da interventoria na Cidade do Saber, e da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, antiga gestora do programa. Enquanto os que chegam se enrolam nas estratégias, os que saem buscam piorar ainda mais a vida dos cerca de 120 funcionários do programa.


Sabidos 2 Com a indefinição da nova gestão sobre o futuro do programa, professores, educadores e pessoal de apoio seguem sem perspectivas de emprego, e sem saber quando receberão os salários de janeiro e fevereiro e demais direitos assegurados por lei.


Sabidos 3 Para piorar, a ONG Professor Raimundo Pinheiro se mobiliza de forma tardia para amenizar a situação dos seus empregados. Mesmo habilitada a negociar com o sindicato dos empregados (Senalba) a liberação do FGTS e do seguro desemprego, ONG joga contra. Arma manobra para dificultar a vida dos colaboradores que tanto festejou como principais responsáveis pelo sucesso do programa de apoio a jovens através de cursos de artes e esportes.


Sabidos 4 Só na última quinta-feira de carnaval (23/2) mandou ofício para o Senalba abrindo as negociações que  permitirão a liberação do Fundo de Garantia e o recebimento do seguro que não dependem dos cofres municipais. Já a quitação dos demais direitos trabalhistas como Aviso Prévio, férias, 13º e salários atrasados passam pelo caixa da ONG, responsável pela contratação dos empregados.


Sabidos 5 Mesmo alardeando integração, parceria e total apoio aos seus empregados, ONG tenta mais uma manobra que assegure o repasse, se não total, boa parte do que alega ter direito. Apesar de retidos pela prefeitura, sob a alegação de irregularidades nas prestações de contas apresentadas ao município, recursos podem cair na conta da ONG.


Sabidos 6 A Coluna apurou que a diretoria da ONG orienta liderança dos servidores a convencer categoria a entrar com ação coletiva na Justiça do Trabalho, cobrando do próprio Instituto Raimundo Pinheiro as dívidas trabalhistas. Ainda de acordo com informações passadas ao Camaçarico, um advogado indicado pela ONG se encarregaria de preparar essa ação assinada pelos empregados.


Sabidos 7  Acionada na Justiça do Trabalho, através de processo trabalhista, ONG faz acordo mas não cumpre e é automaticamente executada pelos empregados. Próximo passo é o bloqueio da fatura que a ONG tem a receber da prefeitura, mas está retido por discordâncias entre município e instituto.


Sabidos 8 O movimento aparentemente legal, descamba para o sombrio e apresenta sinais do que se chama no jargão jurídico de ‘Lide Simulada’, que é quando o próprio empregador, no caso a ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, busca com a conivência do empregado, uma situação artificial de disputa para obter vantagem.


Cadeado Não existe erro na indicação de João Batista Rezende de Almeida para a subsecretaria de cultura. Fonte do Camaçarico garante que Batista é cota do 3 vezes prefeito e agora vice, José Tude (PMDB). Confirmação do acordo com o alcaide Antonio Elinaldo (DEM) só reforça Tude, que praticamente tem a Secult com ‘porteira fechada’. A titular da pasta é sua filha e herdeira política, Márcia Tude.


Cadeado 2 Batista é servidor e andou licenciado para outras missões fora do município, inclusive na disputa da vice-prefeitura de Rodelas, pelo PMDB, em 2008. Mesmo no cargo e com salário de sub, quem se apresenta como titular do posto é o advogado Luciel Neto, indicado pelo vereador Jorge Curvelo (DEM). Com o título ‘camarote’, Coluna mostrou a estranha situação na edição de 21 de fevereiro (Confira). 


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


3/3/2017

 





Analógico

Analógico  A gestão do alcaide Elinaldo segue apanhando feio nas mídias sociais. Mesmo consciente de que as mudanças não se processam em 60 dias, população cansada dos desmandos dos governos passados vive a era da verdade na palma da mão. Como tudo nesses novos tempos, as soluções também exigem muito mais velocidade e transparência.


