Busca:

  Notícia
 
Montadoras retiram populares de circulação e apostam nos SUVs


O Ford Ka e o Volkswagen up! puxam a lista dos fora de linha

Os carros populares, que já contribuíram com mais da metade das vendas de automóveis no Brasil, estão sendo deixados de lado pelas fabricantes que  apostam  em modelos  como os os utilitários-esportivos (SUVs). Modelos passaram a ser prioridade nos investimentos das montadoras em busca de maior margem de lucro nas vendas. Há dez anos, a participação dos SUVs nas vendas de automóveis e comerciais leves era de 7%. Nos cinco meses de 2021 está em 31% e tende a passar os hatches no curtíssimo prazo. A maioria dos utilitários custa a partir de R$ 90 mil.


Os carro popular, na concepção em que foi criado, não existem mais há algum tempo e há quem aposte, até entre montadoras, que a categoria de entrada vai desaparecer pois não há lançamentos previstos nessa faixa. No início de 2021 havia 7 carros de entrada em produção. Agora são 4, e o viés é de baixa. Já saíram de linha Ford Ka, Volkswagen up! e Toyota Etios. Há informações, não confirmadas, de que no fim do ano o Fiat Uno deixará o mercado e, em 2023, o Volkswagen Gol.


Hoje, além de Uno e Gol são considerados de entrada o Renault Kwid e o Fiat Mobi. O Onix Joy, versão antiga mantida pela General Motors após a chegada do novo Onix, não consta da relação de versões de entrada da Fenabrave, associação dos concessionários, embora o mercado o coloque nessa categoria.


Segundo a Fenabrave, de janeiro a maio foram vendidos 102,9 mil carros de entrada, uma participação de 15,3% do total de automóveis comercializados no período. Os preços ao consumidor variam de R$ 44,4 mil a R$ 60,2 mil e boa parte deles é adquirida por frotistas.


“Todo mundo está querendo pular fora desse segmento e procurando vender carros que dão mais rentabilidade”, diz Paulo Cardamone, da Bright Consulting. Para ele, contudo, o segmento deve ser mantido, mas em nova configuração, com carros mais equipados e de maior conteúdo tecnológico. Isso, porém, acarreta em custos, o que descaracteriza ainda mais o conceito de popular.


 


Cardamone avalia que o consumidor cada vez mais quer veículos com conectividade, segurança e conforto. Além disso, a própria legislação obriga a introdução de equipamentos de segurança que também encarece o produto. “Mas sempre haverá consumidores de faixa de renda menor querendo carros mais em conta”, pondera.


A categoria de hatch saiu de uma fatia de 48% das vendas de automóveis e comerciais leves em 2011 para 32% neste ano. É nesse segmento que está a maioria dos modelos 1.0, muitos deles super equipados como o Novo Onix adquirido por Ricardo Silveira, que custou R$ 89 mil (leia abaixo).


Há 40 modelos de SUVs à venda, e os hatches são metade disso. Dos 24 lançamentos previstos para o ano, 15 são utilitários. Há informações de apenas dois hatches, o Polo Track e o Honda City nessa configuração.


Ao ver o preço do carro de entrada longe de sua capacidade de compra, o consumidor da classe C está migrando para o usado. Até maio, a venda de usados e seminovos (com até três anos) superou em 56% a de igual período de 2020. Já as vendas dos zero cresceram 25%. Estadão

Mais Notícias

PF não tem registros de investigações sobre fraudes na urna
Pandemia desemprega quase 400 trabalhadores por hora, diz estudo
Conta de luz pode continuar na ´bandeira vermelha` até novembro
Meus trinta e um anos
Camaçari registra 40 novos casos de Covid-19 em 24h
Bares e restaurantes ganham novo horário com redução do toque de recolher
Anticorpos de quem teve Covid não protegem contra nova variante
Câmara de Camaçari treina servidor com moderno sistema digital
Camaçari registra 58 novos casos de Covid-19 em 24h
OAB discute medidas judiciais contra condomínio de Busca Vida


inicio   |   quem somos   |   gente   |   cordel   |   política e políticos   |   entrevista   |   eventos & agenda cultural   |   colunistas   |   fale conosco

©2021 Todos Direitos Reservados - Camaçari Agora - Desenvolvimento: EL