Analógico 2 A falta de projetos para a Feira de Camaçari e a indefinição no programa Cidade do Saber são imperdoáveis. O alcaide também poderia evitar os escorregões das licitações e nomeações de apaniguados, só para ficar nesses exemplos. Pelo visto, o governo do demista não se preparou ou sequer tinha real convencimento da necessidade da mudança que prometeu, e as implicações de processo necessário de ruptura em sua base aliada.


Analógico 3 Quase imóvel, não anuncia mudanças, muito menos acomoda correligionários, hoje distantes na sua defesa nos teclados das redes sociais. Desgaste, reforçado pela omissão de sua tropa, alimenta e empodera os adversários derrotados justamente pelos erros que agora tanto critica.


Analógico 4 Preocupado com a chamada governabilidade, não sabe como tratar essas bases e segue a velha fórmula de atender apenas as chamadas elites do poder. Basta conferir a lista dos ‘de sempre’ no Diário Oficial. Boa parte não serviu apenas aos hoje aliados Tude, Ellery e Helder. Também estavam encastelados nos governos dos opositores do petista Luiz Caetano e Ademar Delgado (sem partido). 


Analógico 5 Apesar dos problemas iguais aos antecessores, como processos de imorais de contratações emergenciais e de aliados, Elinaldo apanha mais rápido. Parece que não identificou que o 2017 dos celulares, smartphones e tablets está distante ‘anos luz’ da realidade de 2013, começo da gestão Ademar. Antes, o conforto era ainda maior. Nos governos Caetano, praticamente sem rede de computadores pessoais, portanto com menor pressão da população sobre os meios de comunicação e sobre o próprio governo, o controle das mídias tradicionais era suficiente para manter o conforto da informação filtrada.


Analógico 6 Agora é diferente. Felizmente mudou tudo. Conectada e em crescente processo de vacinação contra a corrupção e exigindo gastos justos do dinheiro público, eleitor não permite mais uma gestão que não seja séria e transparente e apresente soluções rápidas.


Aleijão  A velha prática de usar a máquina pública, comum nos governos dos  antecessores, segue firme e sem retoque na gestão elinaldo. A mais recente demonstração de mistura do público com o privado foi a festa de entrega da ambulância do SAMU-192.  As mesmas fotos, produzidas pela prefeitura, foram distribuídas pelo município e pela assessoria do deputado federal Paulo Azi (DEM), padrinho da gestão. 


Fui Já é carnaval, cidade. Camaçarico só em março.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


23/2/2017

 





Camarote

Camarote Afinal de contas, quem é o subsecretário de cultura de Camaçari, e quem o indicou para o posto. O advogado Luciel Neto foi anunciado, mas o nome que oficialmente ocupa o cargo e o gordo salário é o servidor João Batista Rezende de Almeida. Segundo fontes da prefeitura ouvidas Coluna, ocorreu um ‘erro’ que será corrigido.


Camarote 2 Enquanto o alcaide Antonio Elinaldo não corrige o ‘erro’, que fecha o 2º mês neste fevereiro carnavalesco e de poucas mudanças, Neto segue na função de sub, com salário de quase R$ 3.800, e registro no Diário Oficial como coordenador. Já Batista recebe pouco mais de R$ 12 mil e 600 para gerir um programa de apoio a artistas da banda  praieira de Camaçari, na estrutura onde funcionou a antiga prefeitura avançada da Orla.


Camarote 3 A explicação talvez esteja no processo de apadrinhamento. No seu currículo apenas experiência em gestão de ponto comercial de sua propriedade, no Subúrbio de Salvador, e atuação política longe de Camaçari. Desfiliado do PMDB, batista foi candidato a vice-prefeito de Rodelas, pela legenda, nas eleições de 2008.


Camarote 4  Assim como Neto, cota do desprestigiado vereador Jorge Curvelo (DEM), a titular da secretaria de cultura (Secult), Marcia Tude, tem padrinho conhecido. É cota do vice-prefeito e papai, o peemedebista José Tude. 


Trapalhada Quase 1 mês depois de conseguir na Justiça o direito de depositar em juízo os recursos destinados ao programa Cidade do Saber, a nova gestão municipal de Camaçari dá meia volta. Muda de estratégia e  suspende o depósito de R$ 314 mil que deveria ter sido efetuado em conta especial definida pela Justiça. Certidão expedida pela 1ª Vara da Fazenda Pública de Camaçari comprova que até esta segunda-feira (20) o depósito não havia sido efetivado.


Trapalhada 2 Pedido da prefeitura, acatado pela Justiça no dia 25 de janeiro, garantia ao município o direito de depositar em juízo os valores que antes eram repassados diretamente ao programa gerido pela ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro. Decisão foi divulgada pela Coluna de 26 de janeiro, nota 'Ajudinha 4' (Confira). Medida também obrigava a gestão da Cidade do Saber a apresentar as comprovações de gastos.


Trapalhada 3 Arrependidos e com nova estratégia, grupo interventor da Cidade do Saber parece querer ganhar tempo. Atrapalhados nas suas próprias estratégias, fruto do desconhecimento do funcionamento da operação do programa pela ONG Instituto Raimundo Pinheiro, grupo interventor agora tranca tudo.  


Trapalhada 4 Pelo visto, descobriram que tinham poder de reter os repasses, com o não pagamento das faturas sob a  justificativa de erros cometidos pelo instituto. Com isso eles preservam os direitos dos trabalhadores e de prestadores de serviço (fornecedores) de receberem seus direitos através da justiça.


Trapalhada 5 Depois de tanto equívocos, apenas um grupo sai prejudicado. São as centenas de alunos, professores, educadores e pessoal de apoio indispensáveis para a manutenção dos cursos e atividades de artes, esportes e lazer. O alcaide Antonio Elinaldo (DEM) precisa enquadrar sua equipe e assegurar a continuidade do programa.


Fantasia  Sexta-feira de carnaval será o 1º teste do prefeito Antonio Elinaldo (DEM). Não incluiu o 24 de fevereiro no decreto de ‘ponto facultativo’, junto com a segunda (27) e a quarta-feira de cinzas (1/3). É aguardar o movimento dos foliões servidores na contração de sexta no centro administrativo municipal.


Semente  Escolas interessadas em avançar na construção da cidadania de seus alunos têm até quarta-feira (22) para se inscreverem no projeto “Para a Turminha, vantagem é ser honesto. Destinado a escolas públicas ou privadas que possuam estudantes do 1º ao 9º anos do ensino fundamental, projeto do Ministério Público Federal na Bahia pode ser acessado através do site do MPF-BA (Confira). 


Jornalismo A Associação de Jornalistas de Camaçari (Ajorc) solta nota protestando e repudiando as ameaças de morte sofridas pelo jornalista Yuri Almeida, editor do site Badogada. No documento a entidade defende a “liberdade de expressão, manifestações ideológicas". Assegura que "sempre se manifestará contrária a qualquer tentativa de cerceamento do exercício profissional de jornalista”. A Ajorc também assegura seu posicionamento contrário ao jornalista que “estiver exercendo sua profissão desmoralizando os princípios basilares do jornalismo”. Segue a íntegra da Nota distribuída nesta terça-feira (21). 


Nota de Repúdio 


Em nome da democracia e do direito da liberdade de expressão, a Associação dos Jornalistas de Camaçari - AJORC repudia as ameaças sofridas pelo jornalista Yuri Almeida, conforme foram noticiadas no site de autoria do mesmo. 


Independente de concordância política ou não, é premissa de qualquer sociedade civilizada o respeito à liberdade de imprensa. Em pleno Século XXI, na era da comunicação digital e das redes sociais, é inadmissível que um jornalista seja ameaçado de morte em virtude do conteúdo jornalístico do seu site. 


Levantamento realizado pela Fenaj [Federação Nacional dos Jornalistas] mostra que houve 161 casos de violência contra jornalistas em 2016. Com dois assassinatos. Além de 222 registros de ocorrências contra profissionais da comunicação no Brasil. Um aumento de 17, 52% em comparação com o turbulento ano de 2015, no País. 


A Associação dos Jornalistas de Camaçari presa pela liberdade de expressão, manifestações ideológicas e  sempre se manifestará contrária a qualquer tentativa de cerceamento do exercício profissional de jornalista. Da mesma forma se manifestará contrária quando um jornalista estiver exercendo sua profissão desmoralizando os princípios basilares do jornalismo. AJORC – Associação dos Jornalistas de Camaçari


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


21/2/2017

 





Descompromisso

Descompromisso  O retorno da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro ao comando da Cidade do Saber, dcidido por medida liminar da Justiça, complica ainda mais a situação do programa de  apoio a jovens através de cursos e atividades de cultura, esporte e lazer.


Descompromisso 2 Com ‘Contrato de Gestão’  até  o final de março, que seguramente não será renovado pelo atual governo municipal, ONG busca agora o pagamento de cerca de R$ 3 milhões e 200 mil que diz  ter a receber  do município em 2016 e não foi repassado pelo então alcaide Ademar Delgado (sem partido). Como já havia mostrado o Camaçarico, custos estimados com a indenização dos cerca de 160 profissionais, inclusive os bem remunerados diretores, soma algo em torno de R$ 2 milhões e 500 mil.


Descompromisso  3 Atestado como péssima gestora do programa e do dinheiro do contribuinte nos seus quase 10 anos de comando a Cidade do Saber, o Instituto Professor Raimundo Pinheiro apenas ganha tempo e ajuda a complicar ainda mais o desfecho que deveria tomar um rumo satisfatório e natural sem prejuízos para a população.


Descompromisso  4 Decisão judicial de retomar o comando, com a imediata suspensão da intervenção na Cidade do Saber, determinada pelo governo Elinaldo, não assegura o que a cidade quer e precisa. Não adianta, a manutenção dos cursos que beneficiam centenas de alunos e emprega outro grande número de professores, educadores e monitores envolvidos nos diversos cursos e atividades do programa, independente de decisão judicial, será de responsabilidade do novo governo.


Descompromisso   5 Mais uma vez o governo Elinaldo mostra pouca intimidade com a gestão transparente e eficiente da coisa pública ao desprezar a necessidade de planejamento das suas ações. Como a Feira de Camaçari e o serviço de transporte, outra bomba relógio, a Cidade do Saber era problema anunciado e comprovado.


Descompromisso  6 Envolvidos na disputa do comando do programa, as correntes dos ex-prefeitos José Tude (PMDB), atual vice, e Helder Almeida (DEM), secretário de governo, descuidaram do planejamento. Aliados, ex-aliados e novamente juntos no protagonismo do novo governo, grupos não querem abrir mão de controlar um orçamento que nos últimos 4 anos (2013/2016) apresentou uma média anual de R$ 10 milhões. Galinha dos ovos de ouro, gestão da Cidade do Saber movimentou cerca de R$ 70 milhões desde a sua criação, em 2007.


Descompromisso  7 O ex-vereador e agora alcaide, Antonio Elinaldo não pode dizer que não sabia de nada. A série de denúncias feitas pelo Camaçari Agora, sobre a ONG gestora do programa e as irregularidades na Cidade do Saber eram do seu conhecimento. Contou até com sua omissão quando ocupava uma das cadeiras do Legislativo e se rotulava de ‘líder das oposições’. Mesmo integrando o poder corresponsável e constitucionalmente fiscal do ‘Contrato de Gestão’ e do dinheiro público, nada fez para mudar aquela realidade. Sequer esteve na sede da instituição. As suas únicas aparições se resumiram a atividades sociais no teatro e a assembleia dos feirantes, no mesmo espaço, em maio de 2015.


Descompromisso  8 Os erros dos alcaides Luiz Caetano e seu sucessor, alimentadores e trombeteiros de uma grande mentira apoiada pela silenciosa e conivente oposição do município não podem avançar numa conta onde o resultado é conhecido popularmente como trocar ‘6 por meia dúzia’O novo governo errou, e errou feio ao adotar o equivocado sistema de intervenção no programa. Sem conhecer o que estava comandando, hoje prática comprovada em boa parte da atual gestão, terminou ajudando a manter em funcionamento e até ameaçar o futuro de um importante instrumento de fortalecimento da cidadania e de luta da população mais carente no cada dia mais complexo e competitivo mercado de trabalho.   


Descompromisso  9 Gerida por uma ‘elite’, na sua maioria distante geograficamente e sem nenhuma afetividade e respeito a Camaçari, sua história e sua população, a ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro segue apenas querendo assegurar a sua última e derradeira vantagem antes de bater em retirada. Lamentável nesse processo é a presença conivente e silenciosa de figuras ‘camaçarienses’, festejadas e reconhecidas pela sua luta em outras trincheiras em defesa da cidade. 


Descompromisso 10 Só um ingênuo ou mal intencionado ainda acredita numa ONG com currículo tão desabonador. Em quase 10 anos de gestão do programa Cidade do Saber, o Instituto Raimundo Pinheiro até que conquistou prêmios nacionais e internacionais. Mas, seus maiores troféus foram e estão sendo outorgados por estruturas de fiscalização, controle e cumprimento do respeito ao dinheiro público. Além do atestado de ficha suja pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), ONG foi multada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) por desrespeitar a Legislação Trabalhista; é ré na Justiça da Fazenda Pública de Camaçari, por ação do Ministério Público Estadual (MPE). Completa a triste lista de ‘láureas’, a investigação em curso pelo Ministério Público Federal (MPF), por irregularidades na gestão de recursos federais.


Descompromisso 11 O descaso parece ser o forte da Rua do Telégrafo. A vizinha de logradouro, Casa da Criança também segue com calendário de aulas indefinido. As matriculas que normalmente se processam em dezembro (veteranos) e fevereiro (novatos), só serão realizadas em março. Programa de apoio a jovens carentes, muitos em situação de vulnerabilidade social, deve empurrar para abril o início do ano letivo.


Descompromisso 12 Mesmo com governo novo, a secretaria de desenvolvimento social (Sedes), responsável pela Casa da Criança, segue como antes. Com praticamente os mesmos personagens, espaço caminha para repetir o desastre dos últimos anos.


Mico A presidente da ONG e diretora geral afastada da Cidade do Saber, Ana Lucia Alves da Silveira, passou aperto na manhã desta sexta-feira (17). Como sempre mal assessorada, se apresentou para retomar o posto. Ouviu do próprio interventor, o doutor Guilherme, que a prefeitura ainda não havia sido notificada sobre a decisão judicial que restabelece o comando do programa à ONG. Sem alternativa, deu meia volta.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


17/2/2017

 

Clique para ampliar a imagem




Rumos

Rumos  A nova gestão da Cidade do Saber continua sem dar notícias sobre as matrículas 2017 e os cursos que o programa ministrava até o final do ano passado. Prejuízo não atinge apenas centenas de jovens. Professores, educadores e monitores, verdadeiros formuladores e condutores do programa, também estão preocupados com o futuro.


Rumos 2 Provavelmente focado nos números, interventor segue tentando abrir a caixa preta do programa que o Camaçarico tanto denunciou. Indefinição e atraso tem parcela de culpa no próprio grupo político do hoje alcaide Antonio Elinaldo (DEM). Caso trabalhassem e não se omitissem da missão constitucional de fiscalizar as ações do programa bancado quase que na sua integralidade pelos cofres  públicos, quando era oposição na Câmara de Vereadores, o quadro seria diferente.


Rumos 3 Com 22 dias no posto, o doutor Guilherme Augusto Teixeira Neto segue assessorado por quem deveria afastar. A Coluna apurou que boa parte dos seus colaboradores, diretos e indiretos, vem da mesma escola da ONG Instituto Professor Raimundo Pinheiro, gestora do programa desde a sua criação, em 2007. 


Atalhos Se depender do Ministério Público Estadual (MPE), a Feira de Camaçari volta a fechar até que resolva de forma definitiva os problemas de segurança, higiene e equilíbrio financeiro. O promotor Luciano Pita, que estranhou a ausência do MPE na audiência que decidiu pela reabertura da feira, mesmo sendo o responsável pela ação civil pública, promete recorrer.


Atalhos 2 Pita também cobra uma solução para a participação dos comerciantes na conta de despesas do espaço, que não onerem os cofres públicos. Como mostrou o Camaçarico, gastos com a manutenção da feira pelo município representam quase o dobro do valor que a prefeitura estima arrecadar com a  taxação dos feirantes (Confira).


Caminhos Só faz crescer a queixa de amigos e correligionários do prefeito Antonio Elinaldo (DEM). O Elinaldo sempre aberto ao diálogo e ao compartilhamento de dificuldades que permitissem a busca de soluções está ficando no passado, dizem essas mesmas fontes ao Camaçarico.


Caminhos 2 Diferente do cativante Elinaldo, o agora prefeito de Camaçari segue em crescente isolamento e solitário. Os sinais são percebidos até nas entrevistas. Visivelmente estressado, voltou a cometer erros básicos de concordância. A gagueira e as trocas de nomes também se mostram intensas como no período mais crítico da campanha eleitoral.


Caminhos 3 Longe do Elinaldo afável, o novo Elinaldo não consegue ouvir, sequer tem espaço para ponderações dos amigos e correligionários que continuam andando nas ruas e conversando com adversários, e aliados satisfeitos e queixosos. Dizem que o novo Elinaldo se distancia das ações prometidas e necessárias para garantir as promessas de campanha. Dificuldade se amplia com a falta de sintonia com os novos tempos da política, na ágil e veloz plataforma da internet.


Caminhos 4 Pressionado por interesses de grupos políticos e familiar pouco identificados com a transparência e com os avanços das políticas sociais públicas, o novo Elinaldo caminha para virar presa fácil.  


Caminhos 5 Sem perder a esperança, querem a volta do Elinaldo ‘parceiro do povo’. Defendem que o dono da caneta aja rápido. Abra o diálogo com os vários segmentos da sociedade, independente da matiz política. 


Caminhos 6 Sem enquadrar e unificar os discursos e linhas de ações destoantes das promessas que serviram de principal combustível para a sua eleição, Elinaldo compromete sua gestão, atrasa o que precisa ser feito pela cidade, e caminhar para uma situação política desconfortável nas eleições de 2018.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


15/2/2017

 

Clique para ampliar a imagem




Projeto

Projeto  Com 44 dias de mandato, o alcaide de Camaçari precisa entender que a campanha acabou e chegou a hora da adoção das medidas duras e impopulares. Prometeu moralizar a gestão, prometeu tirar os traquinos que sangravam os cofres públicos, prometeu enxugar a máquina com cortes de pessoal, prometeu revisar contratos, prometeu romper acordos leoninos para os cofres públicos, prometeu...


Projeto 2 Agora, com a caneta de prefeito, Antonio Elinaldo (DEM) não pode continuar adiando medidas duras e necessárias para ajustar o governo e garantir melhor qualidade de vida para os seus cerca de 300 mil patrões.


Projeto 3 A Feira de Camaçari não é um caso isolado. Elinaldo até comove os cerca de 2 mil permissionários e empregados do espaço comercial quando diz que está com o ‘coração partido’ por ter sido obrigado ‘pela Justiça’ a taxar os feirantes. Se fala acalma um universo direto e indireto de trabalhadores e dependentes, estimado em cerca de 10 mil pessoas, seguramente provoca palpitações em número significativamente maior de corações  de consumidores e eleitores cansados da baixa qualidade oferecida pelo grande centro comercial do município.


Projeto 4 Declarações desta segunda-feira (13) reforçam o Camaçarico de sexta-feira (10). Coluna apurou que gastos com  água, luz, segurança e manutenção  chegam a cerca de R$ 400 mil/mês (Confira). Conta apresentada nesta segunda-feira (13) pelo alcaide, com a criação de taxas para comerciantes, beira a metade dos atuais gastos mensais. Segundo o próprio Elinaldo, taxas vão arrecadar cerca de R$ 207 mil mensais (R$ 2 milhões e 500 mil por ano). Numa conta de subtrair fica claro que cofres públicos vão continuar perdendo. São cerca de R$ 200 mil mensais, ou R$ 2 milhões e 500 mil em 12 meses. Essa é a diferença entre o que vai recolher de taxa com as despesas de manutenção da feira e o que gasta para manter o espaço.


Projeto 5 O prefeito não pode esquecer que outras contas virão. O transporte coletivo, verdadeira lástima, também pendurado pela Justiça e cobrado por Termo de Ajuste e Conduta (TAC) nunca cumprido pela gestão do ex-alcaide Ademar, é outra operação que precisa ser equacionada. Na mesma viagem  do transporte coletivo que aguarda licitação para instalação de ônibus decente, vem o projeto de mobilidade  urbana.


Projeto 6 Se existem projetos de mobilidade, para o novo sistema transporte, e de requalificação da feira, a prefeitura ainda mostrou. Tempo não faltou. O grupo do alcaide teve exatos 90 dias (outubro/dezembro) até a posse para fazer a transição formal e o desenho e definição de metas da nova gestão. Pelo visto, os 3 meses foram insuficientes.  


Derrapagem O governo do estado continua descuidando da Via Cetrel (BA-530). Com cerca de 20 quilômetros, pista está sendo duplicada, mas continua uma grande ameaça  para motoristas. Esburacada nos antigos trechos, estrada se mostra ainda mais insegura nos poucos quilômetros já duplicados.


Derrapagem 2 Provavelmente seguindo o cronograma do custo menor, e sem a fiscalização do governo estadual, empreiteira conclui o asfaltamento, mas não sinaliza os trechos duplicados. Por ironia, os trechos da antiga pista, mesmo parcialmente destruída, ainda apresentam restos de sinalização horizontal, indispensável para manter o motorista no caminho.


Derrapagem 3   Entre os buracos da velha Via Cetrel e os trechos duplicados da nova pista, a Polícia Rodoviária Estadual segue focada no licenciamento, na habilitação de motoristas e nas condições de rodagem dos veículos, como se fossem únicos itens necessários para a segurança de quem trafega na via.


Duplicação Camaçari ganha até final de março uma nova unidade do Detran. Formada por 4 Retrans (SAC da sede, Dias D’Avila, Mata de São João e Pojuca), a 28ª Ciretran sediada nomunicípio, terá posto avançado na Orla, onde poderão ser feitos todos os serviços, inclusive habilitação. O provável local será Arembepe. O nome ainda não foi definido, mas o ex-secretário Ademar Lopes (PSL) é cotado para o posto. Outro que mira a vaga é o ex-secretário e ex-vereador Zé de Elísio (PMN).


Duplicação 2  O cargo integra o novo feudo do ex-prefeito e deputado federal Luiz Caetano (PT). Faz parte do acordo de apoio incondicional, e sem corpo mole, a reeleição do governador e companheiro de partido,  Rui Costa. A Coluna apurou que o comando da Ciretran instalado na sede continua com Chico Tour (PTN), homem de confiança de Mauricio Bacelar, presidente municipal da legenda e irmão do deputado federal João Bacelar.  


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


13/2/2017

 





Do outro lado

Do outro lado O processo de fechamento da Feira de Camaçari não deixou de ser um presente para a gestão do alcaide Antonio Elinaldo (DEM). Decisão da Justiça, fruto de um Inquérito Civil aberto em 2013, pelo Ministério Público Estadual (MPE), dá um freio de arrumação numa velha e desvantajosa conta para município e clientes. 


Do outro lado 2 Sem o desgaste de assumir a paternidade da medida que desagrada parte de sua base de apoio, acostumada com o lucro livre de qualquer despesa de manutenção de seus pontos, Elinaldo tem a oportunidade de fazer o que tem que ser feito. Reorganizar o espaço e cobrar dos comerciantes os gastos com água, luz, segurança e manutenção.


Do outro lado 3 Protegida pelo potencial eleitoreiro dos cerca de 2 mil comerciantes e empregados, a feira de Camaçari é uma conta de subtrair no bolso e na saúde da cidade e de seus munícipes que a prefeitura nunca se preocupou em ajustar.


Do outro lado 4 Mesmo com custo mensal para os cofres públicos de cerca de R$ 400 mil, despesa nunca foi rateada com os comerciantes, alguns com mais de 1 ponto e estruturas com alto consumo de energia e água.


Do outro lado 5 Não dá para o município continuar gastando cerca de R$ 5 milhões por ano com a manutenção da feira. Nessa conta mensal os custos graciosos com água superam os R$ 100 mil. Com eletricidade, na sua maioria consumida pelos freezers dos comerciantes, o município não gasta menos de R$ 70 mil a cada 30 dias. Fecha essa conta de subtrair do bolso do contribuinte, as despesas com limpeza/manutenção, e a gorda conta de R$ 160 mil mensais com segurança.   


Do outro lado  6 Sem as mínimas condições de higiene e segurança, espaço que recebe cerca de 10 mil clientes por dia, virou um constante perigo. Insegurança alimentar, violência e risco de incêndio são marcas do maior centro comercial da região. ‘Por ironia do destino’, coube ao ‘ex-feirante’ a missão de comandar o processo de requalificação do seu antigo local de trabalho.


Do outro lado 7 Agora, distante do balcão, o Elinaldo prefeito terá de agir não como o comerciante que visa o lucro individual e dá um pequeno ‘desconto’,  realizando  medidas emergenciais e paliativas. Precisa fazer a conta certa, hoje com desvantagem para o cliente e para as finanças do poder público que ele jurou defender como prefeito, na tarde do último 1º de janeiro. 


Caminhos O mais recente relatório do Banco Mundial sobre violência e pobreza na América Latina e Caribe, parece que foi escrito para Camaçari. Mesmo sem citar o rico município sede do maior complexo industrial integrado do hemisfério Sul, documento mostra números da exclusão e a necessidade de medidas de prevenção, como escola, saúde, alimentação e programas de inclusão e acompanhamento de jovens.


Caminhos 2 O Banco Mundial cobra a necessidade dos governos construírem um tecido social mais inclusivo. Destaca a importância da escola desde os primeiros anos para que a criança não vá para a rua e vire presa fácil da violência. Numa outra coincidência com a realidade de Camaçari, relatório lembra que o crime e a violência estão altamente concentrados geograficamente em bolsões específicos dentro de bairros e cidades. 


Compromisso  O padre Valmir Miranda está deixando a Catedral de São Thomaz de Cantuária. Troca a principal estrutura da Igreja Católica em Camaçari, pela missão de administrar e ampliar as ações numa nova paróquia que abrange a região da Via Cascalheira e bairro Novo Horizonte.


Compromisso 2  Em seu lugar assume o padre Osmar Freire Junior. Vigário episcopal da Diocese, espécie de 2ª pessoa do bispo Dom Petrini, religioso atualmente é o pároco na cidade de Terra Nova, uma das 8 cidades que integram a Diocese sediada em Camaçari. Posse do novo pároco será dia 2 de março às 19h, na Catedral da praça Montenegro.


Compromisso 3  Nova tarefa do dinâmico e sempre engajado religioso nos movimentos sociais e populares inclui ainda a organização da incipiente Pastoral Carcerária. Padre Valmir já coordena e vai continuar orientando a pastoral Afro.


Confira todas as Colunas acessando o link http://www.camacariagora.com.br/camacari.php 


João Leite – Editor 


10/2/2017

 



Anterior | |1| 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 | Próxima

Encontrado(s): 565 registros

Listando página: 1

Resumo das Novelas



inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2017 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL